Smartwatches

Por Rodrigo Roddick, para o TechTudo

Google e Fitbit: saiba o que muda no mundo dos relógios smart Google e Fitbit: saiba o que muda no mundo dos relógios smart
Reprodução/Mashable

Finalmente o Google confirmou as especulações sobre a compra do Fitbit ao anunciar que estava adquirindo a empresa fitness por US$ 2,1 bilhões. Essa fusão estava sendo comentada há alguns dias quando notícias sobre as intenções do Google começaram a surgir na internet. A situação foi encarada de maneira controversa pelos especialistas, pois alguns sites se mostraram otimistas e outros expressaram preocupação.

A recente fusão aponta para uma possível intenção do Google em maximizar esforços no mercado dos smartwatches. A empresa já possui o Google Fit e o Wear OS para dispositivos de outras marcas, mas ainda não ofereceu ao público o próprio aparelho.

Google pode lançar seu próprio smartwatch devido à aquisição do Fitbit — Foto: Reprodução/TechCrunch Google pode lançar seu próprio smartwatch devido à aquisição do Fitbit — Foto: Reprodução/TechCrunch

Google pode lançar seu próprio smartwatch devido à aquisição do Fitbit — Foto: Reprodução/TechCrunch

Os produtos do Google em operação não apresentam uma competitividade real contra o Apple Watch que, junto da Samsung, domina este mercado. A empresa já realizou uma repaginada necessária em seus sistemas para torná-lo mais agradável aos usuários dessas duas grandes marcas, mas ainda não atingiu o patamar dos líderes neste segmento.

A compra da Fitbit parece ser o que faltava para que a organização avance no mundo dos wearables, já que agora eles têm acesso a um ferramental capaz de oferecer aos usuários um produto de excelência como os da Apple e da Garmin, aponta Rick Osterloh, chefe do segmento de hardware do Google.

"Ao trabalhar em estreita colaboração com a equipe de especialistas da Fitbit e reunir os melhores IA, software e hardware, podemos ajudar a incentivar a inovação em wearables e criar produtos para beneficiar ainda mais pessoas em todo o mundo” comenta Osterloh.

Devido ao valor pago pelo Google, pode-se presumir que a empresa tem interesse em utilizar todo o hardware já produzido pela Fitbit e se focar somente em aprimorar seus softwares de saúde, ou talvez criar um novo.

Alguns sites apontaram para os benefícios que tal fusão poderá agregar aos usuários. O Fitbit tem muito a oferecer ao Wear OS, pois carrega consigo mais de 28 milhões de perfil ativos que já estão acostumados a utilizar o aplicativo para melhorar a saúde. Ao ter acesso a essas experiências, o Google pode realmente fazer frente aos melhores smartwatches e aplicativos fitness do mercado.

Outro detalhe que pode favorecer o Google e elevar seu patamar é a questão da bateria. A Fitbit foi a única empresa que conseguiu lançar dispositivos com a maior autonomia, como é o caso do Ionic e o Versa. Eles podem ficar ligados por 4 a 5 dias, superando inclusive o poderoso Apple Watch e sua autonomia de 18 horas. Até o recente Samsung Galaxy Watch Active 2 atinge aproximadamente dois dias.

Apesar desses benefícios, há quem acredite que a compra pela Google pode trazer problemas para os usuários do Fitbit. Um exemplo disso é a questão da assistente virtual. O atual Versa 2 possui a Alexa da Amazon, mas o Google já tem no mercado o Google Assistente.

Alexa pode ser substituída por Google Assistente  — Foto: Reprodução/The Verge Alexa pode ser substituída por Google Assistente  — Foto: Reprodução/The Verge

Alexa pode ser substituída por Google Assistente — Foto: Reprodução/The Verge

A expectativa é que a Alexa dê lugar ao Google Assistente progressivamente, mas alguns acreditam que a assistente da Amazon não vá desparecer por completo, já que o Google está anunciando que os usuários terão a opção de escolher qual delas utilizar, assim como poderão decidir o que fazer com seus dados já reunidos no Fitbit.

Esta é outra questão preocupante porque os usuários estão receosos que o Google utilize as informações recolhidas do Fitbit para gerar a anúncios de saúde voltados a eles. Contudo, Rick Osterloh esclareceu que isso não vai acontecer.

“Os dados de saúde e bem-estar do Fitbit não serão usados ​​para anúncios do Google. E daremos aos usuários do Fitbit a opção de revisar, mover ou excluir seus dados” afirma o chefe de hardware do Google.

Com informações de The Verge, Mashable, Techradar e TechCrunch

Mais do TechTudo