Por Pedro Cardoso, Para o TechTudo


Um juiz da Califórnia, nos Estados Unidos, rejeitou o pedido da Apple para que o processo coletivo que estava sendo movido contra a empresa da maçã fosse considerado improcedente. Usuários deram entrada na ação depois que os modelos de MacBook equipados com teclado do tipo borboleta apresentaram defeitos, sem a possibilidade de conserto. O problema gerou várias reclamações em fóruns oficiais da marca e também gerou um abaixo-assinado, contando mais de 20 mil assinaturas, que reivindicava o recall do produto.

Com a decisão do juiz americano, o processo deverá, a partir de agora, seguir os trâmites legais da lei americana. Segundo a decisão, Apple sabia dos defeitos encontrados no hardware nas gerações anteriores do seu notebook e não tornou público esse conhecimento. Além disso, não teria ressarcido os clientes de forma adequada para reparar o prejuízo.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

O teclado é um ponto fraco do Macbook 2015 — Foto: Carol Danelli/TechTudo

O relatório apresentado pelo juiz indica que a Apple não apresentou “soluções eficazes” para resolver a falha. Além disso, o documento também diz que, mesmo depois de realizar a troca dos teclados, o modelo substituito apresentava o mesmo problema.

De acordo com a Reuters, o processo estava arquivado desde 2018 e compreende cada MacBook fabricado desde 2015 e MacBook Pro a partir de 2016. Depois de um tempo sem reconhecer o problema, a Apple adotou o formato “tesoura” em seus novos notebooks, a começar pelo MacBook Pro de 16 polegadas. Este modelo é vendido por R$ 21.299,00 no site oficial da marca no Brasil.

Vale ressaltar que os defeitos do teclado do formato “borboleta” estava no espaço deixado entre as teclas e a base do MacBook, que permitiria a entrada de muitos sujeira, o que diminuía consideravelmente o tempo de vida útil do teclado. Esta estrutura foi a medida tomada pela fabricante na época para conseguir lançar um notebook ainda mais fino do que os anteriores.

Via Reuters e iMore

Mais do TechTudo