Celulares

Por Rodrigo Roddick, para o TechTudo


O iPhone fez bonito num experimento que testou diversos sistemas de reconhecimento facial, desde aqueles em smartphones até tecnologias supostamente mais sofisticadas. Um grupo de profissionais de uma empresa de inteligência artificial (IA) recorreu a curiosas máscaras 3D para verificar se as soluções de segurança apresentariam falhas, o que de fato aconteceu, com exceção da biometria da Apple.

Os acessórios foram utilizados em terminais de compra em aeroportos, em aplicativos de compras e no desbloqueio de telefones.

Máscaras 3D conseguem burlar reconhecimento facial — Foto: Reprodução/9to5Mac

A equipe visitou alguns aeroportos na China, onde o reconhecimento facial é mais comum, e tentou se passar por outra pessoa vestindo uma máscara de alta qualidade que copia realisticamente ao máximo de características faciais. Quando diante do leitor óptico, o sistema reconheceu e aceitou a máscara como o rosto do usuário registrado.

Em outros casos, nem sequer foi necessária a máscara 3D. Apenas uma foto na tela do telefone conseguiu enganar o sensor no terminal de embarque no aeroporto de Schiphol, em Amsterdã, o maior da Holanda. Ainda foi possível acessar o histórico de viagens e consultar os terminais que aceitam reconhecimento facial como forma de autenticação.

As máscaras também conseguiriam enganar aplicativos utilizados para fazer compras como o AliPay (do Alibaba) e o WeChat. Eles permitem que o uso do reconhecimento facial seja utilizado em vez da impressão digital ou da senha numérica (PIN). Como o teste revelou a fragilidade da tecnologia, alguns fraudadores poderiam utilizar o esquema para acessar as contas bancárias de outras pessoas.

O presidente da Kneron, Albert Liu, explicou que os testes apontam para uma tecnologia abaixo do esperado e que as fabricantes também não se preocupam em atualizá-la. “Isso mostra a ameaça à privacidade dos usuários com reconhecimento facial abaixo do normal, mascarado como IA. A tecnologia está disponível para corrigir esses problemas, mas as empresas não a atualizaram. Eles estão adotando atalhos à custa da segurança”, afirmou Albert Liu.

No entanto, as máscaras são caras e demoram para serem produzidas, o que dificulta a atuação de vigaristas contra pessoas comuns. Ainda assim, pessoas ricas e famosas ficariam suscetíveis às fraudes.

Quatro motivos para você não se desfazer do seu iPhone X

Quatro motivos para você não se desfazer do seu iPhone X

Apesar da situação revelar a baixa segurança da tecnologia, o Face ID foi o único sistema que não foi enganado. A Kneron utilizou desde imagens na tela a máscaras 3D diante de um iPhone X, mas o telefone não reconheceu nenhuma dessas tentativas como o rosto verdadeiro do usuário e manteve-se bloqueado.

A Apple comunicou em 2017 que havia realizado testes com máscaras feitas por fabricantes profissionais para ajudar a testar os sistemas neurais artificiais do Face ID.

Com informações de The Verge, Engadget e 9to5Mac

Mais do TechTudo