Celulares

Por Rodrigo Roddick, para o TechTudo


Com o desafio de garantir a segurança e autenticar o verdadeiro usuário rapidamente, as fabricantes estão sempre investindo em novas formas de biometria no celular. No princípio os usuários só podiam contar com uma senha numérica para proteger seus dados bancários, números de cartão de crédito, mensagens particulares e outras informações pessoais. Com o passar do tempo, as maneiras de desbloquear o telefone ficaram mais sofisticadas e passaram a reconhecer as características físicas do indivíduo, conforme você vê no resumo a seguir.

Sensor de impressão digital foi a primeira biometria no celular — Foto: Carol Danelli/TechTudo Sensor de impressão digital foi a primeira biometria no celular — Foto: Carol Danelli/TechTudo

Sensor de impressão digital foi a primeira biometria no celular — Foto: Carol Danelli/TechTudo

Impressão digital

Esta biometria funciona basicamente ao reconhecer a digital do usuário. A tecnologia já existia em bancos, academias e até em periféricos de informática. Ela começou a migrar para os smartphones a partir do iPhone 5S, que vinha com um sensor alocado na área frontal do aparelho, no botão Home. Ela perdurou até o iPhone 8 e caiu em desuso com a chegada do iPhone X.

iPhone 8 foi o último telefone Apple a vir com sensor digital — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo iPhone 8 foi o último telefone Apple a vir com sensor digital — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo

iPhone 8 foi o último telefone Apple a vir com sensor digital — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo

A biometria por sensor digital desbloqueia o telefone rapidamente. No caso dos iPhones, o usuário podia cadastrar o polegar, que geralmente era usado para pressionar o botão Home, e desbloquear o telefone ao mesmo tempo em que acionava o menu. Era uma maneira rápida e eficiente de acessar o smartphone.

O sensor de impressão digital foi considerado muito seguro por um tempo porque a digital é única e não pode ser adivinhada, ao contrário de senhas e códigos numéricos. Entretanto, as pessoas perceberam que poderiam desbloquear telefones alheios ao simplesmente esperar o dono do telefone dormir e posicionar o dedo dele no leitor.

Sensor na traseira

O leitor de impressão digital começou a se fixar nas costas do telefone devido à tendência recente de aumentar as telas. Como antes o sensor ficava na frente, ele ocupava o espaço abaixo do display, o que ocupava boa parte da borda inferior, área que podia ser aproveitada para a tela. Aos poucos o leitor foi diminuindo até desaparecer por completo, migrando então para a traseira. Há celulares que o apresentam nas laterais.

Redmi Note 7 vem com sensor digital na traseira — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo Redmi Note 7 vem com sensor digital na traseira — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo

Redmi Note 7 vem com sensor digital na traseira — Foto: Rodrigo Fernandes/TechTudo

Por ficar escondido, o sensor trouxe um pouco mais de proteção ao usuário, pois as pessoas não conseguiam mais ver facilmente qual dos dedos desbloqueava o celular. Entretanto, o processo era mais lento do quando era posicionado na frente, pois como o usuário não via o sensor, precisava tateá-lo.

O Redmi Note 7 é um dos aparelhos que concentram essa tecnologia nas costas, mas ela também está presente no Galaxy A20 e no A30. A Motorola adaptou o sensor e o incorporou ao tradicional 'M' que marca as costas dos aparelhos da fabricante.

Biometria do Moto G8 Play: leitor de impressões digitais fica na marca da Motorola — Foto: Thássius Veloso/TechTudo Biometria do Moto G8 Play: leitor de impressões digitais fica na marca da Motorola — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

Biometria do Moto G8 Play: leitor de impressões digitais fica na marca da Motorola — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

Sensor integrado à tela

Apesar do leitor biométrico não fazer mais parte da área frontal do smartphone, ele ainda assim incomodava o usuário, que tinha que tatear a traseira com dedo ao mesmo tempo que manobrava o telefone para não cair. Mas a ideia de trazer o sensor para frente era inconcebível, pois as fabricantes já tinham aproveitado o espaço para alongar a tela. Desse modo, a alternativa era colocar o leitor integrado ao próprio display.

Galaxy S10 Plus conta com leitor de digitais ultrassônico sob a tela — Foto: Divulgação/Samsung Galaxy S10 Plus conta com leitor de digitais ultrassônico sob a tela — Foto: Divulgação/Samsung

Galaxy S10 Plus conta com leitor de digitais ultrassônico sob a tela — Foto: Divulgação/Samsung

A ideia levou a tecnologia à nível ultrassônico, gerando mais segurança e rapidez ao contar com escaneamento da digital e a formulação de um molde 3D virtual. No entanto, ela foi facilmente burlada com um simples detalhe: como a maioria dos painéis é feita de vidro, a digital humana deixa marca de calor. Ela então pode ser clonada.

Ainda assim, o sensor sob tela está presente nos smartphones mais avançados do mercado, como é o caso do Galaxy S10 Plus.

Leitor de íris

O Galaxy S8 apresentava um interessante método de desbloqueio: o reconhecimento da íris. A tecnologia mapeia os detalhes únicos que constituem a íris do olho humano (como as características de uma digital) e então autentica o usuário.

Galaxy S8 possui scanner de íris  — Foto: Paulo Alves/TechTudo Galaxy S8 possui scanner de íris  — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Galaxy S8 possui scanner de íris — Foto: Paulo Alves/TechTudo

É uma maneira muito eficaz que coibia bastante as tentativas comuns de invadir o celular alheio. Contudo, os usuários experts desenvolveram métodos para recriar as características do dono do aparelho e confundir o leitor. Além disso, o reconhecimento de íris era mais lento que a impressão digital.

Reconhecimento facial

Assim como no sensor de impressão digital, a Apple foi precursora do reconhecimento facial. A tecnologia mapeia os traços faciais conhecidos como pontos nodais para autenticar o usuário. O Face ID é o modelo mais rápido e seguro para desbloqueio dos iPhones e está mais veloz no iPhone 11 Pro. Ele é bastante fácil de usar, basta apenas que o usuário encare a lente frontal.

O iPhone XS também contém a tecnologia, que funciona por meio da câmera frontal do aparelho, conhecida como TrueDepth. O smartphone não está mais disponível no catálogo oficial da Apple, mas ele pode ser encontrado nos sites de varejo por R$ 5.340.

iPhone XS vem com Face ID — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo iPhone XS vem com Face ID — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo

iPhone XS vem com Face ID — Foto: Bruno De Blasi/TechTudo

O reconhecimento facial parecia ser a solução dos problemas de segurança até algumas pessoas conseguirem desbloquear telefones alheios utilizando máscaras com os pontos nodais clonados. Em alguns smartphones, a tecnologia, além de precária e defeituosa, leva mais tempo para funcionar.

Mais do TechTudo