Celulares

Por Rodrigo Roddick, para o TechTudo


Os botões podem deixar de existir nos smartphones em um futuro próximo. Para alcançar este resultado, a empresa Ultrasense desenvolveu sensores ultrassônicos que podem ser alocados sob qualquer superfície, incluindo vidro. A tecnologia permite que o telefone venha sem botões físicos ou costura, o que possibilita dispositivos à prova d’água e de poeira, bem como internet mais veloz por conta do 5G.

Este novo tipo de sensor também pode ser utilizado sob metal e até em superfícies como madeira e couro. Devido à versatilidade, a Ultrasense não pretende usá-los apenas nos celulares: os engenheiros planejam levar a tecnologia para dispositivos domésticos e hospitalares.

Sensores ultrassônicos podem substituir os botões físicos dos celulares num futuro próximo — Foto: Reprodução/GizmoChina Sensores ultrassônicos podem substituir os botões físicos dos celulares num futuro próximo — Foto: Reprodução/GizmoChina

Sensores ultrassônicos podem substituir os botões físicos dos celulares num futuro próximo — Foto: Reprodução/GizmoChina

Os sensores ultrassônicos também reconhecem tipo de toque do usuário e conseguem identificar o nível de força aplicada. Dentre as possíveis funcionalidades, os componentes poderiam acionar a câmera de selfies, ligar e desligar o aparelho, ajustar o volume e até exibir informações ocultas ao utilizar gestos como pressionar, tocar levemente ou deslizar, por exemplo.

Dependendo da forma com que os sensores forem posicionados, ainda podem representar uma maneira mais eficiente de controlar games, já que qualquer área do celular pode ser usada para abrigar a tecnologia. Os sensores podem ficar nas laterais, na traseira e, como já acontece, na tela.

Por se encontrar abaixo da superfície adotada no telefone, o aparelho não necessitaria de recortes para botões. Sem estes buracos no corpo dos smartphones, os componentes internos ficariam protegidos contra resíduos. Na teoria, os telefones até poderiam contar com vedação de proteção contra água.

Além de fortificar o smartphone e deixá-lo com maior durabilidade, a nova tecnologia ainda permite que os telefones apresentem designs mais ousados. Esse é um grande desafio quando se constrói um celular com botões físicos, tendo em vista que os telefones necessitam de uma base plana para serem alocados.

Apesar dos avanços, os sensores ultrassônicos precisarão desfazer a má reputação que adquiriram através dos celulares com leitor digital sob a tela. Estudos revelaram que era possível burlar a tecnologia devido à falta de segurança que estes sensores representavam. Até mesmo o Galaxy S10 teve problemas com películas e brechas que permitiam acessar o celular.

Com informações de Android Authority, Android Central e GizmoChina

Samsung Galaxy S10 Lite: testamos o celular na CES 2020

Samsung Galaxy S10 Lite: testamos o celular na CES 2020

Mais do TechTudo