Telefonia

Por Rodrigo Roddick, para o TechTudo


Antenas telefônicas voadoras poderão se tornar realidade em breve para evitar o irritante aviso de “sem sinal” no celular. Para tanto, o grupo Alphabet, dono do Google, se juntou à japonesa SoftBank para desenvolver uma nova tecnologia que visa fornecer redes de telefonia móvel neste novo formato. Cada organização possui projeto próprio para levar os equipamentos pelo ar. A Alphabet aposta em balões, enquanto a SoftBank usa drones. O principal desafio de ambas as empresas é conseguir que os equipamentos flutuantes se equiparem à cobertura de um satélite.

A ideia é levar sinal de celular e internet rápida com alta qualidade para áreas impossíveis de instalar antenas terrestres. Os projetos visam captar energia solar como combustível. A SoftBank chegou a investir US$ 125 milhões (cerca de R$ 557 milhões) na Alphabet no ano passado para impulsionar a tecnologia.

Alphabet e SoftBank formam aliança para fornecer redes móveis em áreas desoladas — Foto: Reprodução/PhoneArena Alphabet e SoftBank formam aliança para fornecer redes móveis em áreas desoladas — Foto: Reprodução/PhoneArena

Alphabet e SoftBank formam aliança para fornecer redes móveis em áreas desoladas — Foto: Reprodução/PhoneArena

As áreas-alvo dos projetos apresentam topografia inacessível aos veículos que transportam os equipamentos da antena. Isso motivou a aliança a criar alternativas de levar os cabos e antenas por meio do ar, o que fornece uma cobertura de rede móvel flutuante. As empresas encontraram a resposta nos drones e balões movidos à energia solar.

A Alphabet já firmou parcerias com fornecedores de redes sem fio no Quênia e no Peru, mas o projeto Loon vai além de acessar áreas inalcançáveis: ele também visa construir uma infraestrutura para fornecer conexões de telefonia em casos de desastres naturais.

No caso da SoftBank, o projeto HAPSMobile ainda testa os drones em voos de baixa latitude e já encontrou uma limitação. Um deles possui envergadura de 80 metros, mas ainda assim só consegue flutuar apenas 20 quilômetros acima do solo da Terra.

Essa flutuação é muito inferior à baixa distância de um satélite, que consegue orbitar a uma altitude mínima de 1.200 quilômetros. Com esta limitação, a amplitude do sinal fica comprometida. Portanto, ainda é necessário mais recursos para cobrir a área inteira.

Balão usado no projeto Loon — Foto: Divulgação/Google Balão usado no projeto Loon — Foto: Divulgação/Google

Balão usado no projeto Loon — Foto: Divulgação/Google

O drone HAWK30, por exemplo, consegue operar em coordenadas aproximadas de 30 graus da Linha do Equador e por enquanto não acessa os países do Hemisfério Norte. A expectativa é de que a tecnologia evolua para atingir os Estados Unidos e Japão, por exemplo. Apesar disso, a SoftBank pretende comercializar a tecnologia em 2023.

Os projetos necessitam da aprovação dos órgãos regulatórios para começar a funcionar. A empresa aeroespacial Airbus trabalha em parceria com organizações de telefonia móvel como Nokia, Ericsson, Deutsche Telecom, Telefônica, Bharti Airtel e China Telecom para conseguir a liberação. Este conglomerado telefônico também visa estabelecer um padrão de tecnologia para fornecer as redes móveis de modo uniforme.

Veja funções curiosas que um GPS pode executar

Veja funções curiosas que um GPS pode executar

Mais do TechTudo