Por Paulo Alves, para o TechTudo


O ventilador de baixo custo E-Vent foi desenvolvido para auxiliar no tratamento da Covid-19, causada pelo novo coronavírus. O protótipo, criado pelo MIT, custa US$ 100, o equivalente a R$ 510 na cotação atual, tem como objetivo ser uma opção aos aparelhos tradicionais, que não devem ser suficientes para atender todos os casos que precisam de respiração artificial. Além disso, o modelo fica disponível em código aberto para ser reproduzido por qualquer um. Vale lembrar que os Estados Unidos lideram o número de pessoas infectadas, e as mortes já passaram de 1 mil.

No Brasil, a Coppe, instituto de pós-graduação e pesquisa em engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), também desenvolveu um ventilador mais barato para ajudar no combate à doença causada pelo vírus. Segundo O Globo, os testes devem começar já na próxima semana.

Ventilador desenvolvido pelo MIT pode ajudar a tratar pacientes de Covid-19 nos EUA — Foto: Reprodução/Technology Review

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Segundo um levantamento do jornal The Washington Post, ventiladores mecânicos tradicionais têm preço entre US$ 25 mil e US$ 50 mil, algo em torno de R$ 127 mil e R$ 255 mil, dependendo do modelo. Portanto, as iniciativas podem fazer a diferença no combate aos efeitos da pandemia. No caso do MIT, o fato de ser um design de código aberto significa que não terá patente registrada. Dessa forma, qualquer um pode fabricá-lo integralmente sem precisar pagar royalties aos desenvolvedores.

O projeto foi desenvolvido há 10 anos com o objetivo de atender locais sem infraestrutura hospitalar adequada, como zonas rurais e países em desenvolvimento. Na época, o produto não chegou a passar da fase de protótipo, sendo reativado agora para atender à alta demanda por esse tipo de solução hospitalar. Os engenheiros também realizaram modificações no desenho e em materiais para garantir mais facilidade de uso e durabilidade prolongada.

De acordo com estudo da Society for Critical Care Medicine, citado na publicação do Washington Post, os Estados Unidos têm cerca de 162 mil ventiladores em funcionamento no país, e a expectativa é de que mais de 900 mil pessoas precisem de respiração artificial nos próximos meses. O MIT solicitou aprovação do E-Vent em caráter de emergência para a FDA, órgão dos EUA equivalente à Anvisa no Brasil. O aparelho passa atualmente por testes em porcos e pode ser liberado em breve para produção e comercialização.

Trabalhando de casa? Veja dicas para fazer home office:

Home office: veja ferramentas para trabalhar em casa no coronavírus

Home office: veja ferramentas para trabalhar em casa no coronavírus

Ventilador pulmonar brasileiro

Pesquisadores do Laboratório de Engenharia Pulmonar e Cardiovascular da UFRJ desenvolveram um ventilador mecânico para fins emergenciais que pode ser uma alternativa aos equipamentos tradicionais para enfrentar a crise. O Ministério da Saúde estima que o Brasil vai precisar de cerca de 20 mil ventiladores nas próximas semanas, mas produção nacional chega apenas a 2 mil unidades por mês.

Ventilador criado por pesquisadores do Coppe/UFRJ é outra solução de baixo custo no combate à Covid-19 — Foto: Divulgação/Coppe/UFRJ

O aparelho promete características encontradas em ventiladores comuns, incluindo válvulas e filtros que impedem a contaminação do ambiente pelo novo coronavírus, o que poderia infectar profissionais de saúde. O diferencial do protótipo está no design, que prevê o uso de recursos disponíveis no mercado nacional para a produção em maior escala.

Como já funcionou em estágio inicial, o ventilador será encaminhado para os primeiros testes com ventilação moderada, e será usado no tratamento de um paciente do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. Uma rede de empresas já está sendo preparada para iniciar a fabricação em massa, caso os testes obedeçam às normas de segurança e tragam resultados positivos.

Quer saber tudo sobre o universo de celulares, jogos, aplicativos e demais eletrônicos? É só dar uma olhada no nosso canal no YouTube:

Mais do TechTudo