Jogos de tiro

Por Victor de Abreu, para o TechTudo


Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) deve receber a Source 2 na próxima semana. Após anos utilizando a Source Engine, diversos rumores indicam que o game vai estrear o novo motor gráfico em atualização nesta segunda-feira (18). A tecnologia foi lançada em 2015 e já está em outros jogos da Valve, como DotA 2 e Half-Life: Alyx. O recurso promete melhorar diversos aspectos do game, inclusive tornar seu visual mais realista. Pensando nisso, o TechTudo preparou um especial para mostrar a evolução dos gráficos da franquia. O guia começa no mod de Half-Life, passa pelo Counter-Strike e chega até 2020.

Relembre mudanças gráficas realizadas na franquia — Foto: Reprodução/Steam

Quer comprar jogos, consoles e PC's com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Counter-Strike - Mod de Half-Life (1999)

A primeira versão de Counter-Strike foi criada por Minh Le e Jess Cliffe como uma modificação de outro jogo, o Half-Life, também desenvolvido pela Valve. O jogo utilizava uma engine chamada de Goldsource, que era basicamente uma versão modificada da Quake Engine, de Quake. Minh Le e Jess Cliffe viram um grande potencial no mod criado por eles e passaram a focar maior parte de seu tempo em melhorá-lo, tanto em questões gráficas, como em jogabilidade. Tempo depois a Valve decidiu fazer o lançamento individual do game.

Counter-Strike nasceu como uma modificação de Half-life — Foto: Divulgação/moddb

Counter-Strike 1.6 (2003)

Após diversas atualizações realizadas desde 1999, o FPS chegou em sua versão definitiva, a 1.6, em 2003. Já com a Valve por trás de seu desenvolvimento e das vendas, a versão seguiu utilizando da mesma engine de Half-life, mas apresentou algumas melhorias gráficas desde as suas primeiras versões, em especial na aparência dos personagens, das armas, e nas texturas dos mapas em geral. CS 1.6 ainda é considerado por muitos jogadores como a melhor versão da franquia, se tornando a responsável pela popularização do jogo.

Counter-Strike movimentou várias lan houses brasileiras — Foto: Reprodução/Counter-Strike 1.6

Counter-Strike: Condition Zero (2004)

Antes de sofrer uma mudança em sua engine, a franquia ainda recebeu mais uma versão, o Counter-Strike: Condition Zero, que foi desenvolvida em parceria com a Gearbox Software, a Ritual Entertainment e a Turtle Rock Studios. Apesar de ter um modo multiplayer, essa versão se destacou pelo modo campanha, onde o player podia jogar sozinho contra o computador e cumprir objetivos determinados.

O jogo sofreu melhorias gráficas em relação ao 1.6, em especial com mais detalhes nos mapas disponíveis e na aparência dos personagens. Mas o título não teve o sucesso esperado por conta da engine ser considerada ultrapassada, e também devido a outro lançamento da mesma franquia meses depois, em 2004.

Engine defasada foi um dos motivos para Condition Zero não ter adquirido tanto sucesso — Foto: Divulgação/Steam

Counter-Strike: Source (2004)

Ainda em 2004, a Valve lançou o Counter-Strike: Source, um remake de Counter-Strike. Dessa vez, o FPS utilizou da Source Engine, que foi criada pela própria Valve no mesmo ano. Embora não utilizasse de todo o potencial da engine, Counter-Strike: Source deu ao jogo uma atmosfera diferenciada e uma experiência completamente nova para os jogadores, com um nível muito maior de detalhes e qualidade nas texturas. O game agradou de um modo geral, mas os jogadores profissionais teceram algumas críticas à essa versão, em especial, a respeito de suas mecânicas. Por conta disso, a versão 1.6 seguiu como a favorita nas principais competições da franquia.

Counter-Strike: Source teve claras melhorias gráficas, mas não conseguiu sucesso no competitivo — Foto: Divulgação/Valve

Counter-Strike: Global Offensive (2012)

Por fim, Counter-Strike: Global Offensive, lançado em agosto de 2012. Essa versão seguiu utilizando da Source Engine, mas dessa vez realizou uma apresentação muito melhor que a versão anterior. CS:GO dá um pouco mais de realismo aos personagens e ao armamento, além de mostrar detalhes mais profundos, como sombras e luzes nos cenários, as explosões, e até mesmo as poças de sangue. Os mapas também foram reconstruídos com texturas muito superiores e que dão uma nova experiência aos jogadores.

Caso os rumores sejam confirmados e a Source 2 Engine seja uma realidade, pode-se esperar resultados ainda melhores para o CS:GO. Entre essas mudanças, é possível destacar melhorias gráficas, provavelmente mais riqueza em detalhes, como iluminação, efeitos de fumaças e explosões, e novas mecânicas de jogo, que podem afetar do simples pular do personagem, até o lançamento de granadas.

CS:GO sofrerá mudanças gráficas e de jogabilidade com a Source 2 Engine — Foto: Divulgação/Counter-Strike

Mais do TechTudo