Celulares

Por Larissa Infante, para o TechTudo


A Apple e a Xiaomi lideraram as vendas globais de celulares no primeiro trimestre de 2020. O iPhone 11 foi o smartphone mais comercializado do período, com aproximadamente 18 milhões de unidades vendidas. Em segundo lugar, aparece a linha do Redmi Note 8 e do Redmi Note 8T, com mais de 8 milhões de telefones comercializados. A Samsung também entrou na lista, mas ao contrário da Apple e Xiaomi, os aparelhos mais básicos da empresa sul-coreana que fizeram sucesso.

O relatório da consultoria de mercado Canalys conclui que o período que compreende os três primeiros meses de 2020 foi o pior trimestre da história em vendas para a indústria de celulares.

iPhone 11 em mãos: saiba preço e tudo sobre o lançamento da Apple de 2019

iPhone 11 em mãos: saiba preço e tudo sobre o lançamento da Apple de 2019

A Apple ocupa três posições no ranking dos celulares mais vendidos no trimestre, sendo representada por iPhone 11 (primeiro lugar, com 18 milhões de vendas), iPhone 11 Pro Max (sexto lugar, com aproximadamente 5 milhões) e iPhone 11 Pro (décimo lugar, com aproximadamente 4 milhões).

Apesar de ser o iPhone mais barato de 2019, com preços atualmente a partir de R$ 4.050, o iPhone 11 é um celular premium com ficha técnica avançada. Sucessor do iPhone XR, o smartphone conta com o chip A13 Bionic, o mais avançado da Apple, além de iOS 13, câmera dupla e até 256 GB de memória. O telefone lançado em 2018 chegou a ser o celular mais vendido de 2019.

Para o próximo semestre, analistas esperam que este lugar seja ocupado pelo iPhone SE 2, o aparelho mais barato da empresa desse ano. Este resultado pode indicar uma tendência dos consumidores por smartphones com preços mais acessíveis.

iPhone 11 foi o celular mais vendido do mundo no primeiro trimestre de 2020 — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

Já o celular Android mais popular do período foi o Redmi Note 8 e a variante 8T. O smartphone que já acumulava quase 30 milhões de vendas desde o lançamento, em novembro do ano passado, agora ficou em segundo lugar no ranking com 8 milhões de vendas no trimestre.

Encontrado atualmente na loja oficial da Xiaomi no Brasil a partir de R$ 2.195, o Redmi Note 8 vem com câmera quádrupla, tela de 6,3 polegadas, armazenamento de até 128 GB, 4.000 mAh de bateria e função que limpa o alto-falante.

A Xiaomi também marcou presença no ranking com o Redmi Note 8 Pro (quinto lugar, com aproximadamente 6 milhões) e o Redmi 8A (nono lugar, com aproximadamente 4,5 milhões).

📺 Confira no vídeo abaixo o lançamento do Redmi Note 8:

Xiaomi Redmi Note 8 e Note 8 Pro: saiba mais sobre os celulares

Xiaomi Redmi Note 8 e Note 8 Pro: saiba mais sobre os celulares

Ainda segundo a Canalys, a Xiaomi aumentou significativamente a participação de mercado em vários países europeus durante o primeiro trimestre. A gigante chinesa se tornou a principal fornecedora de smartphones na Espanha, com uma participação de mercado de 28% e a quarta maior fornecedora da Europa Ocidental, classificada em terceiro lugar na Itália e em quarto na França.

Xiaomi Redmi Note 8 aparece em segundo no ranking de celulares mais vendidos do primeiro trimestre de 2020 — Foto: Reprodução/91 Mobiles

Apesar de Apple e Xiaomi liderarem os primeiros lugares no ranking, a Samsung teve o maior número de representantes na lista, como o Galaxy A51 (terceiro), Galaxy A10S (quarto), Galaxy A20S (sétimo) e Galaxy A01 (oitavo). A marca coreana renovou as ofertas de celulares intermediários há pouco tempo, o que pode ter ajudado a impulsionar os resultados durante o trimestre. Apesar disso, nenhum smartphone premium da empresa sul-coreana entrou na lista.

Celulares mais vendidos no primeiro trimestre de 2020

Posição Celular Fabricante Total aproximado
1 iPhone 11 Apple 18 milhões
2 Redmi Note 8 Xiaomi 8 milhões
3 Galaxy A51 Samsung 7 milhões
4 Galaxy A10s Samsung 6 milhões
5 Redmi Note 8 Pro Xiaomi 5,5 milhões
6 iPhone 11 Pro Max Apple 5 milhões
7 Galaxy A20s Samsung 5 milhões
8 Galaxy A01 Samsung 4,5 milhões
9 Redmi 8A Xiaomi 4 milhões
10 iPhone 11 Pro Apple 4 milhões

Com informações de Android Authority e Android Central

Mais do TechTudo