Celulares

Por Milena Garcia, para o TechTudo

Divulgação/Samsung

A Samsung apresentou uma nova solução de segurança para proteger dados de celulares. A novidade foi intitulada de S3FV9RR e consiste em um chip do tipo Elemento Seguro (SE, em inglês). O componente trabalha em conjunto com um software de segurança aprimorado em relação à versão anterior, implementada na linha do Galaxy S20.

A proposta é de oferecer maior proteção contra ataques maliciosos e atualizações de software. Rumores apontam que o produto deve começar a ser incluído na série de smartphones Galaxy Note 20, prevista para ser lançada em agosto de 2020.

Chip de segunça Samsung deve chegar ao mercado no lançamento do Galaxy Note 20 — Foto: Divulgação/Samsung

De acordo com o teste Common Criteria Evaluation Assurance Level, o chip recebeu a classificação mais alta em quesitos de segurança para um componente móvel até o momento. Em uma escala de EAL0 a EAL7, em que o sete representa maior proteção, o lançamento da gigante sul-coreana recebeu certificação 6+. O antecessor S3K250AF, presente no Galaxy S20, era qualificado como 5+.

📺 Relembre o lançamento da linha Galaxy S20 abaixo:

Samsung Galaxy S20, S20 Plus e S20 Ultra; conheça a ficha técnica

Samsung Galaxy S20, S20 Plus e S20 Ultra; conheça a ficha técnica

Ainda em comparação com a primeira geração, a solução conta com o dobro de armazenamento. Além disso, o novo chip é capaz de suportar ferramentas implementadas como o Root of Trust (RoT) e inicialização segura.

Isto significa que, basicamente, quando um dispositivo com o novo componente é inicializado, uma corrente de confiança se ativa e todo sistema é sequencialmente validado com chaves previamente aprovadas. Dessa maneira, o telefone deverá estar protegido em tarefas como inicialização, armazenamento isolado e pagamentos móveis.

Chip S3FV9RR conta com o dobro de capacidade de armazenamento da geração anterior — Foto: Divulgação/Samsung

A Samsung afirma que o chip S3FV9RR trata-se de um componente versátil, já que pode funcionar independente do desempenho de segurança do processador principal do aparelho. De acordo com a empresa, o recurso atende aos requisitos do módulo de segurança para operações criptografadas para uma versão futura do sistema operacional, provavelmente o Android 11.

Além de smartphones, a novidade também poderá ser implementada em passaportes eletrônicos e carteiras de criptomoeda.

Com informações de Samsung, ZD Net e SamMobile

Mais do TechTudo