Celulares

Por Larissa Infante, para o TechTudo

Divulgação/Incipio

A Apple anunciou nesta quarta-feira (22) que irá oferecer uma versão especial de iPhones desbloqueados para que pesquisadores de tecnologia encontrem brechas de segurança no celular. A iniciativa, que é parte do programa Apple Security Research Device Program, disponibiliza smartphones com acesso irrestrito à raiz do sistema operacional para que os profissionais ajudem a encontrar vulnerabilidades.

Os participantes podem enviar relatórios de segurança e receber recompensas de até US$ 1 milhão (R$ 5,2 milhões), com possibilidade de bônus para falhas mais graves. O objetivo da gigante da tecnologia é beneficiar todos os usuários do iOS, já que pretende prevenir bugs e deixar a interface mais segura.

Apple está oferecendo celulares especiais para pesquisadores identificarem falhas — Foto: Reprodução/MacRumors

Os iPhones disponibilizados pela Apple, conhecidos como Security Research Device (SRD) ou Dispositivos de Pesquisa de Segurança, em português, são versões totalmente desbloqueadas, o que pode facilitar na localização de brechas de segurança. Segundo a empresa, o smartphone pode executar quaisquer ferramentas, apesar de se comportar como um iPhone padrão.

Os aparelhos especiais serão fornecidos aos pesquisadores de segurança por um período renovável de 12 meses, mas continuarão sendo da Apple. Como não foram projetados para uso pessoal, os telefones deverão ter um uso controlado e não poderão ser transportados para fora do domínio dos pesquisadores.

Relembre o lançamento do iPhone 11

iPhone 11, 11 Pro e Pro Max no Brasil: veja a tabela de preços e outros detalhes

iPhone 11, 11 Pro e Pro Max no Brasil: veja a tabela de preços e outros detalhes

A empresa orienta que qualquer falha descoberta pelos pesquisadores seja reportada imediatamente aos desenvolvedores. Em seguida, a Apple diz que irá tentar resolver o problema e anunciará uma data de publicação da falha, o que provavelmente deve ocorrer na próxima atualização do sistema. Até lá, os participantes do programa não poderão compartilhar as descobertas.

Os profissionais terão acesso a uma extensa documentação e a um fórum dedicado com os engenheiros da empresa. O número de dispositivos disponíveis para a pesquisa é limitado. Para se inscrever, os candidatos precisam ser titulares de uma conta de desenvolvedor da Apple, com experiência comprovada, e devem morar em regiões e países elegíveis para o programa. O Brasil não faz parte dessa lista.

Com informações de Engadget e MacRumors

Mais do TechTudo