Áudio e vídeo

Por Thássius Veloso, do home office

Divulgação/Globo

O Globoplay passa a contar com o conteúdo ao vivo dos canais pagos diretamente na plataforma, sem depender da TV por assinatura. A Globo anunciou nesta segunda-feira (31) que os usuários poderão assinar a GloboNews, o Multishow, o Gloob e demais canais do conglomerado de mídia por R$ 49,90 por mês. A nova estrutura começa a valer em 1º de setembro para atuais assinantes e em 1º de outubro para novos assinantes.

Com o anúncio de hoje, os consumidores terão mais conteúdo diretamente na plataforma, que atualmente já traz novelas, séries, programas de entretenimento, esporte e muito mais. Parte dos vídeos é aberta a todos, enquanto outra parte é reservada para assinantes.

É possível assistir ao Globoplay em até quatro telas ao mesmo tempo sem alterar o valor da assinatura — Foto: Caroline Doms/TechTudo

Sendo assim, a Globo reforça o catálogo no momento em que o mercado de mídia se transforma. A plataforma concorre no Brasil com players como Netflix e Amazon Prime Video. A empresa explicou que o lançamento de hoje engloba a transmissão dos canais ao vivo. Será possível, por exemplo, acompanhar o que está passando em tempo real na GloboNews. Dá-se a isso o nome de simulcasting.

Os preços ficam assim:

  • Grátis: programação ao vivo da Globo e do Futura + conteúdo selecionado de jornalismo, variedades, programas de entrevista + trechos de novela.
  • R$ 22,90/mês: nível anterior + novelas na íntegra e outros conteúdos premium.
  • R$ 49,90/mês: nível anterior + canais ao vivo Multishow, GloboNews, GNT, Viva, SporTV, SporTV 2, SporTV 3, Off, Gloob, Globinho, Bis, Mais Globosat e Canal Brasil + conteúdo sob demanda de Universal TV, Studio Universal, SYFY e Megapix.

Estrutura de preços do Globoplay a partir de setembro de 2020 — Foto: Divulgação/Globo

Outros conteúdos permanecem com pagamento à parte:

  • Premiere: R$ 79,90/mês ou em até 12x de R$ 59,90 no plano anual.
  • Combate: R$ 79,90/mês.
  • Telecine: continua sendo vendido em combo com o Globoplay básico por R$ 49,90. Em breve, será disponibilizado também o combo do Telecine com o Globoplay + canais ao vivo.

Bombou

O diretor de serviços digitais Erick Bretas revelou que o consumo de conteúdo cresceu 224% de 2019 para 2020. Foram 244 milhões de horas vistas entre primeiro de janeiro e 27 de agosto de 2019 contra 789 milhões no mesmo período deste ano. De acordo com o executivo, cerca de dois terços são acessos de usuários pagantes.

A nova experiência de Globoplay inclui uma marca ligeiramente renovada e nova navegação de conteúdo. Valerá para o app de celular e tablet, bem como smart TVs.

Assinantes de TV paga atualmente contam com o aplicativo Globosat Play para acessar o conteúdo ao vivo. A partir de setembro, o nome do app muda para Canais Globo.

A comparação com a Netflix

O diretor de tecnologia Raymundo Barros reconhece que alguns consumidores enfrentam dificuldades na experiência de uso. Ele explica que a comparação entre a plataforma da Netflix e o serviço da Globo só será “justa” com televisores que tenham Globoplay nativo, como é o caso dos lançamentos mais recentes da Samsung. Os aparelhos contam com um ambiente dentro do chip especialmente dedicado à plataforma, o que auxilia muito no aproveitamento dos recursos.

Globoplay em todas as telas — Foto: Divulgação/Globoplay

Além disso, ele conta que o app disponível para download em outros televisores está sendo refeito aos poucos, com o objetivo de evitar problemas.

Bretas diz que a equipe está aberta às reclamações e que há casos em que técnicos foram enviados às casas dos consumidores. Ele revela que parte das panes está relacionada com tecnologias de DRM, o sistema que gerencia direitos autorais e permite dar play em conteúdo licenciado. Smart TVs da categoria básica às vezes trazem sistema de baixa qualidade, o que impacta diretamente o usuário.

O executivo não descarta remover o Globoplay destes televisores, uma vez que a experiência deve ser uniforme entre todos os assinantes.

Mais do TechTudo