Por Bruna Telles, para o TechTudo


A MIBR estreou no Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) em 2018 unindo o melhor de dois mundos: o antigo elenco da SK Gaming, e a icônica tag do Counter-Strike 1.6. Agora, com três anos nos esports, o legado do time se baseia em crises. Recentemente foram dispensados Fernando "fer" Alvarenga, Epitácio "TACO" de Melo e o coach Ricardo "dead" Sinigaglia. Vale ressaltar que o técnico havia sido suspenso pela polêmica do bug de espectador. Insatisfeito com as mudanças, Gabriel "FalleN" Toledo deixou a line up ativa, que agora tem apenas Vito "kNgV-" Giuseppe e Alencar "trk" Rossato. Veja, a seguir, um resumo da trajetória do time.

O elenco 2020 da MIBR, antes da crise mais recente — Foto: Twitter/MIBR

Quer comprar jogos, consoles e PC's com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Mudanças de elenco ao estilo futebol

A MIBR estreou com FalleN, fer e Marcelo "coldzera" David, o trio que fez história com a Luminosity e SK Gaming. O time foi completo com Ricardo "boltz" Prass e Jacky "Stewie2K" Yip. No entanto, a organização não conseguiu manter jogadores ou coaches por muito tempo de lá para cá. Em 2018, foram dispensados boltz e Stewie2K. No ano seguinte foi a vez de coldzera, Lucas "LUCAS1" Teles e Tarik "tarik" Celic deixarem o time. Este ano, além de fer e TACO, também saíram Ignacio "meyern" Meyer e João "felps" Vasconcellos. Entre os coaches, além de dead, a MIBR teve Wilton "zews" Prado e Janko "YNK" Paunovic.

2018

Desde 2018, a ZOTAC Cup foi o único título conquistado pela MIBR — Foto: Reprodução / Twitter tariK

Menos de um mês após deixar a SK Gaming, FalleN e companhia estrearam pela MIBR e tiveram o primeiro resultado negativo. Da ESL One: Cologne, vencida pelo time em 2016 e 2017, veio apenas o oitavo lugar. O quarto lugar no FACEIT Major: London entrou para história por um péssimo motivo. A derrota para Astralis tornou-se o primeiro 16 a 0 sofrido por um time de CS:GO na história dos Majors. O ano ainda traria mais frustrações na IEM Chicago (nono lugar), DreamHack Masters Stockholm (sexto lugar) e na BLAST Pro Series: Copenhagen (sexto lugar).

2019

O segundo ano de MIBR não foi menos turbulento. No primeiro torneio de 2019, o time foi o quarto colocado na IEM Katowice, sendo eliminado novamente pela Astralis, dessa vez por 16 a 7. Muito aguardada pelos fãs, a BLAST Pro Series: São Paulo foi de sonho a pesadelo: a MIBR deixou o torneio em último lugar, somando cinco derrotas. A passagem pela Season 7 da StarSeries & i-League CS:GO rendeu apenas o 13º lugar. O terceiro lugar na IEM Sydney teve gosto amargo: em 2017, com a SK Gaming, o time havia levantado a taça.

As esperanças de um segundo semestre melhor acabaram rápido. Após ser oitavo lugar nas finais da Season 7 da Esports Championship Series (ECS), e nas finais da Season 9 da ESL Pro League, o time foi o penúltimo colocado da ESL One: Cologne. Outros destaques negativos do ano ficaram por conta do StarLadder Berlin Major (12º lugar) e nas finais da Season 10 da Pro League (10º lugar).

2020

O terceiro ano no CS:GO para MIBR continua magro. O time falhou em se classificar para Intel Extreme Masters (IEM) Katowice, e foi 10º lugar na BLAST Premier: Spring 2020 Regular Season. Embora vice-campeão da Flashpoint 1, o time perdeu de virada para MAD Lions, que conquistou seu primeiro título. Após o sétimo lugar no cs_summit 6 e ficar em último lugar na ESL One: Cologne 2020 Online - Europe, a MIBR decidiu fazer um bootcamp na Sérvia, e disputar torneios Tier B.

A ideia também não rendeu bons frutos. Os brasileiros ficaram na sétima colocação da Nine to Five #3, conquistaram o quinto lugar na Eden Arena: Malta Vibes - Week 9, e 13º lugar na Eden Arena: Malta Vibes - Week 10. Entre os resultados mais recentes, até o fechamento desta matéria, o time ficou na 12º colocação da Legend Series Season 6, e terceiro lugar na LOOT.BET/CS Season 7.

Mudança de camisa e de elenco não salvaram a MIBR de um 2019 frustrante — Foto: Divulgação/BLAST Pro Series

Mais do TechTudo