Battle Royale

Por Leandro Eduardo, para o TechTudo


Free Fire baniu 1,2 milhão de jogadores entre os dias 13 a 26 de dezembro de 2020, menos de duas semanas. As contas foram suspensas por terem sido detectadas pela Garena usando hacks, scripts e aplicativos de terceiros para obter vantagens indevidas no jogo. Nesse tipo de ban, os trapaceiros são suspensos permanentemente. O jogo Battle Royale está disponível para download grátis em celulares Android e iPhone (iOS), e no PC, via emuladores como o BlueStacks, MSI App Player e LD Player.

Free Fire é um Battle Royale que coloca 50 jogadores dentro de um mesmo mapa em busca de sobrevivência. — Foto: Reprodução/Garena

Quer comprar jogos, consoles e PC's com desconto? Conheça o Compare TechTudo

O uso de hacks e cheats é proibido em jogos competitivos, pois as trapaças dão vantagens indevidas aos jogadores. Apesar disso, muito players insistem em usar os recursos e a prática tem sido recorrente em jogos de tiros mobile. Por exemplo, entre 20 de agosto e 10 de dezembro de 2020, o PUBG Mobile baniu mais de 29 milhões de jogadores trapaceiros.

Com as frequentes críticas da comunidade pela presença de hacks no Free Fire, a Garena implementou em junho de 2020 um novo sistema anti-hack. O sistema atua contra softwares, APKs e macros, programas que auxiliam na jogabilidade, modificam os arquivos dos jogos, aumentam a velocidade dos personagens e aprimoram a mira das armas. Desde a implementação Free Fire promoveu algumas ondas de suspensões.

Os players que se depararem com um cheater em um partida também podem fazer denúncias. Para relatar infratores, basta acessar o “Modo Espectador” dentro do próprio Free Fire. Depois, clique em “Denunciar” e selecione a opção “Hack”. A reclamação também pode ser feita no site do suporte da Garena (www.ffsuporte.garena.com/hc/pt-br).

Via Garena

TechTudo completa 10 anos: veja o que mudou no mundo da tecnologia e jogos

TechTudo completa 10 anos: veja o que mudou no mundo da tecnologia e jogos

Mais do TechTudo