Campeonatos

Por Bruna Niro, para o TechTudo


W.O., abreviação de walkover, ou "vitória fácil" em tradução livre, é a expressão utilizada quando um jogo tem um resultado sem que ele seja realizado. Vitórias fáceis também acontecem nos esports em torneios de jogos como DotA 2, Counter Strike: Global Offensive (CS:GO) e League of Legends (LoL). Em alguns casos, as situações inusitadas que levaram ao W.O. causaram polêmica: como jogadores que dormiram demais e perderam a hora das partidas ou que faltaram porque estavam no shopping com a mãe. Confira, a seguir, cinco casos controversos de W.O. nos esports.

Jogador de DotA 2 da Anoobs Gaming perdeu uma partida porque estava dormindo — Foto: Reprodução/WESG LATAM

Anoobs Gaming x SG Esports (DotA 2)

A equipe brasileira de DotA 2 Anoobs Gaming (AOG) acabou eliminada por W.O da qualificatória da WESG LATAM por um motivo bem curioso: seu player, Erick "EricK1NG" Alves, não compareceu para jogar contra a SG Esports porque estava dormindo. O caso aconteceu em janeiro de 2021 e veio à tona depois que o jogador da SG, Danylo "Kingrd" Nascimento, expôs a situação nas redes sociais. Depois, EricK1NG pediu desculpas publicamente e comentou que estava com dificuldade em conciliar a carreira no DotA 2 com questões pessoais.

FunPlus Phoenix x Orgless (CS:GO)

Desde outubro de 2020, quando foi vendido pela Astralis, es3tag defende a Cloud9. — Foto: Reprodução/Twitter (Patrick Hansen)

Durante a Season 1 da Flashpoint de CS:GO, em 2020, a equipe da FunPlus Phoenix (FPX) foi eliminada da primeira fase da competição. O time, que iria disputar no dia 22 de março uma partida contra a Orgless, acabou perdendo o jogo por W.O. A organização da Flashpoint divulgou em sua conta oficial no Twitter que a FunPlus Phoenix havia perdido o jogo após as “recentes notícias de mudança de elenco”. Na época, o player Patrick “es3tag” Hansen estava de saída para se juntar a Astralis, o que acabou deixando a FPX com um jogador a menos e impossibilitando a equipe de realizar o confronto.

Porém, mesmo com a eliminação na primeira parte do torneio, a FPX conseguiu pontos suficientes na segunda fase, avançou aos playoffs e terminou o campeonato em sétimo/oitavo lugar em um total de 12 participantes.

Operation Kino x Redemption (LoL)

Equipe da Operation Kino durante o confronto entre a Falkol na Superliga, em 2019. — Foto: Reprodução/Flickr/Saymon Sampaio – BBL

A equipe brasileira de League of Legends Operation Kino (OPK) perdeu de W.O. para o time da Redemption durante a Superliga ABCDE, em novembro de 2019. O jogador da OPK, Matheus "Theusma" Lima, comentou na ocasião, em seu Twitter, que o motivo da derrota ocorreu pelo fato dos jogadores do time estarem sem as contas oficiais do servidor de torneio da Riot Games, requisito necessário para jogar o campeonato.

A organização da Superliga comunicou que a equipe sabia do requisito e não o cumpriu, e que, caso executasse as exigências nas próximas semanas da liga, poderia continuar na competição. Com o W.O., a Operation Kino caiu para a Chave dos Perdedores do torneio e acabou eliminada após perder, por 2-1, para a Falkol.

Quer comprar jogos, consoles e PCs com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Midas Club x Thunder Predator (DotA 2)

O The International é a principal competição de Dota 2 da atualidade e conta com a maior premiação dos esportes eletrônicos. — Foto: Reprodução/Flickr/Dota 2 The International

Em junho de 2018, durante a qualificatória sul-americana do The International 8 de DotA 2, o jogador Pedro "Sooths" Luiz, da equipe brasileira Midas Club, não compareceu a uma partida decisiva. Momentos antes do jogo contra a equipe peruana Thunder Predator, o player disse ao seu companheiro de equipe Lucas "Hyko" Morais que não conseguiria jogar, pois estava de saída para ir ao shopping com sua mãe.

Após o W.O. e a repercussão do caso, Sooths disse que a saída com a mãe foi uma desculpa, e que na verdade ele não estava confortável em jogar com o time. A partida em questão valia classificação para a próxima fase, e, com a derrota por W.O., a Midas Club não conseguiu pontuação suficiente para avançar no torneio. Vale lembrar que o The International 2018 teve uma premiação total que ultrapassou o valor de US$ 25 milhões (aproximadamente R$ 133.7 milhões em conversão direta).

Immortals x North (CS:GO)

Brasileiros da Immortals durante a final da DreamHack Open Montreal, em 2017. — Foto: Reprodução/Flickr/Pierre Yves Laroche – DreamHack

Em 2017, a equipe de CS:GO da Immortals, na época composta por brasileiros, perdeu de W.O. o primeiro mapa na final da DreamHack Open Montreal. O motivo foi um atrasado por parte da line up, que demorou a chegar ao local do evento. Em uma postagem no Facebook, o player Lucas "LUCAS1" Teles comentou que ele e seus companheiros, Henrique "HEN1" Teles e Vito "kNgV" Giuseppe, acordaram atrasados por estarem cansados e não terem ouvido o despertador. Após a derrota automática no primeiro mapa, os brasileiros perderam o segundo confronto por 19-9 na Cobblestone e ficaram com o segundo lugar no torneio.

Com informações do Twitter (1, 2, 3, 4), HLTV, Liquipedia, Reddit e Facebook

Mais do TechTudo