Veículos

Por Lucas Santos, para o TechTudo


As patinetes elétricas são veículos leves que podem ser interessantes para passear ou até para se locomover até o trabalho. Marcas como Tembici, Yellow, Grin, Scoo e Lime são conhecidas por fornecerem o aluguel dos produtos em diversas cidades. Mas, para quem deseja adquirir sua própria scooter, há opções como a Atrio Fun, da Multilaser, modelo que oferece bateria para até 12 km e sai por R$ 1.199,90 no varejo nacional, ou a Mi Eletric Scooter, da Xiaomi, que sai a R$ 3.299.

Outros produtos também aparecem por aqui, seja de marcas presentes oficialmente no Brasil ou via importação. Antes de escolher a patinete elétrica ideal, é importante ficar atento a aspectos como peso máximo suportado, o tipo de uso desejado e até mesmo fazer as contas para ver se vale a pena de fato. O TechTudo separou algumas dicas para ajudar você a tomar essa decisão. Confira a seguir:

Patinetes são mais uma opção de transporte alternativo; será que vale comprar uma própria? — Foto: Divulgação/Lime

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Defina o tipo de uso

As patinetes elétricas são uma boa opção para quem busca um meio de transporte alternativo para distâncias mais curtas. Por serem movidos a bateria, os produtos não são recomendados para trajetos muitos longos, uma vez que a carga pode acabar antes do fim do caminho.

No entanto, os veículos também podem ser usados para atividades de lazer. Nesse caso, pode ser interessante optar por plataformas de compartilhamento, disponíveis por marcas como Tembici, Lime, Grin e até a Uber, entre outras presentes em cidades brasileiras. As empresas responsáveis por esse serviço costumam disponibilizar patinetes elétricas que podem ser usadas principalmente em parques ou orlas de praia.

Modelos disponíveis para alugar têm foco no público adulto — Foto: Divulgação/Uber

Mas, vale ressaltar que os modelos disponíveis para aluguel via app têm como foco o público adulto, e podem não funcionar para o público infantil. Portanto, se a ideia é o uso por parte de crianças, pode ser mais interessante buscar modelos voltados especificamente para isso.

Faça as contas

Para saber se vale a pena investir em uma patinete elétrica ou utilizar os serviços de compartilhamento, é necessário pensar na frequência de uso e em qual finalidade o dispositivo terá no dia a dia. Com as empresas de aluguel oferecendo preços distintos, é necessário colocar na ponta do lápis quais são os custos com o empréstimo conforme o seu uso.

As empresas responsáveis pelo compartilhamento costumam cobrar uma taxa fixa para desbloquear a patinete e um valor de uso. As viagens na Lime, por exemplo, custam R$ 2,25 para destravar e mais R$ 0,75 por minuto. Já na Scoo, o sistema é um pouco diferente. O usuário paga uma tarifa de R$ 4,40 pelos primeiros 15 minutos e R$ 0,45 para tempo seguinte. Os preços de cada empresa podem ser consultados diretamente no aplicativo, que é responsável também por desbloquear o veículo para uso, ou no site da marca.

Mi Electric Scooter é alternativa de patinete elétrica para comprar no Brasil; preço alto pode ser empecilho — Foto: Divulgação/Xiaomi

Com um uso casual das patinetes, pode não fazer muito sentido pagar R$ 3.299 em um novo produto, valor cobrado no site oficial da Xiaomi pela Mi Eletric Scooter, por exemplo. Mas, se a ideia é usar o veículo com certa frequência para passear ou viajar pequenas distâncias pela cidade, talvez o preço de uma patinete própria compense.

Vale a pena importar?

Os interessados em importar as patinetes elétricas para o Brasil devem ficar atentos aos valores dos impostos cobrados. De acordo com a Receita Federal, as scooters seguem o Regime de Tributação Simplificada (RTS), com alíquota única de 60%.

Essas importações ainda estão sujeitas aos valores do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços), que varia em cada estado, despacho alfandegário e frete. Além disso, caso a compra seja feita com o cartão de crédito, é cobrado o IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras) de 6,38%.

Considere as especificações

Desde os modelos mais simples até os mais robustos, as patinetes elétricas são movidas a baterias recarregáveis. A Mi Eletric Scooter da Xiaomi, por exemplo, promete realizar um percurso de até 30 km rodando com uma única carga, rodando a 25 km/h de velocidade média.

Neste caso, a fabricante não estipula uma média de duração da bateria. Mas o modelo pode ser utilizado junto ao aplicativo Mi Home, disponível para Android e iPhone (iOS), que permite ao usuário ficar atento à bateria do dispositivo para não ser surpreendido no meio do caminho.

Atenção ao peso suportado!

O TD-Monster da TwoDogs suporta até 140 kg e tem velocidade máxima de 45 km/h — Foto: Divulgação/TwoDogs

Este é um ponto que requer muita atenção na hora de escolher o modelo ideal. Isso porque, além de ser um fator determinante na segurança durante o uso, o excesso de carga pode comprometer a construção da patinete e afetar diretamente a garantia do produto.

Geralmente, as scooters conseguem suportar um peso máximo que pode variar de 90 a 150 kg para os modelos feitos para adultos. Já nos produtos infantis o número costuma alcançar, no máximo, 40 kg. Por contarem com um material mais frágil, em geral, é importante ressaltar que o uso das patinetes infantis será mais limitado.

Outro ponto é o próprio peso do veículo, um aspecto que pode ser importante para quem deseja levar a scooter para outros lugares. A média é de 12 kg, mas, em alguns casos pode chegar a até 50 kg.

Robô-coruja, cervejeira portátil e mais: veja invenções curiosas

Robô-coruja, cervejeira portátil e mais: veja invenções curiosas

Mais do TechTudo