Fones de ouvido

Por Lucas Santos, para o TechTudo


O fone de ouvido T110, da JBL, é um in-ear de entrada que promete entregar áudio de qualidade com a tecnologia Pure Bass da marca. O acessório pode ser encontrado no mercado nacional por preços a partir de R$ 59, apresentando um perfil bem acessível. No entanto, por ser um modelo mais antigo, o dispositivo é superado em alguns quesitos quando comparado com modelos recentes do segmento. Veja, a seguir, os principais pontos positivos e negativos do fone de ouvido e saiba se vale a pena comprar o T110.

Fone JBL T110 é o segundo fone de ouvido mais buscado durante a Black Friday 2018 — Foto: Eduardo Machado/TechTudo

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

Prós

1. Preço baixo

É possível encontrar o JBL T110 a preços a partir de R$ 59, de acordo com o Compare TechTudo, enquanto no site oficial da fabricante o acessório pode chegar a R$ 89. Comparando com seu sucessor, o T210 (a partir de R$ 129), ou até mesmo com modelos de marcas rivais como o Samsung AKG (R$ 144) e o Philips PRO6305BK (R$ 115), o T110 consegue se destacar por apresentar o menor valor no mercado nacional. O fone pode ainda ser uma boa opção para quem não deseja gastar muito com um modelo de entrada, mas que pretende ouvir música com a qualidade que a JBL promete.

2. Bom encaixe

JBL T110 se destaca pelo bom encaixe nas orelhas — Foto: Eduardo Manhães/TechTudo

O T110 pode ser uma boa opção também por conta do conforto que seu formato pretende proporcionar aos usuários. As pontas anguladas permitem um encaixe mais anatômico no ouvido. Com isso, para quem gosta de ouvir grandes playlists ou horas de podcast, o fone de ouvido da JBL tende ser uma escolha interessante, pois talvez não incomode tanto quanto fones que sejam maiores.

As ponteiras auriculares de silicone que acompanham o acessório vêm nos tamanhos pequeno, médio e grande, assim proporcionando encaixe ideal para uma experiência mais cômoda a diversos tipos de usuários. O TechTudo testou o T110 em 2018 e constatou que as ponteiras aderem com facilidade aos ouvidos, permitindo que o fone ocupe todo o orifício auricular e dando a sensação de “isolamento acústico”.

3. Cabo achatado

JBL T110 traz cabos achatados que prometem boa resistência — Foto: Eduardo Manhães/TechTudo

O cabo do T110 é no estilo amassado, o que, segundo a JBL, permite que o dispositivo não enrole ou faça nós. Outro destaque que auxilia o acessório a não emaranhar é o fato do cabo ser constituído de uma material emborrachado, além de não apresentar revestimento interno. Este ponto positivo deve ser observado pelos usuários justamente porque os fones com fio que se enrolam com facilidade tendem a apresentar defeitos, mesmo com pouco tempo de uso. O T110 permite que o usuário o armazene no bolso da calça ou em mochilas, por exemplo, sem que apresente problemas após retirá-los para o uso.

Contras

1. Conectividade P2

O conector para entradas de 3,5 mm é do tipo P2, o que pode ser uma desvantagem para alguns usuários. Para quem utiliza o iPhone, dependendo do modelo, deve enfrentar limitações, uma vez que a Apple retirou as conexões P2 dos smartphones acima do iPhone 7. Para utilizar o T110 nos celulares que apresentam apenas a conexão lightning, é necessário obter um adaptador próprio da marca. Os usuários de Android, no entanto, encontram mais facilidade neste quesito, pois a grande maioria dos aparelhos ainda apresentam conector para fones.

JBL T110 — Foto: Eduardo Manhães/TechTudo

No entanto, pensando a longo prazo, a conectividade P2 pode ser um problema por conta da evolução dos dispositivos. Com o passar dos anos, as empresas estão implementando a conexão USB-C em seus smartphones, o que pode permitir o uso universal do acessório. A conexão de 3,5 mm tende a cair em desuso para que a experiência do usuário possa ser otimizada, visto que os fones USB tendem a apresentar melhor qualidade sonora.

2. Som muito básico

JBL T110 cover — Foto: Divulgação/JBL

O T110 é construído com drivers de 9 mm e trabalha com resposta de frequência de 20 Hz a 20 kHz, com impedância de 16 ohms. No teste da qualidade sonora do fone de ouvido executado pelo TechTudo, foi constatado que o dispositivo não consegue entregar a promessa de graves com a tecnologia Pure Bass. Por mais que o fone prometa qualidade sonora, suas especificações limitadas garantem apenas boas entregas nas faixas médias e agudas.

Por se tratar de um acessório com perfil de entrada, o modelo T110 pode não ser uma boa opção para os usuários que desejam ouvir as músicas com um grau mais elevado de qualidade. Se seu perfil é mais de um audiófilo, é ideal apostar em modelos mais avançados, e consequentemente mais caros.

3. Opções mais recentes

Por se tratar de um modelo mais antigo, o T110 pode apresentar defasagem quando comparado aos fones mais recentes da JBL. O seu sucessor, T210, é uma opção com conexão P2 que pode entregar melhor qualidade sonora com graves profundos e boa transmissão dos médios e agudos. Uma análise do TechTudo aponta que o T210 consegue reproduzir músicas no volume máximo sem distorção de som, mas no caso de faixas Pop com predominância de agudos e médios, os graves ficaram em segundo plano.

Outra opção recente da JBL é o Quantum50, fone de ouvido no formato in-ear anunciado em setembro de 2020 e com preço a partir de R$ 169 no site oficial da marca. Os usuários ainda podem optar por fones de ouvido que não tenha fios e apresentem conexão apenas Bluetooth, como é o caso do Tune 115TWS e o Free II. Os modelos wireless, no entanto, tendem a ser mais caros, mas também podem apresentar qualidade sonora mais estável do que os modelos de entrada com fio.

Fone de ouvido: cinco dicas para conservar melhor o acessório

Fone de ouvido: cinco dicas para conservar melhor o acessório

Mais do TechTudo