Celular
Publicidade

Por Paulo Alves, para o TechTudo


O iPad Pro 2021 de 12,9 polegadas anunciado recentemente pela Apple chamou atenção, dentre outros fatores, por trazer na tela uma tecnologia pouco conhecida: o mini LED. Embora não seja exatamente uma novidade no mercado, o recurso ainda engatinha na indústria de dispositivos móveis e promete reduzir a dependência do OLED sem deixar a qualidade de lado.

Entenda o que é o mini LED e por que ele pode se tornar comum nas fichas técnicas de tablets e celulares daqui para a frente.

iPad Pro 2021 vem com nova tela LCD que usa tecnologia mini LED — Foto: Divulgação/Apple

O que é mini Led

O mini LED é uma evolução da tecnologia LED, comum na construção de telas de smartphones, tablets e TVs, entre outros eletrônicos. A proposta da nova versão é oferecer imagem de melhor qualidade e reduzir a diferença para o OLED, visto como alternativa superior.

A inovação envolve a redução do tamanho dos pequenos diodos que emitem luz do LED (daí o nome mini LED), ao mesmo tempo em que aumentam a eficiência e o desempenho da iluminação que alimenta o painel de LCD.

Fabricantes que adotaram a tecnologia, como TCL e agora a Apple, dizem que o mini LED pode entregar muito mais qualidade do que o LED convencional, ao mesmo tempo em que não requer um processo de fabricação tão complicado e custoso. A promessa, portanto, é oferecer eletrônicos com telas melhores, mas não tão caros quanto os que usam OLED.

Mais brilho e contraste

Mini LED promete telas com qualidade próxima do OLED, presente no iPhone 12 — Foto: Rubens Achilles/TechTudo

O mini LED promete melhorar a imagem do LCD principalmente em duas frentes: contraste e brilho. Graças à iluminação mais eficiente e discreta dos diodos de tamanho reduzido, tons escuros na imagem seriam reduzidos com máximo de proximidade da cor preta, aumentando, na prática, o contraste percebido pelo usuário. Segundo a Apple, o novo iPad Pro de 5ª geração fornece contraste de um milhão para um.

Além disso, o mini LED entrega um nível de brilho muito maior do que o LED convencional, o que favorece principalmente a visualização de imagens no celular em ambientes abertos durante um dia ensolarado.

A combinação dos dois fatores, portanto, resultaria em uma qualidade de exibição superior ao LED, deixando aparelhos com essa tecnologia em vantagem em relação aos que trazem o LCD mais tradicional. Por outro lado, o mini LED ainda assim não conseguiria superar os níveis de contraste e brilho do OLED – nessa versão da tecnologia, zonas escuras podem ficar de fato 100% pretas, e o brilho tende a alcançar níveis mais elevados ainda.

Custo mais baixo

Mini LED na tela do iPad Pro 2021 tem fabricação mais simples do que OLED — Foto: Divulgação/Apple

Apesar de não chegar ao nível de qualidade do OLED, o mini LED oferece um custo muito mais baixo para o fabricante. O preço tem a ver com a complexidade do processo de fabricação, que é muito menor do que no OLED. A dificuldade desta tecnologia tem a ver, por exemplo, com a dificuldade de manter todos os diodos intactos durante o procedimento de corte de folhas de OLED.

Ao contrário do LED, qualquer erro milimétrico no corte do OLED pode resultar em falha de um dos pontos de luz e consequente defeito na imagem – quando um diodo falha, o pixel defeituoso fica facilmente visível para o usuário. Por esse motivo, aparelhos com essa tecnologia tendem a apresentar com mais frequência o defeito do “pixel morto”. Além disso, pela dificuldade do processo, é raro ver OLED em aparelhos com tela grande, como tablets e TVs – quanto maior o display, mais alta a chance de erro na produção.

Já o mini LED dispensa o corte minucioso e permite um processo de fabricação mais simplificado, o que reduz os custos do aparelho. Dessa forma, a novidade acaba sendo uma alternativa da indústria para melhorar a qualidade de imagem das telas de dispositivos móveis sem ter que investir no OLED.

Ao mesmo tempo, entra em cena um jogo de bastidores: como a Samsung é a principal fabricante de painéis OLED do mundo atualmente, adotar o mini LED permite que empresas como Apple evitem contratos com rivais diretos. Hoje, LG e Samsung fornecem telas para o iPhone 12, e com a chegada do iPhone 13, a dependência da Apple pode aumentar ainda mais.

Com informações de Android Central, Digitimes e 9to5Mac

iPhone 12 vs iPhone 11: o que muda no preço e na ficha técnica

iPhone 12 vs iPhone 11: o que muda no preço e na ficha técnica

Nota de transparência: AliExpress e TechTudo mantêm uma parceria comercial. Ao clicar no link da loja, o TechTudo pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação. Os preços mencionados podem sofrer variação e a disponibilidade dos produtos está sujeita aos estoques.

Mais do TechTudo