Redes sociais
Publicidade

Por Carolina Zanatta, do home office

Getty Images/NurPhoto

O TikTok, o app mais baixado de 2020, tem uma política de privacidade que causou burburinho nos últimos anos. Produzido pela empresa chinesa ByteDance, o aplicativo demanda acesso a inúmeras informações de seus usuários, como as preferências pessoais de conteúdo, modelo de telefone e, em alguns casos, até mesmo às mensagens diretas trocadas pela rede social. O TechTudo compilou uma lista com os principais dados coletados e tratados pelo app. Nas linhas a seguir, confira oito coisas que o TikTok sabe sobre você.

Vale lembrar que todas as informações aqui publicadas estão disponíveis diretamente no site do app, na política de privacidade do TikTok. Além disso, é importante frisar que, embora realize uma coleta robusta de dados dos usuários, o aplicativo de vídeos chinês não é o único que faz isso. Redes sociais como o WhatsApp e o Facebook, por exemplo, fazem coletas muito semelhantes de informações de seus consumidores. Dados como modelo de celular e comportamento de uso, por exemplo, são normalmente coletados pela maioria dos apps disponíveis nas lojas Google Play Store e App Store.

Por fim, vale frisar também que todos esses dados estão subjugados à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Aprovada em 2018, essa legislação dispõe sobre como o tratamento e compartilhamento dessas informações devem ser feitos e está em vigência no Brasil desde 2020.

Assim como outras redes sociais, o TikTok coleta vários dados de usuário; veja quais — Foto: Beatriz Maxima/TechTudo

TikTok é seguro e confiável? Tire suas dúvidas no Fórum do TechTudo.

1. Suas preferências pessoais

O TikTok tem acesso às suas informações de comportamento na rede social, como os vídeos que você curte e as palavras que procura no app, por exemplo. Além disso, dados como sua frequência de uso e anúncios a que assiste também são coletados. De acordo com a política de privacidade do app, essas informações são utilizadas para otimizar o algoritmo do aplicativo e oferecer uma experiência mais "customizada" ao usuário.

Esse tipo de dados costuma funcionar como alimento para machine-learning (em português, aprendizagem de máquina). Redes sociais como Instagram, Facebook e Kwai, por exemplo, também fazem esse tipo de uso dessas informações. É por causa disso que, quanto mais você utiliza o TikTok, mais personalizados ficam os conteúdos que aparecem para você. Desse modo, caso você distribua likes em vídeos de cachorros e gatos, por exemplo, a tendência é que cada vez mais apareçam clipes de temáticas semelhantes.

Além disso, mais do que apenas servir para personalização de conteúdo, esse tipo de informação também é aplicada à prática de anúncios. Isso porque o TikTok — assim como o Facebook, o Instagram e outras populares redes sociais — direciona ao seu feed publicidades específicas, baseadas no seu uso da plataforma.

Como outros apps, o TikTok coleta dados de preferência pessoal — Foto: Raquel Freire/TechTudo

2. Sua lista de contatos do celular

Mais do que apenas o seu gosto pessoal, o TikTok também pode ter acesso à sua rede de contatos do celular. Isso porque, na hora de criar a sua conta, você tem a opção de buscar por amigos para seguir no app e, selecionando essa alternativa, precisa conceder ao aplicativo acesso aos seus contatos salvos no smartphone. Embora soe como invasiva, outras redes sociais, como o próprio Facebook, também são adeptas a essa prática.

Caso deseje não compartilhar essas informações com o app, basta ir nas configurações de seu smartphone e desativar a opção de compartilhamento de contatos. No entanto, vale lembrar que, caso tenha criado sua conta a partir de outra rede, como Facebook ou até mesmo Gmail, por exemplo, esses dados serão compartilhados com o TikTok automaticamente.

Se o usuário permitir, o TikTok pode ter acesso aos seus contatos de telefone — Foto: Getty Images/SOPA Images

3. Informações sobre seu sistema operacional e rede de Internet

Além de colher informações sobre seus contatos e seu comportamento, o TikTok também sabe detalhes sobre o dispositivo que você usa para acessar o app e até mesmo sobre a rede de internet a que você está conectado. Embora essa coleta pareça invasiva, ela é de praxe entre aplicativos. Redes como Facebook, Pinterest e Twitter, por exemplo, também são adeptos a essa prática.

Essas informações incluem o modelo e o número de série do dispositivo, além das configurações de áudio e vídeo nele utilizadas. Elas são usadas na personalização de experiência do app, e também funcionam como uma maneira ainda mais robusta de direcionar anúncios ao usuário. Mais do que apenas isso, são utilizados nos relatórios de publicidade entregues aos anunciadores do app — prática que também é adotada por outras redes sociais.

4. Sua localização

Utilizando o seu endereço de IP, que é automaticamente compartilhado com o app, o TikTok também consegue acesso à sua localização aproximada. Isso tem impacto direto no uso do aplicativo, já que define, por exemplo, o tipo de conteúdo que é mostrado na sua timeline. Por causa disso, caso more no Brasil e viaje para Portugal, por exemplo, o app buscará mostrar também em sua timeline vídeos de produtores de conteúdo portugueses.

Além disso, caso seja concedido pelo usuário, o aplicativo também pode saber a sua localização exata. Essa solicitação é feita pelo app na primeira vez que é aberto, e a opção pode ser alterada a qualquer momento pelas configurações dos celulares.

No iPhone (iOS), basta ir em "Configurações", procurar por TikTok e verificar os acessos do app. Já no Android, acesse Configurações, vá até Aplicativos e selecione TikTok na lista de apps no celular. Depois, pressione a opção "Permissões" e toque sobre "Local" para negar o acesso do TikTok à sua localização.

A coleta desse tipo de informação, como várias outras mostradas nesta lista, não é exclusiva do aplicativo chinês. Outros apps muito populares, como o Instagram e os jogos Fortnite e Free Fire, por exemplo, também colhem esses dados usando o seu endereço de IP.

Como diversos outros apps, o TikTok também sabe sua localização aproximada — Foto: Helito Beggiora/Techtudo

5. Informações sobre seus seguidores e quem interage com você

Esse é outro tipo de coleta bastante usual a outras redes sociais — principalmente, ao Facebook e ao Instagram. Em linhas diretas, o TikTok faz uma análise dos usuários que seguem sua conta e também verifica como funciona a interação deles com seus vídeos. Isso, de acordo com a política de privacidade do app, serve para personalizar o conteúdo mostrado no feed Para Você.

Ainda conforme a política de dados do TikTok, esses dados também serviriam para personalizar anúncios e publicidade em geral, tanto para você quanto para seus seguidores.

6. Suas informações de outras redes sociais

Caso tenha criado sua conta no TikTok utilizando outra rede social, como o Facebook, por exemplo, o app chinês tem acesso às suas informações públicas no aplicativo de Mark Zuckerberg. Isso inclui dados como e-mail, data de nascimento, sexo, número de telefone e até mesmo questões mais sensíveis, como orientação sexual e preferência religiosa.

Além disso, porque a política de privacidade do Facebook também permite compartilhamento de dados com apps terceiros, o seu comportamento no app estadunidense pode ser dividido com o TikTok. Desse modo, caso opte por esse formato de login, informações como o tipo de publicidade que você consome no Facebook e no Instagram, por exemplo, são compartilhados com o aplicativo chinês. Vale lembrar que esses dados têm impacto direto na personalização de conteúdos e anúncios que aparecem em seu feed.

7. Os objetos e falas presentes em seus vídeos

Os conteúdos publicados no TikTok passam por alguns diferentes tipos de análise - entre elas, as de identificação de objetos e cenários, por exemplo. Além disso, o app pode verificar "a existência e localização de rosto e corpo em uma imagem", assim como "a natureza do áudio e o texto das palavras faladas". Vale lembrar que eventualmente o que é dito ou escrito nesses vídeos pode configurar como dado sensível — que, pela LGPD, só pode ser tratado em casos específicos, como em obrigações jurídicas, por exemplo.

Vale lembrar, no entanto, que o TikTok não é o único app que coleta esse tipo de dados. Aplicativos do Facebook, como o Instagram, fazem análises das imagens e vídeos produzidos com a câmera do app para verificar sua localização, por exemplo — o que pode também apresentar riscos para a privacidade dos usuários.

O TikTok não é o único app que analisa os conteúdos de seus vídeos; Instagram e Facebook também fazem isso — Foto: Kon Karampelas/Unsplash

8. Suas mensagens diretas no app

Embora a política de privacidade do TikTok seja, em geral, bastante similar à de outros apps, o tratamento de dados do aplicativo chinês tem também suas peculiaridades. Uma delas é o acesso às mensagens diretas dos usuários na plataforma, o que inclui até mesmo análise do conteúdo conversado.

De acordo com a rede social chinesa, isso é válido somente para países que permitam esse tipo de tratamento de dados — como é o caso da China, por exemplo. Já no Brasil, embora o país conte com legislações diferentes que também protegem o tratamento de dados de usuários, como o Marco Civil da Internet e o próprio Código de Defesa do Consumir, ainda assim há brechas para que essa coleta seja feita. Isso porque, na prática, não há na LGPD um dispositivo que trate especificamente sobre mensagens trocadas em aplicativos.

Para a líder geral de projetos da Associação Data Privacy Brasil de Pesquisa, Marina Meira, há diferentes maneiras como essas informações podem ser tratadas — tendo em vista que, dependendo do conteúdo das mensagens, elas podem ser consideradas dados sensíveis. Esse tipo de dados - que inclui informações sobre saúde, orientação sexual e convicção religiosa, por exemplo - só pode ser tratado se o próprio usuário permitir, ou ainda se o app tiver com eles alguma finalidade não-econômica específica. Além disso, a LGPD também considera possível o tratamento desses dados sensíveis em outros casos particulares, como obrigações jurídicas, por exemplo.

Conforme é explicado na política de privacidade do TikTok, essa coleta de informações teria várias finalidades diferentes, como evitar práticas de spam ou possíveis ações terroristas, por exemplo.

O TikTok pode ler suas mensagens, mas os dados ali recolhidos ainda estão sujeitos à LGPD — Foto: Raquel Freire/TechTudo

Há riscos nessa coleta de dados?

Para Marina Meira, da Associação Data Privacy Brasil, os principais riscos dessas coletas estão relacionados a usos indevidos de dados pessoais ou ainda incidentes de segurança. De acordo com Meira, esses acidentes (como vazamentos, por exemplo) "podem acabar expondo uma quantidade gigantesca de informações sobre a vida de uma pessoa". Além disso, podem também resultar em práticas comuns a cibercriminosos, como golpes de roubo de identidade e diferentes tipos de fraude, por exemplo.

A especialista também vê ainda um maior risco em relação aos dados de adolescentes — que, no TikTok, representam uma grande parcela de usuários. Isso porque, em casos de incidentes de segurança, essa exposição pode levar a ataques maliciosos ou ainda exposição de geolocalização desse público específico — o que pode representar um risco tanto no online quanto no offline. Mais do que apenas isso, há ainda a preocupação com as publicidades direcionadas, que podem servir como manipulação de comportamento.

Além disso, de acordo com Marina Meira, ainda sobre o público jovem é importante considerar que, porque as plataformas de redes sociais são orientadas para fazer com que o usuário passe mais tempo rolando o feed, isso pode funcionar como uma contraposição ao desenvolvimento dos adolescentes, já que os estimularia a passar mais tempo online. É importante lembrar que todas essas preocupações são válidas também para outras plataformas, como o Instagram e o Kwai, por exemplo.

O TikTok tem política específica para dados de adolescentes — Foto: Getty Images/picture alliance

Como é feito na LGPD, a plataforma chinesa de vídeos inclui em sua política de privacidade um tratamento específico para dados de adolescentes. Desse modo, o app deve trabalhar para que seja coletada a menor quantidade possível de informações sobre esse público, e tudo o que for coletado deve ser utilizado visando ao seu "melhor interesse" — em detrimento, por exemplo, dos interesses da empresa e de seus anunciantes.

Por fim, vale lembrar que esses riscos não são possíveis somente no TikTok. Outros apps, como o próprio Facebook, por exemplo, também fazem essa coleta de dados, e, portanto, também podem apresentar essas falhas ou incidentes de segurança. Por isso, é importante sempre verificar os acessos que os aplicativos têm em seus dispositivos e, caso encontre alguma cláusula nas diferentes políticas de privacidade que seja de seu desagrado, entrar em contato direto com os apps.

3 tipos de mensagens que você não deve enviar para ninguém no WhatsApp

3 tipos de mensagens que você não deve enviar para ninguém no WhatsApp

Mais do TechTudo