Por Thássius Veloso (@thassius)

Reprodução/Anitta

O circuito de fintechs – empresas digitais dedicadas ao setor financeiro - sofreu um verdadeiro abalo com o incomum anúncio de que a cantora Anitta entraria para o conselho de administração do Nubank. Afinal de contas, como ela contribuiria para um ramo tão distinto (e complexo)? Foi exatamente isso que perguntei para ela.

Sem papas na língua, a artista analisa as novidades apresentadas pelo banco de lá para cá, como o aumento do limite de crédito de 35 milhões de clientes. Também comenta os próprios hábitos no universo digital, de que tanto gostamos aqui no TechTudo.

David Vélez, Anitta e Cristina Junqueira — Foto: Divulgação/Nubank

Acho importante começar o papo perguntando o que uma cantora fará no conselho de administração de uma fintech. Eu sei que você é empresária e gerencia sua carreira, mas muita gente não sabe. Qual será a sua contribuição?

Anitta – Eu sempre me pergunto como de fato eu posso agregar em qualquer parceria que eu faça, desde as musicais até ser conselheira do banco. Conversei muito com a Cris [Junqueira], o Davi [Vélez] e com outras pessoas do conselho. Todos me deixaram muito à vontade pra ser quem eu sou, colaborar do jeito que eu sei colaborar, com base na minha experiência – de negócios e com o público em geral.

A gente está discutindo projetos e ações do banco. Tem sido uma experiência muito enriquecedora essa troca com outros conselheiros, sabe? A gente discute os projetos e as próximas coisas que vamos fazer. Tá sendo um grande aprendizado.

Transferência internacional no app do Nubank — Foto: Divulgação/Nubank

O Nubank figura entre os cartões de crédito mais amados do país, com uma legião de fãs e nenhuma reclamação no ranking do Banco Central. Já você lida com haters o tempo todo. Pretende trazer algum aprendizado dessa nova parceria?

É muito comum que, quando eu me envolvo com alguma coisa, já tenha muita repercussão. Eu já estou acostumada. A gente faz políticas preventivas e estuda bastante sobre como prevenir certos acontecimentos e críticas. É isso, faz parte da vida.

O que é inovação e em que momentos ela foi necessária na sua carreira?

Eu não paro, né? A música é minha paixão, eu sou cantora. Inovação e criatividade tá em tudo que eu faço no no dia a dia. Tô trabalhando agora no meu álbum Girl from Rio, que eu acabei mudando tudo por conta da pandemia e de tudo que mudou. Tô pensando em outros projetos musicais e parcerias incríveis também.

Como eu sou empresária da minha própria carreira, hoje em dia eu tenho gente cuidando de tudo pra mim. No fim das contas sou eu que decido – digo se é sim ou não. Isso também demanda uma responsabilidade grande, foco, estratégia, resultado. É bacana tentar navegar nos dois mundos, né? Ser supercriativo e ao mesmo tempo pensar estrategicamente.

O que te incomoda na vida digital, com redes sociais 24 horas por dia e aplicativos para resolver de tudo? Há momentos em que as plataformas saem do ar. Você xinga muito nessas horas?

Eu sou de uma geração que cresceu junto com o mundo digital. Eu acho que isso faz com que as facilidades das ferramentas e a a forma de se relacionar sejam mais naturais. A galera dessa geração entendeu que o que acontece faz parte do processo de viver online. Tá tudo bem.

Thássius Veloso (@thassius) é jornalista especializado em tecnologia, setor que cobre há dez anos. É editor do TechTudo e comentarista da CBN e da GloboNews. Entre em contato pelo email thassius@edglobo.com.br.

Mais do TechTudo