Redes sociais

Por Raquel Freire, para o TechTudo


O Tinder também quer embarcar no metaverso, universo virtual onde usuários interagem por meio de tecnologias como realidade virtual e realidade aumentada. O Match Group, empresa dona da plataforma de relacionamento, revelou que tem planos para introduzir experiências de namoro e flerte baseadas em avatares 3D no aplicativo, disponível para Android e iPhone (iOS).

A companhia também anunciou que irá criar uma economia bens virtuais dentro do app. Nela, os usuários poderão comprar, vender, dar ou presentear itens digitais por meio de Tinder Coins — moeda virtual que está em fase de testes e deve ser lançada globalmente em 2022. Os planos foram detalhados na videoconferência de resultados com investidores, realizada na última quarta-feira (3), assim como na carta aos acionistas divulgada no mesmo dia.

Tinder está desenvolvendo projeto baseado em metaverso que visa trabalhar com avatares digitais — Foto: Luana Marfim/TechTudo

Tinder fecha sozinho no iPhone: como resolver? Tire dúvidas no Fórum do TechTudo

A decisão de investir no metaverso foi bastante motivada pela pandemia. Na teleconferência para investidores, Shar Dubey, CEO do Match Group, contou como o isolamento social motivou a empresa a repensar as experiências virtuais dos usuários. O lançamento da aba Explorar, em outubro de 2021, foi um dos reflexos dessa nova direção. Com o metaverso, a plataforma pretende permitir que as pessoas se relacionem mesmo que nunca se encontrem no mundo "offline".

Foi pensando no novo projeto que o Match Group adquiriu a fabricante de redes sociais Hyperconnect por US$ 1,73 bilhão (cerca de R$ 9,52 bilhões, na cotação atual da moeda) no inicio deste ano e está trabalhando em um app baseado em avatares chamado "Single Town". Nele, os membros se encontram em espaços virtuais e interagem através de conversas ao vivo. Após se conhecerem neste protótipo de metaverso, os usuários podem continuar a bater papo de forma privada.

As "Tinder Coins" serão fundamentais nesse novo universo. A principio, as moedas poderão ser usadas para comprar recursos como Boost e Super Like. O app também irá oferecer moedas para os usuários que incluírem vídeos na bio ou verificarem seus perfis, em uma estratégia para incentivar o engajamento na plataforma. No entanto, o objetivo principal é criar um complexo comércio virtual, incluindo bens digitais e, provavelmente, usando NFT.

Tinder Coins, moeda virtual que permitirá comprar itens digitais, será lançada em 2022 — Foto: Divulgação/Tinder

Ainda na conferência aos acionistas, Gary Swidler, CFO e COO do Match Group, disse: “A Hyperconnect pode contribuir de forma extremamente significativa para o crescimento a longo prazo de todo o Match Group. Achamos que podemos aproveitar os recursos de vídeo, áudio, IA que eles têm, com moderação e segurança. Há uma série de coisas que estamos trabalhando muito para aproveitar."

Com informações de TechCrunch e Engadget

Veja também: o que é e como funciona o Tinder?

O que é e como funciona o Tinder

O que é e como funciona o Tinder

Mais do TechTudo