Publicidade

Por Rafael Monteiro, para o TechTudo


A Microsoft comunicou que vai manter jogos de Call of Duty e mais franquias famosas da Activision Blizzard em plataformas da rival Sony. Com isso, os games da desenvolvedora continuam disponíveis para PS4 e PS5. O anúncio foi feito por meio de uma publicação da própria empresa sobre a relação com lojas de aplicativos em geral para que a compra da empresa seja aprovada pelos órgãos de regulamentação dos Estados Unidos.

A mensagem da Microsoft responde algumas das principais preocupações de jogadores desde o anúncio da compra da empresa, mas não entra em detalhes sobre a duração das medidas ou sobre o lançamento de franquias criadas no futuro.

Microsoft afirma que pretende manter Call of Duty e "outros títulos populares da Activision Blizaard" nos consoles PlayStation — Foto: Reprodução/Microsoft Store

Anteriormente, o CEO da divisão de jogos da Microsoft, Phil Spencer, já havia garantido que a empresa iria honrar contratos atuais para lançamentos de Call of Duty no PlayStation, o que incluiria o lançamento de três novos games da série, segundo rumores.

Agora, o presidente da Microsoft, Brad Smith, confirmou que a franquia continuará a ser lançada nos consoles PlayStation além dos acordos já firmados, além de mencionar que também pretende tomar medidas para apoiar a "plataforma de sucesso" da Nintendo, atualmente o Nintendo Switch. "Acreditamos que essa é a coisa certa para a indústria, para os jogadores e para o nosso negócio", disse Brad Smith na mensagem.

Jogos de Call of Duty seguem no PlayStation, mas ainda há dúvidas sobre o assunto — Foto: Divulgação/Activision

Ainda há detalhes na postagem que deixaram alguns pontos indefinidos. Um deles é o tempo que os games de COD continuarão nos consoles PlayStation, nem se todos continuam multiplataforma. Além disso, não trata especificamente de futuras franquias e tampouco se as medidas são permanentes ou podem mudar com o tempo.

A compra da Activision Blizzard pela Microsoft ainda está em fase de aprovação e só deve ser completada no ano fiscal de 2023, em algum momento entre junho de 2022 e julho de 2023. A aquisição precisa passar por investigações da Comissão Federal de Comércio e do Departamento de Justiça dos Estados Unidos para avaliar se não há risco de monopólio. As medidas da Microsoft, segundo a empresa, visam se adaptar antecipadamente para demonstrar que pretendem aumentar a competição, e não eliminá-la.

Com informações de Microsoft, IGN (1 e 2), GameSpot

Mais do TechTudo