Celular
Publicidade

Por Danilo Paulo de Oliveira (colaboração) e Thássius Veloso (TechTudo)

Thássius Veloso/TechTudo

iPhones roubados ou perdidos que precisarem de consertos poderão ser recusados pela assistência técnica da Apple. Seria uma maneira de dificultar a vida de criminosos que negociam aparelhos ilegais. A nova diretriz está num memorando interno obtido pelo site MacRumors. O TechTudo apurou que a novidade deve impactar também os clientes no Brasil.

De acordo com o documento, os técnicos da companhia deverão verificar o número de série e o IMEI do iPhone na base de dados antes de prosseguir com o reparo. Hoje, as Apple Stores e assistências autorizadas já não podem fazer serviços caso o cliente não consiga desativar o status de "perdido" no serviço de rastreamento do Buscar iPhone.

Iniciativa da Apple tem como objetivo reduzir a receptação de dispositivos da empresa — Foto: Danilo Paulo de Oliveira/TechTudo

Para verificar se o iPhone é fruto de roubo, furto ou perda, o técnico da Apple irá conferir o MobileGenius e o GSX, que são sistemas internos que registram as informações do telefone. Novos aparelhos levados para reparo terão o número de IMEI checados com uma base de dados global para confirmar o status do produto.

A medida deve valer também para o Brasil porque a base internacional mantida pela GSMA, organização que representa o setor de telecomunicações, também tem os dados dos bloqueios realizados no Brasil, de acordo com técnicos da Anatel ouvidos pelo TechTudo.

O IMEI é como o "CPF do celular". Ou seja, é um número de identificação único que cada smartphone produzido no mundo possui. Esse código pode ser acessado na caixa do iPhone ou até mesmo no próprio aparelho, ao digitar *#06# no discador. A recomendação para usuários que foram vítimas de roubo é registrar boletim de ocorrência e realizar o bloqueio do IMEI do dispositivo na delegacia ou operadora de telefonia.

Usuários devem mostrar comprovante de compra caso desejem desbloquear iPhone em assistências da Apple — Foto: Danilo Paulo de Oliveira/TechTudo

Com a iniciativa, a Apple quer desencorajar que pessoas continuem comprando dispositivos de segunda mão por meios ilegais, limitando o acesso ao reparo e troca de componentes em assistências oficiais. Não é a primeira vez que a empresa tenta barrar o conserto de aparelhos obtidos de forma fraudulenta.

Hoje, para desbloquear a tela de alguma unidade em uma assistência técnica, o consumidor deve provar que tem posse legal do modelo através da nota fiscal de produto, que é o documento que comprova a compra. Até o momento, a companhia não confirmou de forma oficial as novas políticas divulgadas pelo relatório.

Com informações de MacRumors

Confira o resumão do iPhone 13

Confira o resumão do iPhone 13

Mais do TechTudo