TVs

Por Filipe Garrett, para o TechTudo

Filipe Garrett/TechTudo

A quantidade de portas HDMI necessárias na TV é uma conta que depende diretamente do perfil de uso do usuário, isto é, se ele vai conectar ao aparelho media centers, consoles e ou soundbars, por exemplo. Se esse número é algo fácil de determinar, uma outra questão é o tipo e a qualidade das entradas: existem HDMIs 1.4b, 2.0 e 2.1.

As três gerações são comuns no mercado atual, e saber os potenciais de cada uma delas também pode ser decisivo na hora de encontrar o produto ideal para as suas necessidades. O TechTudo separou alguns pontos que podem te ajudar a considerar a quantidade — e a qualidade — ideal das portas HDMI que você precisa na TV nova.

HDMI 2.1 permite 8K a 60 FPS e vai a resoluções 10K — Foto: Divulgação/HDMI.org

Quantidade de interfaces

O HDMI é a principal interface para conectar o televisor a outros dispositivos. Além de permitir entrada de sinal de vídeo em alta resolução, a porta pode ser usada para som e outras informações, o que torna a sua presença fundamental nas TVs atuais.

A melhor forma de descobrir quantas portas são precisas é ponderar a quantidade de equipamentos que você deseja ligar no televisor. Um console de games, um media center e uma soundbar (ou home theater) HDMI combinados já ocupam três conectores, por exemplo. Caso o usuário tenha a necessidade de talvez ligar o computador à TV, pode precisar de mais uma interface.

É verdade que não é preciso usar todas as conexões ao mesmo tempo — no máximo, uma de entrada de vídeo e talvez uma de saída de som — de forma que a quantidade total necessária pode cair um pouco, se você não se incomodar de trocar dispositivos dos conectores de vez em quando.

Três portas HDMI é um bom patamar mínimo

Três portas HDMI é um bom número de partida — Foto: TechTudo

Nesse raciocínio, é justo considerar a contagem de três portas HDMI como um bom mínimo para começar a procurar modelos. Assim, pode-se reservar uma das portas para o seu media center, uma para um dispositivo de som qualquer e uma terceira para ligar um console ou mesmo o PC.

A necessidade de uma quarta porta vai variar conforme o perfil de uso do usuário: se houver a necessidade de mais um dispositivo, ou quem sabe deixar uma porta sempre livre para ligar um aparelho qualquer, pode ser interessante buscar aparelhos que tenham essa contagem de HDMIs.

Televisores mais em conta e de tamanhos de tela menores podem trazer apenas duas portas HDMI. Como dito anteriormente, se o dinheiro estiver curto, pode-se simplesmente alternar entre os aparelhos.

Diferenças entre gerações do HDMI

O HDMI é uma tecnologia em constante evolução e existem diferenças importantes nas capacidades que cada porta vai oferecer dependendo da geração da interface. Atualmente, as gerações mais comuns são 1.4b, 2.0 e 2.1. Como é difícil encontrar um aparelho com 100% de portas de mesma geração, é importante ter uma ideia do que cada uma oferece.

Embora todas elas sejam compatíveis entre si — seu computador com HDMI 1.4b vai distribuir sinal normalmente num conector 2.0 ou 2.1 presente no televisor e vice-versa — há distinções relacionadas às tecnologias agregadas a cada uma e especificações máximas de vídeo e som que cada uma pode transportar.

HDMI 1.4b

Introduzido em 2011, esse padrão dá conta de transferir 10,2 Gb/s e é bem comum em dispositivos de entrada. A largura de banda dessa interface é suficiente para transmissão de vídeo em 4K a um máximo de 30 FPS — sem oferta de suporte a padrões HDR. No geral, é a interface mais comum em TVs mais simples e com tela Full HD.

HDMI 2.0

Nem todo HDMI 2.1 é igual: fabricantes podem optar por remover alguns recursos dos televisores equipados com essa interface — Foto: Melissa Cruz/TechTudo

Lançado em 2013, esse padrão HDMI suporta 18 Gb/s de dados e é o mais comum quando se considera televisores 4K. Isso acontece porque, além da resolução 2160p, ele permite UHD a uma taxa de até 60 FPS com mapeamento HDR incluso. Aqui, portanto, já fica uma dica importante: se a TV é 4K, você deve exigir ao menos uma porta HDMI 2.0.

HDMI 2.1

Mais recente das interfaces, essa tecnologia chegou em 2017 e permite transmissão de 48 Gb/s de dados. Com isso, vídeo em 8K a 60 FPS (além do 4K a 120 FPS) se tornam possíveis. Outra melhoria significativa é o suporte ao chamado HDR dinâmico, formato que permite que criadores de conteúdo criem mapeamento de cor, brilho e contraste mais preciso, capaz de mudar a cada cena.

Além da maior qualidade de imagem por conta do HDR dinâmico, o HDMI 2.1 tem ainda suporte a uma série de tecnologias adicionais, como VRR — disponível em consoles de nova geração, por exemplo — ou o eARC, útil especialmente para quem conecta vários aparelhos no televisor por meio do HDMI.

Uma atenção importante que você precisa ter com o HDMI 2.1 é que fabricantes têm alguma margem de manobra na forma que adaptam a tecnologia em seus produtos. Por isso é possível encontrar um televisor HDMI 2.1 que não tenha VRR ou algum outro recurso premium. Além disso, HDMI 2.1 exige cabo compatível, enquanto os padrões anteriores não necessariamente dependem de cabos de maior qualidade (e preço).

Mais do TechTudo