Publicidade

Por Rafael Monteiro, para o TechTudo


A Unreal Engine 5 foi lançada nesta terça-feira (5) pela Epic Games. O famoso motor gráfico chega em sua quinta versão com o objetivo de gerar gráficos que se confundem com a vida real, como mostrado na demo The Matrix Awakens: An Unreal Engine 5 Experience. Para tal, a engine contará com novos sistemas de iluminação, divisória para mundos abertos, gráficos de alta resolução e mais. Confira o que cada uma das novidades é capaz de fazer na nova geração e como isso mudará os games produzidos daqui para frente. A Unreal Engine 5 está disponível para download gratuitamente no site unrealengine.com em um modelo de royalties sobre os games criados e pode ser experimentada pelo público nas demos.

Os Nanites na Unreal Engine 5 permitem que objetos sejam exibidos com alto nível de detalhe; veja essa e outras novidades — Foto: Divulgação/Epic Games

👉 Quando a Epic Games lançou Fortnite mobile? Tire dúvidas no Fórum do TechTudo

Iluminação e reflexos com Ray Tracing

O novo sistema de iluminação da Unreal Engine 5 chamado "Lumen" baseia-se na tecnologia Ray Tracing para criar iluminação global e reflexos realistas. Jogadores podem ver seu efeito na demo de The Matrix Awakens: An Unreal Engine Experience ao controlar o posicionamento do Sol com resultados imediatos na iluminação. A tecnologia pode ser usada para efeitos em situações como, por exemplo, acender uma lanterna ou abrir uma porta em um lugar escuro que leva para um iluminado exterior. Para criadores de games, isso significa que não é mais preciso preparar luzes separadamente, basta inseri-las no editor e jogadores verão a mesma luz da versão em desenvolvimento.

Divisória para mundos abertos

Para jogos de mundo aberto a Unreal Engine 5 tem um novo sistema chamado "World Partition", que divide automaticamente mapas para transmitir apenas as partes necessárias para o usuário. Há também novas camadas de dados, o que permite que um mesmo mundo tenha diferentes versões, como dia e noite, intacto ou destruído, como em Dying Light 2 . O sistema é semelhante conceito ao de Minecraft, em que uma parte do mundo fica carregado na memória e, quando o jogador vai além, há um período de loading. O World Partition, no entanto, promete uma escala muito maior para a nova geração de consoles e talvez sem espera para carregamento.

O sistema de iluminação Lumen fornece vários tipos de luz de forma realista na Unreal Engine 5 — Foto: Divulgação/Epic Games

Mais objetos, mais realistas

A nova tecnologia "Nanite" promete trazer um novo nível de realismo e de detalhes aos cenários. Com ela, é possível importar ao motor gráfico modelos 3D criados com micropolígonos. Eles são dividos em partes e podem ser reproduzidos diversas vezes no jogo, para aumentar a quantidade, por exemplo, de elementos no cenário. A Unreal Engine 5 exibirá apenas partes que o jogador estiver vendo, o que reduz gastos de processamento.

Games com gráficos realistas, como Resident Evil Village, podem aproveitar bem esta função para criar objetos mais próximos do mundo real e aumentar a imersão. Já games como o possível GTA 6 poderia colocar uma grande quantidade de carros nas ruas.

Gráficos em alta resolução

Uma das novidades mais interessantes em relação à performance é o Temporal Super Resolution, uma tecnologia de "upsampling" semelhante a DSR e DLSS da Nvidia e FSR da AMD, que permitem atingir resoluções como 4K a uma taxa de quadros de 60 FPS. A tecnologia da Unreal Engine 5 gera várias imagens em resolução menor e as utiliza para criar um quadro de resolução maior. Dessa forma, até mesmo jogos mais pesados, como Cyberpunk 2077 na última geração, poderão rodar a uma boa taxa de quadros e alta resolução.

O novo sistema de sombras da Unreal Engine 5 usa os sistemas Lumen e Nanite para só exibir o que está no campo de visão do jogador — Foto: Divulgação/Epic Games

Já os novos mapas de sombreamento da Unreal Engine 5 foram feitos para trabalharem bem com a iluminação Lumen e os objetos Nanites, ao criarem sombras divididas por partes. Dessa forma, com as informações dos outros dois sistemas, só é preciso mostrar as sombras daquilo que está visível para o jogador. Sombras mais precisas e realistas podem se tornar um grande diferencial em jogos que exigem estratégia como PlayerUnknown's Battlegrounds, onde um vislumbre de um adversário pode denunciar sua posição, ou em games de terror como na série Outlast.

Maior variedade de sons

A Unreal Engine 5 trará também um novo sistema de geração de sons procedural. Artistas poderão controlar variações no som, assim como um modelador 3D altera o material do qual um objeto é feito, e criar instâncias diferentes. Isso se traduz em uma maior variedade de áudio para o usuário, com uma pitada aleatória que pode tornar cada som único. Os novos metasounds podem ser especialmente úteis para a ambientação em games de terror ou em locais sonoramente ricos como as florestas de Kena: Bridge of Spirits.

Outras novidades

O sistema MetaHuman da Unreal Engine 5 pode criar personagens facilmente para aparecerem na multidão — Foto: Divulgação/Epic Games

Várias das novidades da Unreal Engine 5 puderam ser vistas na demo The Matrix Awakens: An Unreal Engine Experience. O novo sistema de física Chaos permite criar destruição realista em tempo real, já o sistema Niagara produz partículas, Mass AI é responsável por criar multidões, MetaHuman permite criar humanos digitais e muito mais. É possível que alguns desses sistemas possam ser utilizados em futuros lançamentos, como GTA 6, e outros games de mundo aberto para criar uma experiência que não seria possível na geração anterior.

Demos gratuitos

Para usuários que pretendem desenvolver jogos ou apenas curiosos, a Epic Games oferece dois demos gratuitos para começar. "Lyra Starter Game" é um jogo em construção, uma espécie de substituto para o "ShooterGame" da Unreal Engine 4. Há planos para que a demo Lyra continue a ser atualizada para demonstrar diferentes elementos da Unreal Engine 5. O segundo demo é City Sample, que explica como a cidade de The Matrix Awakens: An Unreal Engine Experience foi criada.

Mais do TechTudo