Redes sociais
Publicidade

Por Redação, do Home Office


O WhatsApp anunciou nesta quinta-feira (14) o novo recurso de Comunidades, descoberto pelo WABetaInfo em fevereiro deste ano. Com a ferramenta, será possível criar vários subgrupos dentro de um grupo principal - o que pode ser útil para escolas, clubes e empresas, por exemplo. Além das Comunidades, também foram anunciados outros recursos em grupos, como reações a mensagens, compartilhamento de arquivos até 2GB e chamadas de voz para até 32 pessoas.

Embora no mundo tenham lançamento previsto para as próximas semanas, no Brasil as funções só devem ser implementadas após as eleições. Isso porque, por aqui, após decisão tomada em conjunto com o Tribunal Superior Eleitoral em janeiro, a Meta optou por não realizar “mudanças significativas” em seu mensageiro antes do período eleitoral. A medida seria uma maneira de evitar o aumento da desinformação.

WhatsApp ganha recurso de Comunidades e funções de reação; veja como vai ser — Foto: Reprodução/Getty Images

Grupos de WhatsApp sumiram: o que fazer? Veja soluções no Fórum do TechTudo.

Como funcionarão as Comunidades?

Além das Comunidades, WhatsApp ganhou novos recursos de reação, compartilhamento de arquivos e mais; confira — Foto: Divulgação/WhatsApp

As Comunidades serão como um grande “guarda-chuva”, contando com diferentes grupos que sejam relacionados à temática principal. Desse modo, escolas, por exemplo, poderão criar uma Comunidade com subgrupos de turmas e/ou pais e professores.

Todos esses grupos serão criados e gerenciados pelos administradores das Comunidades. Na aba principal dessas conversas conjuntas, será possível ver quais subgrupos estão disponíveis em cada Comunidade, cabendo às pessoas decidir de quais participar ou não. Além disso, para melhor organização do recurso, os administradores também poderão incluir ou excluir usuários desses grupos.

Um ponto que vale frisar é que as Comunidades do WhatsApp não funcionarão como os grupos abertos do Telegram, por exemplo, que podem ser encontrados na aba de pesquisa do mensageiro. Segundo a empresa, isso acontece porque a ideia é mantê-las como um chat privado - ou seja, não será possível pesquisar por Comunidades para participar. Desse modo, usuários que queiram participar de uma Comunidade precisarão ser incluídos pelos administradores.

Como a função ainda está em período de testes, a Meta não anunciou uma quantidade máxima de grupos em Comunidades. A empresa também não especificou um limite de número de participantes. Atualmente, é possível ter até 256 membros em cada grupo.

Mais controle aos administradores e saída “silenciosa” para usuários

Segundo anunciado pela Meta, os administradores contarão com funções para manter organizado o novo recurso. Assim, mais do que aprovar e gerenciar todos os grupos criados, para “limitar ruído e sobrecarga”, somente eles poderão enviar avisos a todos os membros da Comunidade. Além disso, administradores terão a possibilidade de apagar mensagens e mídias que violem os termos do WhatsApp e/ou sejam ofensivos aos demais participantes.

A Meta optou por manter o funcionamento atual do mensageiro e, desse modo, os usuários poderão escolher quem pode adicioná-los a Comunidades. Essa opção pode ser alterada já hoje nas configurações de privacidade do app e continuará válida quando a função for lançada no Brasil.

As Comunidades do WhatsApp terão subgrupos criados e gerenciados pelos administradores — Foto: Divulgação/Whatsapp

Aos participantes também será possível reportar membros e mensagens abusivas e/ou inadequadas, além de bloquear contatos e sair das Comunidades. De acordo com a Meta, a ideia ainda é implementar uma saída “silenciosa” aos usuários, sem que os grupos sejam notificados.

Entre as medidas de privacidade, além de manter a criptografia de ponta a ponta, a Meta também anunciou que, nas Comunidades, o número de telefone dos usuários será ocultado para os participantes em geral. Assim, somente os administradores e os membros de grupos em comum terão acesso a essa informação.

Além disso, nas Comunidades mensagens encaminhadas só poderão ser encaminhadas novamente para um grupo de cada vez - ou seja, difere do sistema atual, que permite encaminhamento para até cinco grupos simultaneamente. Essa medida visaria reduzir a disseminação de desinformação, segundo explicado pela Meta no comunicado oficial.

Outras novidades anunciadas pelo WhatsApp

Agora, usuários do WhatsApp poderão dar reações em vez de responder mensagens em grupo — Foto: Divulgação/Whatsapp

Nesta quinta-feira, a Meta também anunciou o recurso de reações, função que estava em testes já no ano passado. Assim, usuários poderão emitir opiniões sobre diferentes mensagens sem necessariamente precisar respondê-las.

Além disso, será possível compartilhar arquivos de até 2GB nos diferentes grupos das Comunidades - ou seja, usuários poderão enviar mídias de tamanhos maiores, sem a necessidade de comprimi-las. Hoje, o limite para esses envios é de 16 MB. Vale frisar, porém, que o WhatsApp não dará suporte aos vídeos e imagens já compartilhados nos grupos - assim, cabe ao usuário manter o backup deles.

Para esse novo recurso, o WhatsApp também expandiu a quantidade de usuários em uma chamada de voz para 32. Atualmente, podem participar de uma ligação somente oito pessoas simultaneamente. Por fim, vale lembrar que, assim como as Comunidades, ainda não há data exata para a implementação dessas funções no Brasil.

Com informações de Tribunal Superior Eleitoral

5 funções do WhatsApp que ajudam a economizar a memória do celular

5 funções do WhatsApp que ajudam a economizar a memória do celular

Mais do TechTudo