Celular
Publicidade

Por Danilo Paulo de Oliveira, para o TechTudo

Thássius Veloso/TechTudo

A informação de que a Apple estaria realizando testes com uma versão do iPhone com entrada USB-C tem movimentado as redes sociais. Segundo rumores, o iPhone 15, que deve chegar ao mercado em 2023, pode aparecer sem a porta proprietária Lightning, dando lugar ao mesmo padrão adotado em celulares Android e que também aparece em alguns modelo do iPad. Isso representaria uma das maiores mudanças na segunda maior fabricante de smartphones do planeta. Além disso, o novo padrão seria capaz de entregar maiores velocidades de carregamento e transferência de dados.

A medida adotada pela companhia aparece ao mesmo tempo em que tramita na União Europeia (UE) um projeto de lei que propõe padronizar todos os carregadores de telefones que forem vendidos nos 27 países do bloco econômico. Caso a medida seja aprovada, a Apple será a empresa mais impactada. Confira abaixo perguntas e respostas sobre o assunto.

iPhone insiste na conexão Lightning enquanto o resto das principais fabricantes de smartphones já migraram para o USB-C — Foto: Thássius Veloso/TechTudo

1. O que deseja a União Europeia?

O Parlamento Europeu já tinha votado em 2021 a favor de uma medida que visa unificar os modelos de entrada de carregadores de smartphones comercializados no bloco. A principal justificativa dada pelo poder legislativo da UE é a redução do lixo eletrônico, já que as pessoas poderiam usar o mesmo cabo em diferentes dispositivos (notebooks, tablets, fones de ouvido e outros). O executivo do bloco também menciona a maior comodidade aos usuários.

A medida vai ao encontro de novas tendências de consumo sustentável recentemente difundidas em economias mais desenvolvidas. No ano passado, por exemplo, o Parlamento Europeu considerou forçar fabricantes a voltarem a utilizar baterias removíveis, também sob a mesma justificativa de reduzir o volume de lixo eletrônico.

2. Desde quando o iPhone tem Lightning?

O primeiro celular Apple com a entrada Lightning foi o iPhone 5, lançado globalmente no dia 12 de setembro de 2012. Na época, o conector trouxe benefícios como tamanho reduzido (80% menor que o iPhone 4S e anteriores), além da possibilidade de plugar no aparelho em ambos os lados. Antes dele, a companhia utilizava o dock de 30 pinos desde 2003, uma conexão que exigia um espaço bem maior no corpo dos produtos e que foi difundida com o lançamento do iPod Nano de terceira geração.

Conectores Lightning são mais duráveis do que a antiga conexão dock de 30 pinos — Foto: Paulo Alves/TechTudo

Em outubro de 2012, a Apple implementou o novo padrão Lightning no iPad 4, que se tornou um grande sucesso de vendas da empresa junto com o iPhone 5. A entrada de oito pinos permitiu que o conector fosse usado com outras interfaces, como HDMI e VGA. Além disso, um chip de autenticação que dificultava a produção de acessórios não aprovados pela Apple passou a marcar presença na nova entrada.

Antigo conector de 30 pinos da Apple foi lançado em 2003 — Foto: Divulgação/Apple

O aposentado conector de 30 pinos foi importante para a empresa, pois permitiu que os produtos da gigante servissem de central de controle para diversos acessórios sem a necessidade do uso de drivers compatíveis. Isso era algo que até então não era possível com outros conectores USB. Com o tempo, o dock se tornou obsoleto e bastante criticado por ser grande demais.

3. Outros dispositivos da Apple têm USB-C?

O iPad Pro foi o primeiro tablet da companhia a abandonar o Lightning para dar espaço ao USB-C. Lançado em 2018, modelo é voltado para uso profissional e execução de tarefas complexas. Isso exige, por exemplo, que o dispositivo suporte a conexão simultânea com vários periféricos e que a transferência de arquivos entre iPad e um SSD externo, por exemplo, ocorra de forma rápida.

Conexão USB-C marca presença em aparelhos Android e em produtos da Apple — Foto: Vitor Grama/TechTudo

Em 2020, o iPad Air 4 foi apresentado com design renovado e com a nova porta. Outros tablets mais recentes da empresa como o iPad Mini 6 (2021) e o recém lançado iPad Air 5 com chip M1 também contam com o USB-C. Apesar disso, esses não foram os primeiros produtos da companhia a utilizarem o mesmo padrão adotado por concorrentes. A Apple começou a usar o USB-C em 2015 no MacBook de 12 polegadas.

USB-C no iPad permite maior aproveitamento do produto por parte de vários profissionais — Foto: Reprodução/Apple

Como mencionado no começo do texto, a implementação do mesmo padrão utilizado pela maioria dos smartphones Android – como o Galaxy S22 (Samsung) e o Xiaomi 12 – permitirá que o iPhone entregue velocidades bem maiores de carregamento e transferência de dados. Esse é um dos motivos principais para que outros produtos comercializados pela Apple atualmente sejam equipados com o USB-C.

4. Existem quantos iPhones no mundo?

A Apple é uma das três maiores fabricantes de smartphones do mundo, ocupando de forma quase sazonal o topo desse ranking. Em 2014, a companhia alcançou a marca de 1 bilhão de iPhones produzidos. Atualmente os dados são ainda mais impressionantes. Em 2021, a gigante de Cupertino afirmou que existem 1,65 bilhão de iPhones ativos em todo o mundo.

5. O que acontece a partir de agora?

A União Europeia ainda não bateu o martelo sobre a adoção do USB-C pela indústria. Os testes realizados pela Apple mostram que a empresa está se preparando para o “pior cenário” para ela, em que teria de aderir uma tecnologia vista no mundo Android.

Existem dúvidas sobre a abrangência de uma eventual decisão europeia. É certo que os iPhones vendidos na região deveriam ter o USB-C, mas não se sabe se a Apple adotaria o mesmo conector no restante do planeta. Uma mudança total poderia fazer sentido do ponto de vista de logística e de eficiência de custos.

Com informações de Apple, Yahoo Finance, iMore, The Verge e MacWorld

Confira no vídeo abaixo 6 fatos sobre o iPhone 13

Confira 6 fatos sobre o iPhone 13

Confira 6 fatos sobre o iPhone 13

Mais do TechTudo