Carros Smart
Publicidade

Por Barbara Mannara, para o TechTudo

Reprodução/CarsUK

A Apple está, há alguns anos, trabalhando em um carro autônomo e elétrico de fabricação própria. O apelidado Apple Car — também chamado de Projeto Titan — tem encontrado desafios ao longo do caminho, com incidentes polêmicos durante os testes práticos. Isso ocasiona adiamentos em seu lançamento, que promete balançar o mercado de automóveis.

Em 2014, a companhia foi responsável por contratar mais de mil especialistas automobilísticos para trabalhar em um projeto que ainda não foi apresentado oficialmente. O Apple Car, desde então, tem sido alvo de diversos rumores e teorias na internet.

Apple Car ainda é alvo de polêmicas em teste prático com protótipo — Foto: Divulgação/CarPlay Apple

Em 2016, as noticias destacavam que a Apple havia arquivado o projeto. No entanto, em 2020, ele foi reaberto a todo vapor, com a promessa de lançamento do veículo entre 2025 ou 2026. De acordo com informações de bastidores, a Apple tem mantido conversas com fabricantes já conhecidas no ramo de carros, mesmo sem nenhum acordo de parceria publicamente divulgado. A Hyundai seria o um dos alvos para esse movimento.

Rumores sobre o Apple Car rondam a internet há quase dez anos — Foto: Divulgação/CarPlay Apple

Os carros autônomos são a promessa para próxima geração da indústria automobilística. A Tesla é uma das responsáveis por liderar o entusiasmo do mercado, com o lançamento de alguns modelos altamente luxuosos e com funções que existiam somente nos sonhos dos fãs — como, por exemplo, entrar e sair de rodovias, mudar de faixas, atravessar cruzamentos e fazer sugestões de rotas melhores de forma completamente independente do seu condutor.

Tesla é uma das pioneiras na fabricação de carros elétricos — e com funções autônomas — Foto: Divulgação/Tesla

A promessa é que o Apple Car seja um automóvel totalmente autônomo, em vez de apresentar apenas algumas funções independentes como o concorrente da Tesla — o que deixa o resultado ainda mais desafiador. As dificuldades desse caminho são perceptíveis ao público desde o ultimo, e malsucedido, teste da empresa em colocar os protótipos em funcionamento.

O CEO da Apple, Tim Cook, já declarou ser esse o projeto mais difícil no qual a empresa já trabalhou: "Estamos focando em sistemas autônomos. É uma tecnologia central que vemos como muito importante. Nós meio que vemos isso como a mãe de todos os projetos de IA. É provavelmente um dos projetos de IA mais difíceis de se trabalhar".

Os rumores, segundo divulgado pela Reuters, dão conta que o Apple Car deva ser de fato lançado em 2024. No entanto, a verdadeira expectativa do mercado, guiado pelas declarações do analista especializado na empresa, Ming-Chi Kuo, é que o carro seja lançado e produzido em massa entre 2025 e 2026, sem descartar uma possibilidade de prorrogação para 2028 ou depois.

Incidentes e polêmicas

Nem só de grandes vitórias e glórias vive uma empresa do tamanho da Apple. Assim como qualquer outra companhia que busca desenvolver um produto altamente disruptivo, a empresa da maçã vem encontrando diversas dificuldades, com incidentes um tanto polêmicos, na implementação de seu veiculo robótico.

Desde de 2017, a empresa vem buscando fazer algumas demonstrações internas de como vai funcionar o projeto de carro futurístico e autônomo. Um teste que aconteceu recentemente, em 2021, é um dos destaques. Na cidade de Montana, nos Estados Unidos, foram enviados vários protótipos de carros para andar por pouco mais de 60 km, com a esperança de que as imagens apresentadas ao CEO Tim Cook o fizessem apostar na produção em larga escala do veículo.

Testes do Apple Car ainda são polêmicos, com incidentes no percurso — Foto: Divulgação/BMW

No entanto, os mais críticos podem classificar essa demonstração como um verdadeiro fiasco. Segundo o site The Information, os veículos, que eram uma versão modificada de uma SUV da Lexus, tiveram muitas dificuldades para se manter em suas próprias pistas.

Durante a demonstração, eles atravessaram cruzamentos, inclusive batendo no meio-fio durante alguns momentos do trajeto. Além disso, um dos carros quase atropelou um pedestre simulado, que estava próximo ao local de um cruzamento, forçando o motorista humano de suporte a utilizar o pedal do freio para parar o carro de forma brusca.

Por outro lado, os engenheiros não viram os testes de forma completamente negativa, já que os veículos foram capazes de dirigir sem a utilização de mapas altamente detalhados, que são essenciais para veículos da Tesla e da Waymo — empresa de desenvolvimento de tecnologia para carros autônomos do Google.

Esses mapas são responsáveis por atrapalhar de forma considerável a produção em massa de carros autônomos, já que são difíceis de serem escalados dentro de linhas de produção. Com a ausência desses mapas, os carros da maçã seriam capazes de andar em quase todas as rodovias ou pistas do mundo, sem precisar de um auxilio humano para isso.

Segundo fontes do The Information, atualmente, os veículos apresentam facilidade para andar em ambientes predeterminados e conhecidos pelo seu sistema interno. No entanto, em ambientes desconhecidos, o desempenho do Apple Car tem sido reduzido de forma considerável. Essa é uma das barreiras que a empresa precisa superar até a data prevista para o lançamento.

Problemas ocorrem com todas as empresas que buscam a excelência da direção autônoma. No entanto, alguns pontos internos têm acentuado as polêmicas em torno do Projeto Titan da Apple. Em 2021, o responsável pela liderança do projeto, Doug Field, deixou a equipe, sendo seguido pelo diretor de inteligência de maquinas, Ian Goodefellow. Atualmente, quem lidera o projeto é Kevin Lynch, conhecido por ser o grande diretor por trás dos famosos Apple Watch.

Além disso, rumores também apontam que Tim Cook pouco comparece à sede de produção do Apple Car e não pretende, por enquanto, empreender esforços e recursos financeiros na produção e distribuição em massa do veículo. Esse seria mais um motivo do atraso na apresentação de um carro finalizado pela equipe responsável pelo projeto.

Apple Car é elétrico?

Carros elétricos são uma alternativa de sustentabilidade para o futuro. O Apple Car seguiria essa tendência, rodando sem precisar de gasolina — ou qualquer outro combustível de queima. Apesar de veículos desse tipo já serem uma realidade, essa ainda é uma tecnologia cara, já que alguns modelos inteligentes e movidos à energia da Tesla chegam a custar mais de R$ 500 mil, em conversão direta.

Os veículos elétricos funcionam inteiramente por meio de carga de energia — com um plugue de tomada ou estações de recarga especiais. Essa carga é armazenada em baterias de íons de lítio no interior do veículo. Por meio de incentivos de Kevin Lynch, a Apple não se contenta somente em levar um carro 100% autônomo ao público, mas também totalmente elétrico.

Apple Car seria elétrico, fazendo frente aos concorrentes da Tesla — Foto: Divulgação/Tesla

Para que o time possa ficar realmente completo e cumprir essa difícil missão, uma contratação da marca da maçã parece ser uma peça chave: Christian More, também conhecido como CJ More. Christian foi diretor de direção autônoma da Tesla por sete anos, liderando projetos importantíssimos dentro da principal montadora de carros elétricos do mundo, liderada pelo bilionário Elon Musk.

Há a possibilidade de o carro da Apple vir com um microchip de alta potência. A Bloomberg descreve esse microchip como o "componente mais avançado desenvolvido pela Apple internamente". Diz-se que ele seria integrado com processadores neurais capazes de lidar com os pré-requisitos de inteligência artificial da condução autônoma do Apple Car.

Os chips podem exigir um sistema de resfriamento interno mais complexo, o que é um desafio para a empresa da maçã. Há rumores de que o microchip poderia ser chamado de "C1" e baseado no processador A12 Bionic.

Design

Os rumores divulgados pelo The Information são de que o Apple Car vá ter como aposta um visual futurístico. A ideia de Jony Ive, consultor do projeto e ex-chefe de design da empresa, é que o veículo também não tenha a intenção de esconder os seus sensores, coisa que acontece com modelos Tesla e Waymo lançados atualmente.

Design do Apple Car criado por revista a partir das especulações e rumores — Foto: Reprodução/Motor Trend

O carro também pode apresentar uma estrutura peculiar no layout de seu interior — em comparação com veículos tradicionais. Seriam no mínimo quatro bancos na parte traseira, voltados para dentro do carro em vez de para frente. Isso permitiria que os passageiros conversassem durante o trajeto sem precisar olhar para trás. Além disso, os designers apostam em um teto curvado.

Rumores apontam que os engenheiros estejam testando um compartimento de carga traseiro, como uma mala de transporte. Ela deslizaria para cima para facilitar o acesso e, em seguida, poderia se dobrar novamente quando não estiver em uso. Também é considerada uma grande tela móvel no banco traseiro.

A segurança é um dos principais focos do design da Apple Car. Pelo jeito, a Apple quer criar um veículo supostamente mais seguro do que empresas como Tesla ou Waymo. Os engenheiros estão construindo sistemas de backup que entrarão em ação para evitar falhas no sistema de acionamento. Caso esses erros aconteçam, um segundo plano de sistemas entraria em ação para fazer com que o carro mantenha sua autonomia e sua segurança.

No entanto, uma das ambições de design da marca da maçã é que os veículos também não tenham volantes. Se a Apple quiser que o veículo seja o mais seguro possível para o motorista, talvez não seja possível remover o volante do carro.

Saída de Doug Field

Sem dúvidas, esse foi um dos golpes mais dolorosos do projeto Titan: a saída de seu diretor, Doug Field, no ano passado, sendo seguido logo após pela saída de seu diretor de inteligência de máquinas, Ian Goodfellow. Field foi contratado pela Ford para ser diretor de tecnologia avançada e sistemas embaraçados.

Segundo o comunicado da empresa à imprensa, feito na contratação do ex-diretor da Apple, "Field liderará os esforços da Ford para desenvolver a pilha de tecnologia Blue Oval Intelligence de última geração para fornecer veículos e serviços inteligentes e conectados que melhorem ao longo do tempo por meio de atualizações constantes", se reportando diretamente a Jim Farley, CEO da companhia.

Field se junta à Ford, mas não abandona a corrida pela produção de um carro elétrico. O Ford F-150 Lightning promete ser uma versão da picape da companhia, assim como um Ford Mustang elétrico. Essas e outras novidade têm sido muito faladas em relação à Ford, e uma das previsões é que integrem o mercado automobilístico já em 2023.

Depois de alguns nomes serem especulados para assumir a posição deixada por Field, Kevin Lynch assumiu o projeto junto ao vice-presidente sênior de aprendizado de máquina e inteligência artificial da empresa, John Giannandrea. Os dois são responsáveis por dar um empurrão no projeto, que sofreu esses abalos consideráveis nos últimos anos.

Mais do TechTudo