Tablet

23/03/2011 15h18 - Atualizado em 14/07/2011 06h58

Apple deleta aplicativo que prometia “curar” gays

Thássius Veloso
por
Do Tecnoblog
App Store (Foto: Reprodução)App Store (Foto: Reprodução)

Um aplicativo de origem bastante controversa estava dando o que falar na App Store. Aprovado pelos avaliadores da Apple, o aplicativo em questão trazia mensagens que fazia alusão a uma “cura” para a homossexualidade. Resultado: os grupos de defesa dos direitos dos gays se organizaram e conseguiram que o app fosse expurgado da loja.

Para tanto, o grupo sem fins lucrativos Truth Wins Out iniciou um grande abaixo-assinado, que podia receber novas assinaturas via internet mesmo. A tentativa era de combater uma atitude tão extremista como a do ministério religioso por trás do aplicativo.

No pouco tempo em que esteve no ar, o abaixo-assinado recebeu nada menos que 150 mil assinaturas. Endereçado ao presidente da Apple, Steve Jobs, entre outros executivos da companhia, solicitava que “iTunes pare de apoiar a homofobia e remova o app Exodus”.

Um porta-voz da Apple veio a público para confirmar que o aplicativo foi realmente apagado do catálogo da App Store. O motivo para que os avaliadores dessa vez não autorizassem o aplicativo deveria ter sido observado desde o começo: os termos de uso da App Store impedem que aplicativos ofensivos a grandes grupos de pessoas sejam liberados. Pena que foi necessário causar esse reboliço todo para que o aplicativo fosse tivesse o destino correto: a lixeira.

Via: Cnet

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Roberto Alves
    2011-10-02T23:37:10

    Último parágrafo: Pena o cacete. Liberdade de opinião. Direito assegurado nas constituições que não está sendo obedecido.