13/03/2011 12h46 - Atualizado em 14/07/2011 06h59

Entrevistamos Cláudio Macedo, CEO da NC Games

Cesar Crivelaro
por
Da GameWorld 2011

O evento GameWorld 2011, realizado em São Paulo nos dias 11, 12 e 13 de março, contou com a presença de inúmeras pessoas importantes para o mercado de games, não só internacional, como nacional. Entre essas personalidades está Cláudio Macedo, presidente da NC Games, a maior distribuidora de games por todo o território brasileiro. A NC Games, aliás, ganhou o prêmio GameWorld 2011 de “Maior e Melhor distribuidora de jogos do país”.

Em uma entrevista exclusiva para o TechTudo, Cláudio Macedo nos contou sobre as estratégias de crescimento, as propostas de diminuição de taxas, além de outras informações sobre seu ponto de vista do mercado brasileiro, confira:

Claudio Macedo, CEO da NC Games (Foto: Divulgação)Claudio Macedo, CEO da NC Games (Foto: Divulgação)

TechTudo: Para a NC Games, qual é o principal foco contra a pirataria?

Cláudio Macedo: Como um dos principais problemas para o aumento do mercado consumidor brasileiro, o combate à pirataria é feito de duas formas: o acesso online e os preços acessíveis. Hoje só é possível jogar online com softwares originais, o que garante uma boa diversão; já que os jogos, ultimamente, estão com enfoque online. Até o Kinect só roda com jogos originais. Outra forma de combater a pirataria é com preços acessíveis, diminuindo os impostos.

TechTudo: Então a proposta do Jogo Justo ajuda neste combate?

Cláudio Macedo: Com certeza; todas as idéias e números recolhidos pelo Jogo Justo serão apresentados ao Aloísio Mercadante esta semana, assim teremos um apoio político fundamental nesta proposta. A idéia de reduzir os impostos e colocá-los de forma justa na escala de tributação é algo fundamental não só para o combate à pirataria, mas também para o aumento do mercado interno consumidor.

TechTudo: Vimos que esse mercado interno é bem promissor pelo dia do Jogo Justo. Qual o plano de vendas da NC Games?

Cláudio Macedo: Nosso maior foco agora é ter mais títulos no mercado e também ter mais lojas apoiando a distribuição de jogos, não só na forma física, mas a venda online destes games.

TechTudo: No Brasil esta venda de jogos difere muito de uma plataforma a outra?

Cláudio Macedo: Sim, e a diferença é bem expressiva. Por mais que o Xbox 360 tenha uma base instalada no Brasil muito maior que o Playstation 3, vende bem menos, cerca de 70% a menos. Claro que não podemos esquecer da pirataria que envolve este videogame.

TechTudo: Será que não podemos culpar também o fato dos jogos de Playstation 3 venderem mais por não ter uma experiência online paga?

Claudio Macedo, CEO da NC Games (Foto: Divulgação)Claudio Macedo (Foto: Divulgação)

Cláudio Macedo: A gente pode pensar que isso influencia, de fato, nas vendas finais, mas não é o caso. Sempre há alguém disposto a pagar por um serviço caso este seja cômodo. Sempre há um público disposto a investir financeiramente por algo exclusivo e/ou melhor.

TechTudo: Qual foi o crescimento da NC Games no ano de 2010?

Cláudio Macedo: Podemos garantir que a NC Games teve um crescimento de 100% em todos os setores.

TechTudo: Então isso já garante ao Brasil uma grande variedade de jogos para este ano?

Cláudio Macedo: É só uma questão de tempo e dos jogos serem homologados no Brasil [passarem pela classificação etária e pelos órgãos oficiais]. Estamos preparando um grande lançamento do jogo Homefront [previsto para 17 de março nos Estados Unidos] aqui no Brasil, com a expectativa de 1,5 milhão de unidades vendidas no primeiro mês.

TechTudo: O que deve garantir a presença da NC Games em outros eventos? Algum com presença já confirmada?

Cláudio Macedo: Em abril teremos a ABRIN, que é a maior feira de brinquedos realizada na América Latina. Estaremos na Office Paper Brasil 2011 a ser realizada em agosto deste ano e, é claro, na Brasil Game Show 2011, que ocorrerá no final do ano.

Cláudio Macedo também citou a importância da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016 serem sediadas aqui no Brasil. Com elas, haverá um grande investimento no país em todos os setores da economia. Com esses eventos esportivos e com a popularidade de jogos de futebol, especialmente o PES, a produção de games no Brasil pode ter uma grande injeção financeira pelas grandes produtoras. É tudo uma questão de saber aproveitar o momento, a criatividade e a capacidade técnica de produção no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Jairo Rodrigues
    2013-05-27T20:03:05

    Muito legal, divinopolino