MP3 Player

22/03/2011 17h22 - Atualizado em 01/09/2016 15h46

Steve Jobs vai à corte americana falar sobre monopólio do iTunes

Thássius Veloso
por
Do Tecnoblog

Steve Jobs é uma figura que não gosta de aparecer. Fora nos eventos em que ele próprio comanda, o cofundador e atual CEO — licenciado, é bem verdade — da Apple é visto poucas vezes, quase sempre de forma bastante discreta. E o local mais improvável para avistar o homem que revolucionou a computação seria um tribunal. Justamente onde Jobs deverá comparecer em breve.

Steve Jobs (Foto: Engadget)Steve Jobs (Foto: Engadget)

Um juiz da Califórnia determinou a convocação do executivo, para prestar esclarecimentos sobre um processo bastante antigo. Em julho de 2004, a empresa RealNetworks lançou uma loja de músicas digitais que funcionava perfeitamente com o iPod daquela época. Dias depois, uma atualização no iTunes (que meses depois se tornaria obrigatória) fez com que a tal loja não tivesse seus arquivos reconhecidos.

No processo aberto em 2005, o cliente Thomas Sluttery afirma que a empresa de Cupertino “limitou” o poder de escolha dos usuários do iTunes ao remover a compatibilidade com uma loja de música que poderia oferecer concorrência para a Apple.

Em suas justificativas para a convocação, o juiz afirma que tem um conhecimento “único” sobre a disputa. Ele terá que passar duas horas respondendo questionamentos especificamente sobre esse assunto, sem qualquer obrigação de falar sobre outras empresas concorrentes.

A Apple por enquanto não quis se manifestar sobre o assunto. Mas é de esperar que Jobs acione o time de advogados da empresa para tentar evitar ao máximo de comparecer num tribunal. Imagine só, o presidente da mais valiosa empresa de TI do mundo sujeito a perguntas feitas por um simples cliente. Algo inédito, sem sombra de dúvida.

Via: Bloomberg

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares