Video game

13/04/2011 11h49 - Atualizado em 14/07/2011 06h54

Crianças em abrigos no Japão pedem por videogames

Rafael Monteiro
por
Para o TechTudo

Desde que as tragédias do terremoto e tsunami atingiram a costa norte do Japão, muitas pessoas ficaram sem suas casas e estão passando seus dias em abrigos, recebendo ajuda dos fundos de caridade para se manterem. No entanto, algumas pessoas pedem por itens para melhorar sua qualidade de vida. Adultos em maioria pedem por cigarros, mas crianças, pedem por alguns videogames. 

Haruka Odonera (Foto: Kotaku)Haruka Odonera (Foto: Kotaku)

Esse é o caso da pequena Haruka Onodera, onde podemos ver logo no início, antes dos caracteres japoneses, as letras “PSP“, pedindo por um portátil da Sony e um simpático desenho da menina, onde ela também pede pelo jogo Monster Hunter, que é uma grande febre no Japão, apesar de teoricamente ela não ter idade para jogá-lo. 

Estaria a menina pedindo demais? Com certeza não. No cartaz dela a história continua dizendo que perdeu seus avós no terremoto e que ela gostaria de manter-se forte apesar de todas as adversidades. Haruka rapidamente se tornou um símbolo entre os sobreviventes, servindo de força para todo o povo japonês. 

O cantor Masahiro Nakai da boy band Smap, chegou a visitar um dos abrigos em Fukushima, fazendo trabalho voluntário como cozinheiro e dando presentes para as crianças, como alguns Nintendo DS e outros brinquedos. Somados, os cinco membros do Smap doaram mais de ¥400 mil, tanto quanto as maiores empresas. 

Esse pequeno desejo de Haruka vem pouco depois do Chefe Executivo da Sony, Jack Tretton, desmerecer os portáteis da Nintendo dizendo que “a experiência GameBoy é uma ótima ferramenta para babás”, enaltecendo o PSP por atingir um público mais velho. Talvez agora ele perceba que o público infantil é tão importante quanto qualquer outro. 

Via Kotaku

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares