Tablet

09/05/2011 18h34 - Atualizado em 14/07/2011 06h49

Apple considera liberar atualizações do iPhone sem depender do iTunes

Thássius Veloso
por
Do Tecnoblog

Alguns aparelhos rodando Android contam com uma característica interessantíssima: a atualização OTA (Over The Air, ou por meio do ar). Significa que o sistema é atualizado automaticamente, sem que o dono do smartphone conecte-o a um computador e aguarde que o download do arquivo seja finalizado. A Apple estaria considerando o mesmo recurso no iPhone, mas somente se alguns pré-requisitos forem cumpridos.

iPhone 4 branco (Foto: Divulgação)iPhone 4 branco (Foto: Divulgação)

O primeiro, e talvez o mais importante deles, é o tamanho dos arquivos de instalação. O iOS 4.3.3, mas recente lançamento da companhia, tem mais de 600 MB. Esse tamanho é inviável para que um usuário efetue o download, seja pelo Wi-Fi de casa (que tende a ser mais rápido), seja pelo 3G, que normalmente garante taxas de transferência mais vagarosas.

Sem falar no consumo de dados. Diversas operadoras no Brasil e no mundo iniciaram a prática de limitar a quantidade de MBs baixados em um mês. No tradicional limite de 1 GB, apenas a atualização do iPhone já resultaria em mais da metade dessa franquia comprometida em apenas um dia.

As operadoras seriam importantes nesse processo. Reza a lenda que a Apple vem conversando com a Verizon Wireless nos Estados Unidos para iniciar as atualizações OTA. Como o software do iPhone depende de configurações da operadora, esse é mais um motivo para que a relação da Apple com as telecoms seja bastante proveitosa nesse sentido.

Caso tenhamos um iOS oferecido via OTA em algum momento do futuro, ele deverá ser fácil de instalar para o usuário, porém muito sólido no seu próprio processo de instalação (com direito a backup dos dados feito automaticamente pelo aparelho). Teremos que esperar mais algum tempo para que a Apple chegue ao nível de eficiência que o Google, em parceria com operadoras e fabricantes, desenvolveu para as atualizações OTA do Android.

Via: GigaOm

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares