Jogos de aventura

01/08/2011 16h45 - Atualizado em 01/08/2011 16h45

Ubisoft afirma que proteções DRM diminuíram taxa de pirataria em seus jogos

Rafael Monteiro
por
Para o TechTudo

A Ubisoft alegou que seus recentes esforços com o uso de proteções DRM (Digital Rights Management), que exigem que seus jogos fiquem online o tempo todo para serem aproveitados, diminuíram a taxa de pirataria em seus títulos. A empresa confirmou que considera sua empreitada como sendo um sucesso, apesar da insatisfação de alguns consumidores.

Driver: San Francisco (Foto: Divulgação)Driver: San Francisco (Foto: Divulgação)

Um representante não identificado da Ubisoft comentou para o site de notícias PC Gamer que o uso desse tipo específico de DRM nos jogos demonstrou “uma clara redução na pirataria dos nossos títulos que requeriam uma conexão online persistente, e por esse ponto de vista, o requerimento é um sucesso”.

A Ubisoft começou a utilizar este modelo de DRM em The Settlers 7: Paths to a Kingdom para PC e Mac, lançado no ano passado, o que causou alguma controvérsia. Desde então eles estenderam a proteção para títulos como Assassin’s Creed 2 e Assassin’s Creed: Brotherhood, com planos para aplicá-la também em Driver: San Francisco.

Enquanto do ponto de vista da empresa a diminuição da pirataria pode tornar a proteção um sucesso, os consumidores não ficam muito felizes em não poderem jogar quando não estão conectados na internet. Infelizmente, a Ubisoft parece não ter qualquer intenção de parar de usá-la.

Para piorar, os jogadores que adquirem estes mesmos títulos de maneira ilegal normalmente conseguem burlar a proteção e executar o jogo a hora que quiserem. Isso significa que jogadores que pagam pelo produto acabam tendo uma experiência mais conturbada do que os que o adquirem em versões piratas.

Via Destructoid e PC Gamer

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares