Jogos de ação

05/09/2011 09h26 - Atualizado em 05/09/2011 09h26

Pesquisa aponta videogames como tratamento para problemas na visão

Léo Torres
por
Da redação

Pesquisadores da Universidade de Berkeley, na Califórnia, publicaram um estudo na revista científica PLoS Biology em que relatam resultados positivos do uso de videogames comuns no tratamento de adultos com problemas de visão. O estudo foi feito com pacientes de uma condição chamada ambliopia, conhecida popularmente como olho vago ou olho preguiçoso.

Videogame agora é remédio? (Foto: Reprodução)Videogame agora é remédio? (Foto: Reprodução)

A ambliopia causa perda na acuidade visual, o que pode ser decorrente de uma série de fatores como por exemplo o estrabismo. A perda da qualidade da visão de um dos olhos é normalmente tratada durante a infância com técnicas como a oclusão, quando o olho bom é coberto por um tampão para forçar o desenvolvimento do olho deficiente. Mas esse tipo de tratamento para de ser eficaz após os 8 anos, quando muitos médicos desistem da busca por melhorias.

Foram estudados durante um mês um grupo de 20 pessoas entre 15 e 61 anos que apresentam ambliopia. Durante a pesquisa, um grupo jogou um total de 40 horas (2 horas por sessão) do jogo Medal of Honor: Pacific Assault. Um outro grupo jogou SimCity Societies a mesma quantidade de horas com um tampão sobre o olho bom.

Os resultados foram surpreendentes: um aumento em 30% na acuidade visual, uma melhoria ainda superior ao tratamento comum de oclusão ocular feito em crianças. A melhoria se mostrou através de testes de visão comuns e de percepção de profundidade em três dimensões. E a melhoria ainda continuou a crescer além das 40 horas de jogo, o que impediu uma conclusão definitiva sobre as possibilidades do tratamento.

Os pesquisadores já possuem uma verba de um milhão e setecentos mil dólares para a segunda etapa da pesquisa. Com duração de três anos, essa fase contará com um grupo maior de pesquisados, incluindo crianças, e terá jogos desenvolvidos especialmente para as pesquisas. "Não achamos uma boa idéia chamar crianças de 5 anos para explodir coisas", comentou o pesquisador Dennis Levi.

Fonte: CNet

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares