Fabricantes

10/11/2011 14h08 - Atualizado em 10/11/2011 14h08

Acer e ASUS reduzem as encomendas de ultrabooks em 40% após vendas fracas

Eduardo Moreira
por
Para o TechTudo

O site Digitimes informa que fontes ligadas a fabricantes do tipo ODM (Original Design Makers, que produzem os produtos finais para as grandes marcas) declaram que produtos como o Acer Aspire S3 e o ASUS Zenbook tiveram suas encomendas iniciais de 250 mil a 300 mil unidades, respectivamente, reduzidas para números entre 150 e 180 mil.

Zenbook ASUS (Foto: Divulgação)Zenbook ASUS. (Foto: Divulgação)

As fontes afirmam que o principal motivo para o fracasso das vendas dos ultrabooks é o elevado preço de fabricação que se refletiu no preço final do produto. Além, disso, os modelos sofreram uma comparação dura com o MacBook Air, que teve mais êxito no mercado.

Os modelos da Acer e da ASUS não contam com a mesma qualidade que o produto da Apple, de acordo com as fontes. Problemas no software do trackpad do portátil da ASUS e a fragilidade da estrutura do modelo da Acer foram alvos de críticas entre aqueles que testaram os dois produtos.

Outro ponto negativo para os ultrabooks é o seu desempenho. Devido à necessidade de ficarem finos e leves, as duas empresas não conseguiram aplicar um ganho de performance significativo nos produtos, diferente do MacBook.

Porém, nem tudo está perdido para os ultrabooks. As duas fabricantes e as demais marcas que utilizam o sistema operacional Windows colocam a maioria de suas fichas nas vendas do mês de maio de 2012, quando devem ser lançados os novos processadores Intel Ivy Bridge. Outro fator que pode revitalizar os ultrabooks é o lançamento do Windows 8. Porém, isso só deve acontecer em outubro do ano que vem.

Os números não foram confirmados, mas os rumores indicam que Acer e ASUS venderam pouco mais de 100 mil ultrabooks cada, e este é um número decepcionante. O foco das duas fabricantes é a produção de portáteis de custo mais baixo que os modelos da Apple. Mas esse corte não é significante, se levarmos em conta que para a produção dos ultrabooks, as duas empresas precisam utilizar materiais mais leves, bateria de maior duração e chips mais rápidos, o que encarece o preço final do produto.

Via Electronista

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares