Internet

19/05/2012 06h00 - Atualizado em 19/05/2012 06h00

Pai de menino autista busca justiça na web

Eduardo Moreira
por
Para o TechTudo

Um pai buscou nas redes sociais uma forma de fazer justiça em relação aos abusos cometidos contra o seu filho autista de apenas dez anos de idade, Akian. O manifesto de Stuart Chaifetz no YouTube e no Facebook resultou em um grande apoio por parte dos internautas, ultrapassando a marca de quatro milhões de visualizações na plataforma de vídeos e mais de 44 mil curtidas.

Stuart Chaifetz, que busca justiça na web contra os maus tratos recebidos pelo filho (Foto: Reprodução/YouTube)Stuart Chaifetz, que busca justiça na web contra os maus tratos recebidos pelo filho (Foto: Reprodução/YouTube)

Aikan sofria assédio moral e preconceito por parte de sua ex-professora, Kelly Altenburg. De acordo com o sindicato dos professores que representa Altenburg, após a denúncia, a única medida tomada foi exonerar a professora do cargo, encerrando a questão e mantendo todos os benefícios dela enquanto a investigação oficial do caso acontecia.

Diante do cenário desfavorável, Stuart recorreu à Internet para expor a sua versão dos fatos. Ele publicou um vídeo no YouTube e um manifesto no Facebook, demonstrando toda a sua frustração pela falta de atitude da escola e exigindo uma punição mais enérgica. O pai de Akian não citou o nome de Kelly Altenburg no vídeo, esperando que ela apresentasse um pedido de desculpas ao menino.

O vídeo se tornou um viral quase que instantâneo e, em pouco tempo, alcançou a marca de quatro milhões de visualizações no YouTube. Além disso, seu manifesto no Facebook teve mais de 40 mil manifestações positivas. Essa repercussão ajudou com que imprensa e outras instituições educacionais se interessassem pelo caso de Stuart.

“Quando eu produzi o vídeo, tudo o que eu esperava era um pedido de desculpas do pessoal da escola e da professora para o meu filho. Era algo que eu poderia fazer por ele quando estivesse pronto para enfrentar o que aconteceu. Agora parece que eu posso oferecer algo mais: justiça”, disse o pai de Akian ao canal de televisão MSNBC. Stuart também afirmou que, com o objetivo de auxiliar nas investigações, não vai mais publicar novos vídeos. Ele também planeja “escrever para todos os membros da Assembleia Legislativa de New Jersey” para apresentar o seu caso.

Na verdade, Stuart quer mostrar que existem muitas pessoas que apoiam a sua petição online, que tem como objetivo ajudar a criar um sistema educacional mais justo, protegendo os bons professores e punindo de forma mais rígida aqueles que cometem irregularidades em ambiente escolar. A quantidade de pessoas que apoiam Chaifetz é grande o suficiente para convencer os legisladores de Nova Jersey a reconsiderarem as leis dos sindicados dos professores.

Abaixo, o manifesto de Stuart:


Via DailyDot e Yahoo

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Carlos Dovigues
    2012-05-19T11:02:18

    Isto é o que acontece quando alguem julga ser melhor que outra! Pobre professora que carece do amor de Deus.

  • Michele Oliveira
    2012-05-19T10:45:31

    por isso q. mundo esta do jeito q esta.Preconceito,ate onde vamos c isso.essa professora,tinha q ser internada,ela precisa d tratamento urgente

  • Odilon Junior
    2012-05-19T10:32:53

    Esse cara parece o GOVERNADOR CORRUPTO DO MEU ESTADO!!! SR. MARCONI PERILO....