Internet

21/10/2012 08h10 - Atualizado em 23/10/2012 10h21

Facebook e Twitter são obrigados a remover posts ligados a assassinato

Isabella Pedreira
por
Para o TechTudo

O Facebook e o Twitter foram obrigados a remover uma série de mensagens que declaravam ódio ao réu Adrian Ernest Bayley, acusado de ter estuprado e assassinado a jovem Jill Meagher, no estado de Victoria, na Austrália, no mês passado. A decisão, tomada pela delegada Felicity Broughton, se deu em função da possibilidade dos desabafos virtuais influenciarem o julgamento.

Já seguiu o TechTudo no Instagram? Procure por @techtudo_oficial

O caso de Jill Meagher comoveu milhares de pessoas na Austrália O caso de Jill Meagher comoveu milhares de pessoas na Austrália (Foto: Reprodução)

Com o intuito de evitar qualquer indução sob o entendimento dos jurados, todo o conteúdo postado no Facebook, Twitter e YouTube, que fizesse referência a Bayley, teve que ser retirado do ar. Antes da decisão judicial, o Facebook havia negado derrubar a página. A polícia de Victoria também pediu que outros sites removessem materiais sobre o acusado, mas não obteve sucesso.

Segundo o jornal local The Age, Broughton refuta a ideia de que a proibição do material online seja inútil. Para ela, as redes sociais fazem parte de “sofisticadas estruturas organizacionais” e por isso podem influir no julgamento. Dessa forma, a delegada emitiu uma ordem para bloqueio de postagem de qualquer material sobre o réu até janeiro de 2013.

O caso indignou milhares de pessoas em uma das cidades mais importantes do país. Para protestar a violência contra as mulheres e a morte da jovem Jill Meagher, 30.000 pessoas foram às ruas na cidade de Melbourne, na Austrália.

Além disso, toda essa polêmica aconteceu em um momento que o país vive uma relação controversa com o Twitter. Uma campanha para parar com os trolls aconteceu após uma série de comentários agressivos na rede. Depois desse episódio, Stephen Conroy, ministro de comunicações australiano, acusou o Twitter de desrespeitar as leis do país por não revelar quem estava por trás das mensagens abusivas. A Austrália estuda adotar aulas anti-trolling no currículo escolar oficial, além de criar leis mais rígidas para coibir os ataques virtuais.

Tem alguma dúvida de tecnologia? Entre no Fórum do TechTudo!

Via Dailydot

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Maria Silva
    2012-10-21T11:33:00

    Estou de acordo con que facebook e twiter em no tirar as mensagens contra esse assassino, pq tem que tirar? Para amenizar a situaçao dele, estuprou matou e sabe Deus o que mais fez, todos tem mais é que mostrar o desacordo desse crime bárbaro que fez esse covarde. E aparte que essas páginas sao livres de noticias, e se as pessoas publicaram desabafo contra esse crime é pq estao idgnados. Eu faria o mesmo. E se isso vai ajudar no seu julgamento melhor ainda. Que apodreça na cadeia. Todos os covardes como ele.

  • Juliano Silva
    2012-10-21T12:09:22  

    o brasil esta em guerra com som alto,+um que saiu no noticiario,ainda bem mesmo.esses moleques barbados retardados que perturbam.aprender o som e multa é pouco.moleques que tiram o sussego ambiental e da populacão .si tivesse aquela lei que é proibido até circular,que tem em poucas cidades,ai não aconteceria muitos transtornos por ai.vamos denunciar,si tiver parado.ligar para autoridade e em circulação anotar placa+o principal é ir na camera falar com prefeito e vereadores para mudar esta lei que deveria ser mais rigida e nacional.tuc tuc irritante.

    recentes

    populares

    • Juliano Silva
      2012-10-21T12:09:22  

      Vai dormir ô maluco, ah não te deixaram...kkk