Jogos de aventura

19/12/2012 13h58 - Atualizado em 21/05/2015 11h58

Conheça lendas de cartuchos amaldiçoados que assustavam jogadores

Renato Bazan
por
Para o TechTudo

Existe um boato de que estão espalhados cartuchos antigos de videogames "amaldiçoados", isto é, cujo conteúdo foi modificado para se tornar algo verdadeiramente assustador. "Creepypasta", como é chamada a cultura de contos de terror na Internet, tem uma relação rica com videogames. O nome vem do bom e velho Ctrl+C, Ctrl+V, mas criatividade é o que não falta para os autores dessas paródias horripiliantes de franquias famosas. A lista abaixo traz alguns exemplos desses mundo particular.

Esta espectrografia mostra parte da música alterada na cidade de Lavender, que teria efeitos psicológicos graves. (Foto: Reprodução/intrawl)Espectrografia mostra parte da música alterada na cidade de Lavender, que teria efeitos psicológicos graves. (Foto: Reprodução/intrawl)

Desde que Pokémon Green incendiou a imaginação dos jogadores com a mal-assombrada música de Lavender, que dizem ter provocado casos de depressão e suicídio no Japão, os gamers sempre estiveram à procura de novos casos paranormais em seus jogos. Versões de Zelda com espíritos aprisionados, entre outras obras cujo personagem principal pode sofrer morte permanente a qualquer instante, traz para o mundo dos games uma parcela de relatos fora do alcance da ciência. Ou é isso que seus autores querem que pensemos.

The Legend of Zelda: Majora's Mask e o fantasma no cartucho

Ben no Cartucho Amaldiçoado do Zelda (Foto: Reprodução)Ben no Cartucho Amaldiçoado do Zelda
(Foto: Reprodução)

Majora’s Mask é protagonista do talvez mais famoso episódio de demonização já presenciado. Aconteceu em meados de 2010 e abalou muitos fãs da Nintendo com seus episódios diários. O usuário do YouTube Jadusable contou que, em uma tradicional venda de garagem americana, viu um cartucho maltratado com a palavra “Majora” escrita, possivelmente em referência à sequência de The Legend of Zelda: Ocarina of Time.

O vendedor da antiguidade, velho e desconfiável, deu-o de graça, explicando que havia pertencido a um garoto que não vivia mais na vizinhança, e se despediu dizendo: “Goodbye, Ben!”. Apesar do estranhamento (Jadusable diz que seu nome é Matt), ele ignorou a saudação, ansioso para voltar para casa e testar o cartucho em seu velho N64.

O que foi contado pela Internet nas duas semanas seguintes é até hoje fonte de inspiração para muitas investigações coordenadas, mas sem resultados concretos. Matt encontrou alterações bizarras no jogo, que apagavam e escreviam jogos salvos por conta própria, mexiam com a aventura de modos assustadores e acima de tudo pareciam torturar o jogador por pura diversão.

Incontáveis erros gráficos e de código tomavam conta dos cenários, personagens mudavam de lugar e apareciam para atacar Link, e no final, aparecia sempre uma mesma mensagem: “You’ve met with a terrible fate, haven’t you?” (“Você encontrou um destino terrível, não foi?”).

O cartucho alterado de "Majora&squot;s Mask" chega em diversos momento a um estado de morte permanente, mesmo com o jogo desligado. (Foto: Divulgação/jadusable)O cartucho alterado de Majora's Mask chega em diversos momento a um estado de morte permanente, mesmo com o jogo desligado (Foto: Divulgação/jadusable)

Matt descobriu que um menino chamado Ben, anos antes, havia sofrido um grave acidente e se afogado no mesmo dia de seu aniversário. Convencido de que o tal garoto estava aprisionado dentro do cartucho, Matt continuou explorando as armadilhas do jogo, convencido de que Ben estaria comunicando o que aconteceu com ele por meio daquelas alterações bizarras.

O que se diz é que o cartucho foi queimado. Mais macabro de toda essa história, porém, é que há diversos momentos na aventura grotesca que indicam uma possível participação do pai de Ben na morte do filho, ou que há mais de uma pessoa aprisionada no cartucho.

Jadusable usou um editor de ROMs de Nintendo 64 para transformar Majora’s Mask em um jogo de terror, e não houve nem cartucho nem vendedor misterioso nem menino afogado na vida real. Ainda assim, a lenda continua enganando mesmo hoje. Isso sim é uma história bem contada. Veja a primeira sequência de vídeos:

<br>

 

Pokémon Terror Black Edition e a maldição do fantasma

Cartucho de "Pokémon Terror Black Edition"Cartucho de Pokémon Terror Black Edition

Também no ano de 2010, os fóruns da 4chan trouxeram à Internet o boato sobre uma versão pirata de Pokémon Red/Blue Edition, apropriadamente nomeada Terror Black pela alteração inesperada que trazia. Segundo o relato que é passado adiante, um dos anônimos usuários daquele site encontrou em uma lojinha de feira o cartucho escuro da imagem ao lado, que imediatamente o prendeu a atenção por não ter a arte oficial de Pokémon. A compra foi imediata.

Ao ligá-lo no Gameboy, o usuário anônimo percebeu que já na equipe inicial de monstrinhos constava o personagem “Ghost”, não-capturável nas versões comuns do jogo. O novo pokémon tinha apenas um ataque, “Curse” (“Amaldiçoar”), mas cada vez que este comando era dado, a vitória na batalha era instantânea. Ele também nunca era atacado, já que o pokémon inimigo sempre estava “muito amedrontado para atacar”, e, pior: além de tirar toda a vida em um golpe, o ataque removia qualquer vestígio do oponente de forma permanente – um indício bastante claro da morte daquela criatura – após um choro alto e agudo. O mesmo podia ser feito com os treinadores alheios após cada batalha, deixando para trás uma tumba no lugar de seu avatar.

O misterioso "GHOST", que acompanha a fúnebre caçada (Fonte: Reprodução)O misterioso "GHOST", que acompanha a
fúnebre caçada (Fonte: Reprodução)

A aventura tornava-se facílima, mas após a vitória na Liga Pokémon não era mais possível navegar pelo mapa. Ao invés disso, o jogo cortava automaticamente para algumas décadas depois, quando o treinador protagonista – já velho e sem pokémons – contempla muitas das tumbas de Lavender pensando nas glórias do passado.

Sem mais nada a fazer e sem nenhum NPC no mundo além das lápides de suas vítimas, o único caminho trilhável conduziria o jogador para a cidade inicial de Pallet, onde uma visita à casa do personagem principal daria início a uma alucinação gritante com todas as vítimas da maldição. Em uma batalha final, o agora velho treinador confrontaria seu Ghost sem nenhum pokémon, podendo apenas se debater enquanto o antigo parceiro observava reticente. Finalmente, a maldição racairía sobre quem a invocou tantas vezes, conduzindo à morte.

O mais arrepiante de toda história é que o Gameboy simplesmente travava nesse momento, sendo necessário desligá-lo. Ao ligar novamente, o jogo salvo simplesmente sumiria, para sempre. E, como cereja nesse bolo macabro, a qualquer momento a partir daí o jogo poderia simplesmente matar o jogador, travando com as palavras “Ghost curses you” (“Ghost amaldiçoa você”) sobre um preto absoluto e a imagem do lúgubre ajudante. Veja o vídeo abaixo para os detalhes sórdidos.

<br>

 

Pokémon Lost Silver Edition e a condenação ao esquecimento

Lost Silver é uma alteração de Pokémon Silver Edition primeiramente documentada por um estudante americano em 2010, ano que parece ter sido o ápice nesse setor. Esta outra versão de Pokémon, porém, tem uma história ainda mais retorcida que as anteriores pelo grau de corrupção do jogo beirar a destruição completa e ela foi encontrada em uma grande loja de jogos, a GameStop, longe de mãos suspeitas de pequenos varejistas (embora na seção de usados).

O jogo já mostra sua garras diabólicas na logo inicial da GameFreak, que precisa de vários boots para poder funcionar. A partir daí, uma tela preta de muitos segundos leva ao menu pré-jogo, sempre com um invariável jogo salvo em nome de “…”. Este arquivo tem todos os sinais de mal-caratismo: além de começar em uma área modificada perto de Bellsprout Tower, o jogador já chega com 999999 pokédolars, pokedéx completíssima, 999:59 horas de jogo e todas as 16 insígnias; no contravento, todos os seus pokémons estão no nível 5, cinco deles são Unowns (que juntos escrevem “Leave” – “saia daqui”) e um deles é um Cyndaquil nomeado “Hurry” (“corra”) com apenas 1 de vida e habilidades de suporte. Interessante combinação: “saia daqui, corra”. Também não há música nem efeitos sonoros além dos passos.

O estado do personagem principal de "Pokémon Lost Silver Edition" vai piorando conforme o jogador progride. (Foto: Reprodução/Reidd Maxwell)O estado do personagem principal de Pokémon Lost Silver Edition vai piorando conforme o jogador progride. (Foto: Reprodução/Reidd Maxwell)

A partir daí, o jogador deve seguir por um corredor escuro em direção a um baú, que o avisa: “Vá embora Aagora” e o joga para outra sala. Seu Cyndaquil morre, seu time muda para seis Unowns que juntos escrevem “He Died” (“ele morreu”).

Outros boatos, mitos e fabricações

O final macabro de "Super Ben 64", homenagem ao hack que Jadusable fez com "Majora&squot;s Mask". (Foto: Reprodução/McGeesJabberwock) (Foto: O final macabro de "Super Ben 64", homenagem ao hack que Jadusable fez com "Majora&squot;s Mask". (Foto: Reprodução/McGeesJabberwock))O final macabro de Super Ben 64
(Foto: Reprodução)

Esses casos criaram juntos o culto dos cartuchos amaldiçoados. Eles trouxeram uma legião de fãs que passaram a incluir na cultura Creepypasta uma série de relatos de jogos amaldiçoados, com comportamentos dos mais escabrosos, nefastos e fatais para seus usuários. Depois do trabalho de Jadusable, centenas de hackers e milhares de escritores tentaram recriar a tortura do espírito Ben em outros jogos, até mesmo em Super Mario 64. E Pokémon, de tantas modificações assustadoras que recebeu, foi até proibido da wiki Creepypasta em qualquer nova versão.

Tem alguma dúvida de tecnologia e games? Entre no Fórum do TechTudo!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Gustavo Soares
    2012-12-20T17:33:58

    e só pra lembrar isso é jogo pokemon... se esse povo ja surtou com isso imagina com silent hill ou dead space

  • Gustavo Soares
    2012-12-20T17:32:40

    vai entender ... e olha que no começo da reportagem dizem que havia suicidios na china por causa disso...esse povo não bate bem da cabeça droga

  • Ilo Cavalcante
    2012-12-19T14:38:22

    chama chuck norri, dante e pastor metralhadora pra ver se esses espiritos não se escafedem.

  • André Vieira
    2012-12-20T09:10:08

    Bizarro é ver crianças esqueléticas passando fome em diversos lugares do mundo, ver um atirador entrar em uma escola infantil para assassinar jovens, ver a farra da politcia e não fazer nada para que isso mude. Bizarrice é se preocupar em julgar um hobby que não prejudica a ninguém e esquecer das verdadeiras mazelas que afligem a nossa sociedade.

  • Julio Avanzo
    2012-12-19T16:03:52

    Então o cara colocou uns bugs no Majoras Mask, deu umas voltinhas mostrando cenas do jogo e isso é ser amaldiçoado? Que lixo!

  • Pedro Costa
    2012-12-19T14:49:07

    OLD, OLD , OLD, OLD, OLD, OLD.

  • Alvaro Cesar
    2012-12-19T19:18:49

    Macabro era Donkey Kong 2 tinha um bug em uma das fases que simplesmente podia excluir toda sua campanha mas isso nao era nada porque o que normalmente acontecia era danos permanentes no cartucho que o tornava impossivel de ser jogado e alguns casos raros podendo causar graves danos no console

  • Jorge Inacio
    2012-12-19T15:56:57

    PAPAGAIADA......

  • Jean Faria
    2012-12-19T15:06:12

    MAIS OLD QUE MINHA QUERIDA AVÓ!!!

  • Marcelo
    2012-12-19T16:01:20  

    Bizarro mesmo é ver adultos jogando videogame igual crianças, falando sobre isso o tempo todo, no trabalho, em casa, com a namorada/esposa, no bar..... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    recentes

    populares

    • Marcelo
      2012-12-19T16:01:20  

      Marcelo no mínimo era aqueles bobões que nunca aprendia a jogar, viva perdendo para os amigos no game, daí pegou raiva.. Marcelo Mongolllll

    recentes

    populares

    • Marcelo
      2012-12-19T16:01:20  

      Videogame não tem idade não amigão, e pra tudo tem sua hora, também gosto de jogar, tenho 32 anos e aí?