Internet

21/03/2013 06h30 - Atualizado em 21/03/2013 13h37

'O Brasil é estratégico para o Twitter', diz diretor do microblog no país

Gabriela Viana
por
Da redação

No ano em que celebra seu sétimo aniversário, o Twitter tem um foco bem definido: conquistar – ainda mais - o mercado brasileiro. E isso passa longe de apenas atrair novos usuários, mas sim de apostar também em outros dois pilares importantes para o maior sucesso da rede no Brasil: mídia e anunciantes.

Diretor-geral do Twitter no Brasil, Guilherme Ribenboim (Foto: Nick Ellis/TechTudo)Diretor-geral do Twitter no Brasil,
Guilherme Ribenboim (Foto: Nick Ellis/TechTudo)

Em entrevista exclusiva ao TechTudo, Guilherme Ribenboim, diretor-geral da rede no Brasil, afirmou que a criação da sede brasileira foi muito bem pensada e uniu o útil ao agradável. De acordo com ele, o país foi escolhido por ser um dos mais ativos na rede, além de apresentar um mercado publicitário em alta expansão.

Twitter completa sete anos; confira infográfico com evolução da rede social

“Viemos pra cá com um objetivo claro de focar no mercado. A ideia é mostrar as oportunidades que o Twitter oferece enquanto uma plataforma real time. O tamanho da nossa base no Brasil é gigantesca e cresce cada vez mais. Isso, somado a um crescente mercado em propaganda, transformou o Brasil em um ponto altamente estratégico para o Twitter, uma vez que aproxima os usuários da rede e, consequentemente, atrai as alianças publicitárias, que também estão focadas nos clientes em potencial que são os usuários do Twitter”, afirmou.

O foco em publicidade leva o escritório brasileiro do Twitter a ser responsável, principalmente, pela venda de propagandas, parcerias com as companhias locais e, acima de tudo, de conectar, cada vez mais, a rede com seus usuários. Para isso, serão usadas as contas e os tuítes promovidos. Em outras palavras, os anunciantes pagarão para que suas mensagens apareçam em destaque.

  •  
Nossa base no Brasil é gigantesca. Isso, somado a um crescente mercado publicitário, transformou o Brasil em um ponto altamente estratégico para o Twitter"
Guilherme Ribenboim

Para que aqueles que usam a rede não tenham a sensação de que estão sendo disputados pelos conteúdos emitidos pelas empresas, a equipe tem o objetivo principal de se especializar neste gênero especial de publicidade, de modo a oferecer a propaganda sem afastar o consumidor em potencial.

“É o nosso primeiro ano no Brasil, logo, é um ano de construção. Estamos montando a equipe, alinhando projetos, preparando nosso escritório para atender à essa demanda da melhor forma possível”, disse Ribenboim.

Aliás, a estratégia de conquistar o mercado brasileiro ganhou um plus com a confirmação do país como sede da Copa e das Olimpíadas, de 2014 e 2016, respectivamente. É que, segundo Ribenboim, o Twitter reflete o momento dos usuários e, consequentemente, do ambiente em que vivem. Para ele, os grandes eventos serão naturalmente comentados no microblog.

“Gosto de dizer que o Twitter é o fluxo do planeta. Tudo o que acontece as pessoas correm para postar e emitir suas opiniões. Foi assim com a tragédia de Santa Maria e com a morte do Chorão, por exemplo. Com a Copa e as Olimpíadas aí, naturalmente as pessoas vão publicar coisas a respeito. Isso é a base do Twitter, ser esse reflexo dos pensamentos. Por isso, também é natural a criação de uma grande oportunidade de divulgação de eventos e de marcas. O Twitter é uma grande plataforma publicitária que oferece inúmeras oportunidades para quem resolve aderir”, observou.

Atualmente, a rede conta com mais de 200 milhões de usuários ativos por mês, e aproximadamente 400 milhões de tuítes são publicados em todo mundo. No entanto, segundo relatório emitido pela ComScore, no ano passado, somente no Brasil, o Twitter apresentou uma queda de 24% de sua audiência, o que, de acordo com Ribenboim, não é algo muito válido.

“A ComScore não avalia números de mobile, que é da onde vem o maior número de acessos do Twitter, devido ao boom de smartphones. É menos comum alguém sentar no computador para postar. Os dados que avaliam as duas plataformas confirmam que não sofremos quedas. De qualquer forma, estamos sempre tentando aprimorar a rede para manter os antigos usuários e agregar novos”, concluiu.

Gosto de dizer que o Twitter é o fluxo do planeta. Tudo o que acontece as pessoas correm para postar e emitir suas opiniões"
Guilherme Ribenboim

O executivo também definiu o comportamento daqueles que fazem uso da rede e sua importância como uma ferramenta de expressão e mobilização, lembrando o histórico episódio da “Primavera Árabe” – quando o Oriente Médio enfrentou uma enorme onda de protestos (passeatas, greves e o constante uso das mídias sociais) contra a censura da Internet por parte dos Estados.

“O Twitter é o reflexo do momento. Durante a Primavera Árabe, ele se transformou em uma ferramenta importantíssima. E, de forma geral, a plataforma serviu apenas para expor o pensamento politizado de um grupo específico, de um lugar específico. O comportamento dos usuários de cada país tem muito a ver com o momento em que aquele país se encontra. No Brasil, por exemplo, os assuntos são mesclados e vão de política à entretenimento. Tem a ver com o momento de cada lugar”, definiu.

Ribenboim também mostrou entusiasmo com o crescimento da rede como um todo, após suas últimas atualizações e a implementação do Vine - a plataforma de vídeo do Twitter -, mas adiantou que ainda não há previsão de chegada do aplicativo para a plataforma Android.

“Estamos vendo um crescimento do número de usuários que aderem ao Vine, mas ainda é um processo gradual, comum de uma ferramenta nova. Mas estamos realmente felizes com o resultado. Buscamos novidades para os usuários e eles respondem. Quanto à versão para Android, posso dizer apenas que não é algo para agora, mas que pode vir em um momento certo”, declarou.

O diretor também falou a respeito dos filtros próprios para fotografias e descartou a hipótese de que os mesmos foram criados para concorrer com o Instagram, comprado pelo Facebook, apontada como a maior concorrente do microblog.

“Os filtros estão sendo utilizados sim. Buscamos isso para facilitar e otimizar o uso do Twitter pelas pessoas, e estamos tendo uma aceitação grande. Não tem nada a ver com o Instagram. Nosso objetivo é ser a rede que as pessoas procuram pra contar o que está acontecendo agora, o assunto do dia. A praticidade de ter tudo reunido em um só lugar otimiza o tempo, o que, se tratando de Internet, é altamente precioso”, afirmou.

Twitter lança coleção de filtros parecida com Instagram (Foto: Divulgação)Twitter lançou coleção de filtros parecida com Instagram, mas Ribenboim nega que tenha relação entre as ferramentas (Foto: Divulgação)

Sobre os rumores a respeito da criação de serviço de streaming musical do microblog, e se o mesmo chegaria ao Brasil, Ribenboim foi taxativo. “Infelizmente não posso comentar sobre isso”. No entanto, o executivo falou sobre a possível implementação de hashtags no Flickr e no Facebook, deixando claro que a ideia, em nada, atrapalha o Twitter.

“Além de serem rumores, as plataformas têm propostas muito diferentes, o que permite ter espaço para cada uma delas. A hashtag é, de certa forma, uma marca do ‘real time’ que o Twitter tem como base principal, e que é nosso diferencial. De qualquer forma, não vejo como isso pode atrapalhar”, finalizou.




 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares