Caixas de som

26/07/2013 08h58 - Atualizado em 26/07/2013 08h58

Master System x NES: veja a comparação entre os consoles 8 bits

Flavio Barboni
por
Para o TechTudo

Uma das primeiras batalhas entre empresas do ramo de games foi travada por Nintendo e Sega há 30 anos, em 15 de julho de 1983, data em que ambas as empresas lançaram seus consoles de 8-bits no Japão. Era o início da terceira geração de videogames. Veja como foi essa guerra entre os consoles e as diferenças entre eles:

NES X Master: veja as diferenças entre os consoles 8 bits (Foto: Reprodução / TechTudo)NES X Master: veja as diferenças entre os consoles 8 bits (Foto: Reprodução / TechTudo)

Onde tudo começou

O Nintendinho (NES) chegou ao mercado japonês como Family Computer, ou Famicom, e vendeu 500 mil unidades em pouco menos de dois meses. Feito inédito para a época. Coincidência ou não, a Sega lançou exatamente no mesmo dia sua primeira aposta no mercado de consoles: o SG-1000, que pode ser considerado como um embrião do futuro Master System, já que possuia arquitetura e configuração semelhante.

Porém, o jornalista David Sheff, autor de Os Mestres do Jogo (Game Over, no original, uma das bíblias dos games), relata que o sucesso estrondoso da Nintendo desbancou qualquer adversário. O MSX, por exemplo, era grande sucesso no Japão na época, mas passou a ser comercializado como microcomputador para evitar a concorrência com o Nintendinho. Caminho semelhante foi tomado pela Sega, que lançou o SG-3000 equipado até com teclado e voltado aos iniciantes da informática.

A história começou a mudar em outubro de 1985 com o lançamento japonês do Sega Mark III, sistema que seria comercializado como Master System na maior parte dos países. Aceita a missão de brigar por espaço com a Nintendo, a Sega investiu em mercados que sua concorrente não deu atenção: América Latina, Oceania e países europeus com menos poderio econômico, como Grécia, Polônia e Portugal. A estratégia era dar aos jogadores desses países garantia, qualidade, suporte e até localização e lançamentos regionais. O tiro foi certeiro, e a partir daí, a briga começou de vez!

Algo que não faltou na longa vida do Master System foram diferentes modelos (Foto: wikipedia.org / Reprodução: Rafael Monteiro) (Foto: Algo que não faltou na longa vida do Master System foram diferentes modelos (Foto: wikipedia.org / Reprodução: Rafael Monteiro))Algo que não faltou na longa vida do Master System foram diferentes modelos (Foto: wikipedia.org / Reprodução: Rafael Monteiro)

Hardware

Inicialmente, pensado como um computador, a configuração do Master System usava componentes de mercado, mas era bem superior a do NES. O processador NEC 780C, meramente um clone do chip militar norte-americano Zilog Z80, tinha capacidade de 3,54MHz, enquanto o console da Nintendo contava com um processador Ricoh 2A03 desenvolvido exclusivamente para o NES, com capacidade 1,66MHz.

A console da Sega também saía na frente com 8KB de memória RAM e 16KB de memória dedicada à geração de imagens, enquanto o NES tinha apenas 2KB para RAM e 2KB para vídeo. São números absurdos se pensarmos nos padrões atuais, mas à época os dois consoles tinham capacidade suficiente humilhar o hardware do outrora popular Atari 2600.

Essa superioridade do Master System perante ao NES também explicaria a sobrevida que o console teve nos anos 90, recebendo grandes sucessos da época como Street Fighter 2 e Mortal Kombat, impensáveis no console da Nintendo, ao menos oficialmente.

Mesmo limitado, Mortal Kombat foi lançado no Master System, que era mais poderoso (Foto: Reprodução/TechTudo) (Foto: Mesmo limitado, Mortal Kombat foi lançado no Master System, que era mais poderoso (Foto: Reprodução/TechTudo))Mesmo limitado, Mortal Kombat foi lançado no Master System, que era mais poderoso (Foto: Reprodução/TechTudo)

Brasil

Os dois consoles foram lançados no Brasil, mas em épocas muito diferentes. O Master System chegou em 1989, no auge de sua era, numa empreitada da fabricante de brinquedos eletrônicos TecToy. A iniciativa se mostrou um grande sucesso, com suporte e distribuição do aparelho e jogos garantidos do Oiapoque ao Chuí.

Enquanto o Master System teve no Brasil seu maior mercado em todo mundo, o NES chegou aqui de forma bem menos prestigiosa, via clones fabricados por empresas nacionais que se valeram da Política Nacional de Informática, uma reserva de mercado para importação de produtos de informática em vigor entre 1984 e 1991. Consoles piratas contrabandeados da China e Taiwan também processavam cartuchos Nintendo e fizeram muito da popularidade do NES por aqui, já que importar um aparelho original era privilégio de pouquíssimos.


No começo dos anos 90, Gradiente e Brinquedos Estrela fundaram a Playtronic que – finalmente – trouxe para o Brasil, em 1993, o Nintendinho. Era o momento do Mega Drive e do Super Nintendo, no topo dos 16-bits, e não havia muito espaço para o bom e velho NES.

Com maior base oficial instalada, o videogame da Sega acabou persistindo e recebendo cartuchos até 1997, com o lançamento de Street Fighter 2, produzido pela Tectoy. Vale ressaltar que o Master System enfrentou no Brasil cinco mudanças de planos econômicos (Cruzado, Cruzado Novo, Cruzeiro, Cruzeiro Real e finalmente Real) e chegou a custar cerca de 1.699.000 cruzeiros em 1992, na época do lançamento da versão III do console, ou o equivalente a 620 reais atuais, em valores corrigidos.


Controles

Enquanto outros consoles da década de 1980 investiam nos manches, que se assemelhavam a controladores de voo, tanto Nintendo quanto Sega padronizaram em seus consoles de 8-bits os gamepads, compostos por direcionais digitais e botões de ação.

Controles do Master System lançado no Ocidente (Foto: Reprodução/Wikimedia/TechTudo) (Foto: Controles do Master System lançado no Ocidente (Foto: Reprodução/Wikimedia/TechTudo))Controles do Master System lançado no Ocidente (Foto: Reprodução/Wikimedia/TechTudo)

O Master System vinha com um controle de formato retangular, com dois botões de ação e um direcional digital com oito direções. O NES também tinha configuração parecida, exceto pelo direcional digital em cruz com quatro direções (formato consagrado pela Nintendo) e pelos botões “start” e “select”. A função de pausa de jogos no console da Sega era feita por um botão direto no console.

Controle da versão ocidental do NES (Foto: Reprodução/Academic.ru/TechTudo) (Foto: Controle da versão ocidental do NES (Foto: Reprodução/Academic.ru/TechTudo))Controle da versão ocidental do NES (Foto: Reprodução/Academic.ru/TechTudo)

Jogos

A melhor parte da guerra entre Nintendo e Sega eram a qualidade dos jogos produzidos ou financiados pelas duas empresas. Para ganhar os corações dos consumidores, o NES recebeu durante sua vida útil alguns dos títulos seminais dos RPGs japoneses, como os quatro primeiros títulos da série Dragon Quest e os três primeiros Final Fantasy. Também se projetaram no console séries consagradas como Mega Man e Bomberman, e exclusivas da Nintendo, casos de Metroid, Kid Icarus, The Legend of Zelda e, claro, Mario Bros, sucesso absoluto da casa. O motivo é óbvio: enquanto o Master System vendeu 13 milhões de aparelhos, o NES vendeu quase 62 milhões.

Dragon Quest traz boas lembranças aos fãs dos RPGs japoneses (Foto: Reprodução/TechTudo) (Foto: Dragon Quest traz boas lembranças aos fãs dos RPGs japoneses (Foto: Reprodução/TechTudo))Dragon Quest traz boas lembranças aos fãs dos RPGs japoneses (Foto: Reprodução/TechTudo)

Já a Tectoy não só garantiu a onipresença do console em terras brasileiras, como lançou jogos totalmente em português, caso do clássico dos RPGs, Phantasy Star, além de títulos baseados em personagens conhecidos por aqui como Mônica no Castelo do Dragão, TV Colosso, Sítio do Picapau Amarelo, Chapolin contra Drácula: um duelo assustador e Castelo Rá-Tim-Bum. Não poderiam faltar é claro os sucessos internacionais do console da Sega: as séries Sonic The Hedgehog e Alex Kidd.

A guerra entre as duas empresas continuou com o lançamento do Mega Drive, da Sega, e do Super Nintendo, criando alguns dos momentos mais marcantes dos videogames. Atualmente, quem diria, as empresas trabalham juntas, inclusive com exclusividades, caso do novo Sonic Lost Worlds, aventura do ouriço que será lançada somente para consoles da Nintendo.

As Aventuras da TV Colosso é um dos games exclusivos do Master System lançados no Brasil (Foto: Reprodução/TechTudo) (Foto: As Aventuras da TV Colosso é um dos games exclusivos do Master System lançados no Brasil (Foto: Reprodução/TechTudo))As Aventuras da TV Colosso é um dos games exclusivos do Master System lançados no Brasil (Foto: Reprodução/TechTudo)

O NES é um dos dez consoles mais vendidos da história. Concorda? Opine no Fórum!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Fred Masson
    2013-07-26T11:56:09

    Saudades desta época. Eu tinha o Mega e o Master e um amigo meu o NES e o Super NES, aí rolava um revezamento. Lembro que a gente jogava Atari e ele apareceu com um NES com quatro jogos Super Mario 3, The Simpsons: Bart vs. Space Mutants, Teenage Mutants Ninja Turtles 1 e 2. Cara, ficamos invernados as férias inteiras jogando até zerar todos.

  • Junior
    2013-07-26T19:43:43  

    Tenho o Nintendinho e o Master System 3 , Nintendinho que veio com a fita do Super Mario Bros 3 , e o Master System que veio com o World Cup 90 na memória ... Acho que o meu Master System é um dos únicos que veio com futebol na memória , pq na época dos meus amigos vinham com Alex Kid ou Sonic na memória ...

    recentes

    populares

    • Junior
      2013-07-26T19:43:43  

      O seu é chinês e na verdade veio com o World Cup Noventa e tlês neh?

    recentes

    populares

    • Junior
      2013-07-26T19:43:43  

      Né não , joga no Google que você acha .. Original ;)

  • Roberto Azevedo
    2014-01-25T18:11:25

    Eu sou colecionador de consoles, tenho uma boa coleção e com todos funcionando, nem penso em me desfazer nem do meu Telejogo. Mas esses 2 consoles da matéria vão ter um lugar especial na minha estante, muito da minha infância, depois do futebol na rua, foi na frente da tela a noitinha, jogando todos esses jogos. cara que saudade daquele tempo, não tinha que me preocupar com absolutamente nada.

  • Ari Santna
    2013-07-26T12:08:55

    "Ah! Como eu amo a Nintendo!."

  • Edson Silva
    2013-07-26T10:40:27  

    Achei a matéria tendenciosa pro lado da Sega, nem falaram do Phanton System que foi o primeiro NES nacional produzido pela Gradiente, mas tudo bem. Na época eu tinha em torno de 9 ou 10 anos e meus pais não tinham dinheiro pra comprar um NES, foi aí que apareceu perto de casa uma locadora que além de cartuchos, também alugava consoles japoneses. Meus amigos e eu guardávamos o dinheiro do lanche da escola a semana toda só pra alugar e passar o fim de semana inteiro jogando nintendinho. Só depois de algum tempo consegui comprar o antigo Top Game, que foi produzido pela CCE.

    recentes

    populares

    • Edson Silva
      2013-07-26T10:40:27  

      Thiago Marini ops... nesse caso é trás com "s", rsrsrs

    recentes

    populares

    • Edson Silva
      2013-07-26T10:40:27  

      ahhh é q falaram dos videogames "falsificados" de forma geral, sem especificar... e é tendenciosa pq nintendinho veio para o brasil a tectoy já tomava conta, e essa é uma guerra na visão dos brasileiros cada país tem sua visão desses videogames

  • Paulo Santiago
    2013-07-26T10:39:47

    Tenho os dois, e por sinal ambos ainda funcionam e até joguei Dream Master um dia desses! A reportagem foi um meio tendenciosa, já que há muito mais dados sobre o NES no Brasil como os joysticks excelentes que eram lançados para os consoles "compatíveis" que nem foram citados. Eu cheguei a ter 9 diferentes pra Hi-Top Game, meu primeiro videogame, que infelizmente não funciona mais.. E graças às limitações, o NES tem uma identidade áudio-visual que nenhum outro videogame na história tem! Mas em todo foi bem legal, a matéria! É sempre muito bom ler sobre a história dos videogames!

  • Joe User
    2013-07-26T12:45:15

    Saudades. Tive os dois: Um Master System com pistola e óculos 3D e um Hi Top Game, clone do NES fabricado pela Milmar. Alguns inesquecíveis: (MS) Alex Kidd, Sonic, Zaxxon, Safari Hunt, Astro Warrior, Castle of Illusion, Black Belt, California Games, Zillion, Shinobi, Super Monaco GP, Gain Ground, Ghouls n' Ghosts, Golden Axe, Kenseiden, R-Type, Phantasy Star, After Burner, Galaxy Force; (NES) Super Mario, Battletoads, Bart vs Space Mutants, TNMT, Zelda, 1942, Double Dragon, Bomberman, Contra, Paperboy, Castlevania, Mega Man, Metroid, Excite Bike, Galaga, Skate or Die (ih, acabou o espaço).

  • Anonimo Nome
    2013-07-26T11:14:31  

    Dois ótimos video games, sou fã da Sega e da Nintendo, mas a Nintendo sempre mostrando que a melhor configuração nem sempre é a campeã. Muitos fatores dependem disso, vide o Wii, que ganhou a geração passada de consoles.

    recentes

    populares

    • Anonimo Nome
      2013-07-26T11:14:31  

      O Super Nintento tinha o Hardware muito superior ao Mega Drive. Não esqueçam disso.

    recentes

    populares

    • Anonimo Nome
      2013-07-26T11:14:31  

      Graciliano Câmara Sim, o SNes tinha um hardware melhor e se você reparar, a disputa pelo primeiro lugar foi acirrada. Somente no final da geração o Super NES foi realmente consagrado campeão. O Mega Drive tinha ótimos jogos, tanto que eu tive um SNES e um MegaVision (Clone do Mega Drive). A vantagem do clone é que você tinha uma chave para mudar o Mega para Japonês ou Americano, que na época era fogo... vc pegava um cartucho Japonês e não funcionava no Mega Americano

  • Rafael Francisco
    2013-08-11T12:26:14

    Eu adorava meu Master System 3, hehe. Nintendo vendeu mais no mundo, mas no Brasil o Master System era melhor pq quando essa geração chegou mais forte aqui no Brasil de 89/90 pra frente a Sega já tinha aumentado a sua biblioteca e o Master não estava mais tão absurdamente atrás na quantidade e um pouco a frente na qualidade.

  • Rodrigo Ribeiro
    2013-07-27T09:27:57

    É isso ai, pura nostalgia. Parabéns pela matéria, me fez lembrar momentos muito bons. Época que deixou saudade, pq principalmente não tinha contas pra pagar. rs

  • Luiz Lara
    2013-07-27T07:13:21

    Essa foi minha infancia q e emoção

  • Fabio Maiche
    2013-07-27T01:08:20

    Faltou 2 detalhes: 1 - Nintendo fazia contrato de exclusividade, as produtoras não poderiam lançar os jogos em outros sistemas, inclusive a Sega ganhou um processo em cima da Nintendo por praticas monopolistas, mas isso no final da vida do master quando já era tarde d+, mas ajudou muito na era 16 bits. 2- Apesar de o hardware da Nintendo ser pior, desde aquela época ela já usava chips em seus cartuchos, o que deixava seus jogos muito melhores que no master. Chips esses que também foram usados no snes.

  • Renan Perim
    2013-07-26T22:53:50

    MAME 32 - aquele joguinho de Mat Mania hahaha muuuuito looouco, tinha o Coco Savage, fié da mãe pra bater no carinha

  • Dick Vigarista
    2013-07-26T19:33:02

    Nessa época eu era muito pelego da nintendo, não sei se era só na minha cidade, mas a variedade de jogos da nintendo dava de 10 na sega.

  • Manuel Vareya
    2013-07-26T18:12:27

    Bons tempos!!!!

  • Vanilton Viza
    2013-07-26T17:48:10

    corrigindo .. poucos recursos rss

  • Vanilton Viza
    2013-07-26T17:47:41

    època boa q empolgava com muito recursos ...

  • Marcelo O
    2013-07-26T16:40:17

    Infelizmente essa é a realidade e nenhum fanboy da nintendo pode negar ela a cada ano tem queda de vendas em seus produtos comparado a decada de 90 e meados de 2003. Os jogos da nintendo em geral a serie mario, zelda e etc.. exclusivo da nintendo sao excelentes e podem ser elevado mas lançando para plataformas mas potentes no mercado, pra nao acontecer que aconteceu som a SEGA, a nintendo parou no tempo infelizmente.

  • Talison Dalamaria
    2013-07-26T15:29:49

    Meu filho nasce na próxima quarta feira e nunca saberá o que é isso ai!

  • Poderoso Castiga
    2013-07-26T15:27:15

    Que saudade! Eu era rico e não sabia!

  • Vinicius Teixeira
    2013-07-26T15:26:06

    Não deveria ter vendido/doado meu NES ;/ . Bacana ler essa matéria, parabéns

  • Rickardo Santos
    2013-07-26T15:08:27

    Cara, que saudade dos anos 1980, essa reportagem para mim foi uma máquina do tempo.

  • Mc Finn
    2013-07-26T13:47:25

    Graças a um vizinho da marinha mercante, meu pai encomendou com ele o nintendinho original por muito menos que os consoles brasileiros. A imagem e, principalmente, o som davam banho nos consoles nacionais (eu joguei antes no Dynacon e, depois joguei no Phantom System da Gradiente pra comparar). Bem, em relação a briga master x nintendo, o principal critério é a qualidade/quantidade de jogos e, na minha opinião, o NES era melhor que Master System. Mas, como não sou fanboy, sempre tive os dois sistemas até que a Sega "desistiu" do mercado. Depois mudei para PS mas sem deixar a Nintendo

  • Diego Bernardo
    2013-07-26T13:35:29

    q saudade dessa época

  • THIAGO REIS
    2013-07-26T10:10:34  

    Tenho meu master system funcionando até hj, vários jogos... faz 23 anos

    recentes

    populares

    • THIAGO REIS
      2013-07-26T10:10:34  

      Parabéns! Cuide bem dele!