Jogos de ação

29/10/2013 15h32 - Atualizado em 25/08/2014 14h30

Diretor de Batman: Arkham Origins fala sobre enredo do jogo na BGS 2013

Leonardo Avila
por
Para o TechTudo

O jogo Batman: Arkham Origins, é uma espécie de “Ano Dois” da mitologia do Homem-Morcego. A Warner Bros se inspirou um bocado na Graphic Novel Batman: Ano Um, de Frank Miller para criar o enredo do game. Eric Holmes, diretor criativo da Warner Bros Montreal, responsável pelo jogo, contou ao TechTudo na Brasil Game Show 2013 que a série está 99% na trilha da HQ do Cavaleiro das Trevas.

Eric Holmes, diretor da WB Montreal, falou com o TechTudo sobre o game Batman: Arkham Origins na BGS 2013 (Foto: Leonardo Avila/ TechTudo)Eric Holmes, diretor da WB Montreal, falou com o TechTudo sobre o game Batman: Arkham Origins na BGS 2013 (Foto: Leonardo Avila/ TechTudo)

A história do jogo, claro, é uma versão alternativa do universo do personagem, além de oferecer um herói mais bem equipado - com direito até a Bat-jato - e mais numerosa oposição do que na clássica graphic novel.

“O Comissário Gordon, por exemplo, é praticamente o mesmo da história: ele não se dá muito bem com o Departamento de Polícia de Gotham, ele ainda é um capitão - se não me engano, na HQ ele era tenente - mas ele ainda não é respeitado pelos colegas, ele não tem a confiança de seu time. Justamente por ser honesto, mas é nosso próprio trabalho. Pudemos ser fiéis aos acontecimentos da era Ano Um, pudemos ser fiéis aos diálogos e aos personagens, mas não estamos abraçando completamente coisas como a relação entre Gordon e Batman, por exemplo, porque temos nossa própria versão de como eles se conhecem no jogo” conta Holmes.

Holmes conta que o time da WB Montreal tentou seguir um meio-termo entre referenciar as HQs e criar algo novo: “puxamos personagens dos quadrinhos, puxamos homenagens de lá também, mas tentamos não ser escravizados por esse material, porque a série Arkham é seu próprio arco, comenta o diretor. “Por exemplo, trouxemos Harvey Bullock para o game, é um personagem importante nos quadrinhos e na série animada, temos o mesmo dublador - Robert Constanzo - para fazer a voz dele, mas ao mesmo tempo sua vida durante os primeiros anos de Batman nunca foi realmente explorada.”

Assim, como em Ano Um, o game Batman Arkham Origins tenta contar uma história que te deixe mais próximo de Bruce Wayne e outros personagens do universo. Não é apenas por homenagem, mas também por um desafio tecnológico no qual a nova equipe decidiu mergulhar: “estamos empurrando limites, é difícil inovar tecnicamente quando uma plataforma está por aí a tanto tempo, mas temos que criar truques para otimizar processos e conseguir algumas melhorias visuais aqui e ali”, diz Holmes.

Batman: Arkham Origins (Foto: Divulgação) (Foto: Batman: Arkham Origins (Foto: Divulgação))Batman: Arkham Origins traz referências da HQ Batman: Ano Um, de Frank Miller (Foto: Divulgação)

“Remontamos todos os esqueletos dos modelos do personagem, principalmente os rostos. Quando você jogar o game, vai perceber, principalmente em cenas de corte, que buscamos algo mais intimista, com a cara do Bruce aparecendo completamente em alguns momentos, e quisemos capturar performances faciais para tal”.

A mudança revela um jogo mais preocupado com detalhes: “há momentos em que pontes pegam fogo, coisas explodem e todo esse grande espetáculo, mas brincamos no estúdio que temos momentos de Michael Bay (diretor dos filmes Transformers) e Joss Whedon (diretor de Os Vingadores e roteirista de Toy Story)”, comenta.

Com Bruce sendo caçado por nove assassinos retirados direto dos quadrinhos, e o claro interesse do diretor pelas relações entre os personagens da mitologia do Cavaleiro Negro, é claro que não podíamos deixar de perguntar: é possível que um novo jogo da série Arkham, tão rica em vilões e mocinhos, não seja protagonizado pelo Batman? “É uma pergunta complexa, depende de quanto tempo e recursos teremos, o que estaríamos tentando com o jogo. Acho que há uma série de bons personagens da DC que poderiam ser parte, e já estamos meio que pendendo para esse lado. Tentamos fazer um pouco com esse jogo, quando decidimos que Deathstroke seria jogável. Não posso falar nada sobre projetos futuros, mas acho que estamos abertos a todas as ideias.”

Qual será o anúncio mais comemorado na BGS 2013? Opine no fórum do TechTudo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Caio Silva
    2013-10-30T23:41:15

    sera???