Internet

18/06/2014 14h40 - Atualizado em 18/06/2014 17h27

Google confirma streaming de músicas do YouTube já em fase de testes

João Kurtz
por
Para o TechTudo

O Google confirmou que já começou a fazer os testes internos com o novo serviço de streaming de músicas do YouTube. O produto deve ser lançado na metade deste ano e pretende competir com Rdio e Spotify. Ainda sem nome ou data de lançamento, a informação foi, enfim, confirmada pelo Google.

Spotify, Rdio, Deezer e outros; saiba qual o melhor streaming de música

Há aplicativos para todos os sistemas operacionais (Reprodução/YouTube) (Foto: Há aplicativos para todos os sistemas operacionais (Reprodução/YouTube))Google confirma streaming de músicas do YouTube já em fase de testes (Reprodução/YouTube)



A gigante de buscas ainda não revelou a data exata de lançamento do novo serviço de músicas. As informações disponíveis sobre o recurso indicam que ele vai permitir que o usuário ouça as faixas sem ser interrompido por anúncios, como acontece na versão gratuita do Spotify. Também haverá a opção de permitir reprodução offline.

O YouTube é o site mais usado para a reprodução de músicas na Internet, vencendo concorrentes como Spotify e Rhapsody. Segundo um porta-voz do Google, um dos objetivos da desenvolvedora ao lançar a nova plataforma seria criar “novas formas de gerar receita”.

Como resolver problema com flash no YouTube? Confira no Fórum do TechTudo.

O maior problema encontrado pelo Google é a dificuldade de negociação com as gravadoras independentes, que alegam que os contratos oferecidos são injustos. O impasse ameaça remover do catálogo do YouTube artistas como Adele e Arctic Monkeys. O YouTube começará, inclusive, a bloquear "em questão de dias" os vídeos das gravadoras independentes que não aceitarem a parceria. Assim, o serviço do Google assegura que todo o conteúdo na nova plataforma seja controlado pelos novos termos contratuais, explicou o diretor de conteúdo do YouTube, Robert Kyncl.

Os rumores sobre o streaming do Google começaram em 2013 pelo jornal New York Times. Na época, falava-se que o preço do serviço seria de US$ 10 mensais (cerca de R$ 22). O novo recurso estava programado para ser lançado no final no ano passado, mas a baixa qualidade teria feito com que ele fosse adiado. Agora, a expectativa é que o recurso seja lançado ainda este ano.

Via Billboard

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares