Internet

28/07/2014 06h02 - Atualizado em 19/06/2015 17h20

Testamos o Oculus Rift: evolução em um ano aumenta sensação de imersão

Renato Bazan
por
Para o TechTudo

O Oculus Rift, que está atraindo curiosos sobre realidade virtual, viveu uma aceitação inicial inesperada. O arremate veio com a compra da Oculus VR, fabricante do Rift, por US$ 2 bilhões, pelo Facebook. Se antes havia alguma dúvida sobre o futuro dos mundos virtuais, hoje elas dizem respeito apenas ao rumo que projeto vai tomar nas mãos do fundador da rede social, Mark Zuckerberg. O TechTudo realizou um novo teste com o Oculus Rift, abordando outras aplicações, para saber como vem sendo sua evolução.

3Doodler: Testamos a caneta que desenha no ar

Na primeira ocasião, o teste foi realizado em 2013, durante a Game Developers Conference (GDC 2013), em São Francisco. Ligado a um Xbox 360, o gadget foi explorado com o jogo independente Hawken. Nesta segunda oportunidade, a ocasião não poderia ser melhor para avaliar os prós e contras. 

A empresa brasileira 8E7 demonstrou o Oculus Rift com uma experiência marítima (Foto: Renato Bazan/TechTudo)A empresa brasileira 8E7 demonstrou o Oculus Rift com a experiência marítima (Foto: Renato Bazan/TechTudo)




Encontramos alguns dos principais desenvolvedores brasileiros no YouPix 2014, em São Paulo. O tempo foi curto, mas o resultado é inquestionável: em sua versão mais atual, o Rift está mais próximo da imersão sensorial completa - em jogos e simuladores. Essa é a melhor coisa que poderíamos dizer. 

Mundos virtuais, evolução real

O conceito é antigo e de aplicação difícil: criar um mundo virtual em duas pequenas telas afixadas aos olhos e duas caixas de som, uma em cada ouvido. Houve quem tentasse, desde a década de 70, mas o excessivo fardo das peças não-miniaturizadas e a baixa qualidade das simulações sempre acabavam sendo barreira intransponível para o grande público. Este não é o caso do Rift – ele, de fato, é um visor que você pode simplesmente vestir na cabeça e usar.

O aparelho conta com duas telas com resolução de 720p, com a promessa de futuros modelos equipados com 1080p (Full HD) de fábrica. Em ambos os casos, os minúsculos monitores côncavos usam OLEDs de baixa persistência para criar uma experiência visual com baixíssimo tempo de blur nas transições e movimentações fluidas, dois itens essenciais para eliminar o enjoo causado pelas versões iniciais.

A qualidade do OLED, que promove maior clareza, contraste e coloração que a dos monitores de LED comuns, também ajuda em muito criar um sensação de presença.

É uma evolução gritante em comparação com o hardware apresentado há apenas 12 meses atrás. Os monitores tinham resolução 640 x 800 pixels, de coloração particularmente lavada e cintilância, além de "bordas-fantasma" notáveis, dividiam espaço com um emaranhado de fios que chegavam a pesar quase 2 kg no conjunto – o deixaria qualquer um com uma terrível dor de cabeça se usado por mais de 15 min.

Qual a sua opinião sobre o Oculus Rift? Comente no Fórum do TechTudo.

A eliminação de boa parte dessa bagunça em apenas um ano, ainda que mantendo o aspecto avantajado do gabinete, é um atestado dos avanços inegáveis de uma equipe em constante superação.

Em outro lugar, bem aqui

O maior susto no uso do Rift é o isolamento causado pela vedação completa da visão, que rotineiramente faz dupla com algum bom headphone antirruídos externos. Ele realmente remove a pessoa de seu ambiente, ao menos com o qual interage no momento. 

O Oculus Rift teve excelente aceitação brasileira no YouPix (Foto: Renato Bazan/TechTudo)O Oculus Rift teve excelente aceitação brasileira no YouPix 2014, com filas enormes (Foto: Renato Bazan/TechTudo)

A senação de estar em outro lugar é garantida por correias, velcro e dois pares de fivelas utilizados na fixação do visor à cabeça do usuário, que acaba sentindo o dispositivo mais leve que o esperado para um trambolho plástico deste tamanho. O acompanhamento de um bom som surround completa a experiência.

Nem tão real assim

Não é verdade, contudo, que o Rift transmite uma sensação 100% perfeita de imersão ao seu usuário. Três fatores interferem de forma contundente para lembrá-lo de que aquilo é apenas uma simulação. Primeiro, há a óbvia e inevitável limitação atual dos ambientes 3D, que não atingem fotorrealismo e têm aparência diferente da real. Em segundo, o “efeito binocular” ainda não foi totalmente removido, apesar de ter sido aliviado com o aumento da área de exposição – em qualquer momento, o usuário fica com toda a visão periférica no escuro. E, em terceiro, há um excesso de brilho que ainda está longe de ser resolvido. Você sabe que está olhando para um monitor.

O que mais complica a experiência como um todo, porém, é a questão da calibração interpupilar. É um conceito complexo: para ter uma correta percepção das distâncias, o cérebro de cada pessoa faz uma compensação entre as imagens dos dois olhos, e este valor nunca é igual para todos. 

oculus rift (Foto: oculus rift)Oculus Rift sobre a mesa (Foto: Divulgação/Oculus VR)

É necessário fazer um ajuste como o da barrinha lateral do Nintendo 3DS: conforme muda a pessoa, é preciso ajustar também o espaçamento e o ângulo entre as imagens mandadas para cada olho.

Sem o perfeito ajuste, usar o Rift vira um inferno – borrões, falta de foco, cintilância, informações de borda perdidas são rotina. Como o aparelho ainda não apresenta solução fácil (é necessário mexer no firmware para fazer as correções), é impossível imaginá-lo tendo sucesso imeditado nas lojas.

Outro grande desafio a ser enfrentado pela Oculus VR é o de enjoo sentido por parte dos usuários por conta da movimentação visual que não se traduz em sensação física. No caso de Counter Strike: Global Offensive, que exige uma correria em cada partida, o efeito é tenebroso em algumas pessoas. 

Sensações na pele

O cérebro se deixa enganar por um tempo, o pescoço se movimenta sozinho e os sensores internos do Rift sabem como acompanhar esse impulso. Cada aplicação se projeta em 100% do que o usuário vê. Colisões assustam, barulhos laterais causam reações defensivas, escadas convidam para um olhar acima. Para melhorar a imersão, o Oculus tem embutido giroscópios que permitem ao software perceber rotações corporais, automaticamente rodando a câmera para que corresponda ao movimento. 

A segunda versão do Rift, que começa a sair em julho, tem monitores interno a 1080p e acompanha uma câmera externa para captação de movimentos laterais (Foto: Divulgação/Oculus VR) (Foto: A segunda versão do Rift, que começa a sair em julho, tem monitores interno a 1080p e acompanha uma câmera externa para captação de movimentos laterais (Foto: Divulgação/Oculus VR))A segunda versão do Rift, que começa a sair em julho, tem monitores interno a 1080p e acompanha uma câmera externa para captação de movimentos laterais (Foto: Divulgação/Oculus VR)


Há quem esteja estudando o Rift como ferramenta para tratamentos psicológicos, enquanto outros o imaginam como ferramenta perfeita para treinamentos corporativos e militares e grupos de ensino o visualizem como o Messias da educação à distância. Os games, por ora, são a orientação de maior agitação e interesse dos consumidores: o prospecto de adentrar a galáxia de Star Wars ou tomar o controle de um robô gigante é, afinal, o sonho de quase todos os entusiastas por esse tipo de produto.

Entre o que a Oculus VR oferece hoje e sua promessa de produto final, não há muito mais a ser corrigido. Com exceção do corpo de PVC que o aparelho apresenta em suas peças atuais e o método de fixação arcaico, baseado em correias de borracha e fivelas comuns, a promessa está quase cumprida. Já no mercado, de um lado o Projeto Morpheus da Sony tenta roubar os games e do outro há rumores de um visor proprietário da Samsung a caminho. Nesse cenário, a forma e o conteúdo oferecidos terão participações decisivas no apelo ao consumidor final. Para completar, o Oculus comprou recentemente o time responsável pelo design dos acessórios do Xbox 360. A briga vai ser boa.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Pedro Leonel
    2014-07-28T10:09:35  

    a julgar pelo tanto que é capaz se chegar ao brasil com a Dilma no poder vai custa quanto?

    recentes

    populares

    • Pedro Leonel
      2014-07-28T10:09:35  

      Tava demorando

    recentes

    populares

    • Pedro Leonel
      2014-07-28T10:09:35  

      Não fala nada ou vai ser acusado de terrorismo e vai parar na cadeia!

  • Wilker Silva
    2014-07-30T16:29:22

    Essa de blusa branca acima, tem os peitos pequenos mas gostosinhos. No geral é gostosinha, tem uma cintura meio de maça, mas vale a pena! Eu pegaria facil!!!

  • Luana
    2014-07-28T14:43:35

    Sou mais meus olhos...

  • ANDRE PAULO
    2014-07-28T13:18:48

    A (principal) diferença entre Oculus Rift e Virtual Boy é que no Oculus vc coordena a cabeça do personagem (sua visão) com sua cabeça, ou seja, vc vira a cabeça para o lado e a visão do jogo vira junto. O Virtual Boy por outro lado era apenas uma tela embutida em um binóculo, ele providenciava imersão por manter vc focado no jogo, mas a tela por si só não tinha nenhuma interação com o seu corpo.

  • Eduardo Martins
    2014-07-28T10:29:56  

    Virtual boy (de 1995) manda um abraço pra essa "revolução"

    recentes

    populares

    • Eduardo Martins
      2014-07-28T10:29:56  

      Tomara que estes óculos não caiam no limbo como o Virtual boy, que foi descuntinuado em 96.

  • José Silva
    2014-07-28T12:48:29

    Sou mais o meu "Rai Bam"...kkk

  • Bruney Trindade
    2014-07-28T12:14:46

    Nem li nada, parei na foto da mulher de camisa branca, é uma delicia!

  • Zaim Talib
    2014-07-28T11:41:07

    CTRL-C e CTRL-V do Virtual boy...IMERSÃO...kkkk

  • Sider Killer
    2014-07-28T11:23:17

    Prefiro Jogar o meu Mega Drive. minha época era melhor que isso aí viu ?

  • Gabriel Oliveira
    2014-07-28T10:10:53

    Maldita tecnologia,madita inclusão digital!

  • Clynton House
    2014-07-28T10:06:16

    Deveriam sim inventar um óculos para sair do mundo virtual e enxergar melhor o mundo real, e dar um desses para cada cidadão brasileiro. Quem sabe assim aprendam a votar melhor.