Notebook

10/08/2014 06h00 - Atualizado em 11/08/2014 19h24

Novo tipo de recarga alimenta diversos gadgets pelo ar de uma só vez

João Kurtz
por
Para o TechTudo

O Ubeam é um projeto desenvolveu um dispositivo que promete recarregar diversos equipamentos ao mesmo tempo, sem a necessidade de tocar ou mesmo se aproximar deles. O aparelho funciona de forma semelhante a um roteador Wi-Fi, mas em vez de Internet, ele transmite energia em forma de ondas sonoras. 

Como aumentar a autonomia da bateria do seu notebook; veja dicas

Bateria de smartphones costumam ser alvo de grandes reclamações de usuários (Foto: Arte/TechTudo) (Foto: Bateria de smartphones costumam ser alvo de grandes reclamações de usuários (Foto: Arte/TechTudo))uBeam pode representar o fim da necessidade de usar tomadas para recarregar gadgets (Foto: Arte/TechTudo)


O dispositivo converte eletricidade em som e a espalha pelo ar através de ultrassom. Um receptor capta as ondas sonoras e as transforma, novamente, como eletricidade, carregando assim todos os dispositivos presentes no cômodo - o uBeam não é capaz de transmitir através de paredes. Como a frequência usada é ultrassônica, os ouvidos humanos não são capazes de ouvir.

 Na última semana, os criadores anunciaram que o primeiro protótipo do produto está pronto para ser lançado no mercado. Os carregadores possuem 5 mm de espessura e podem ser apoiados na parede. Já os receptores podem ser acoplados em telefones ou outros dispositivos.

A expectativa é que a tecnologia do uBeam chegue nas lojas dentro de dois anos. A empresa tem em mente duas versões distintas: uma com menor capacidade, para residências, e outra maior destinada a locais com muitas pessoas, como salões de conferência e aeroportos.

Além de tornar os carregadores obsoletos, outra vantagem do uBeam é poder dispensar adaptadores para tomadas de padrões diferentes. Ele também pode ser usado para atrair clientes. “Além de oferecer Wi-Fi grátis, bares e restaurantes vão poder anunciar que possuem o uBeam”, explica Meredith Perry, CEO da empresa.

Apple também investe em recarga wireless

Tecnologias de recarga sem fio já existem, mas todas elas possuem limitações. Os cases de recarga, por exemplo, apresentam um limite na quantidade de energia que podem armazenar, enquanto tapetes não são práticos o suficiente para permitir usar o dispositivo.

A própria Apple está pesquisando o assunto. Uma patente da empresa descreve um método de recarga sem fio através de NFMR (“ressonancia magnética em campo aproximado”, em tradução livre). A tecnologia seria um pequeno dispositivo para ser encaixado em um computador que criaria um campo eletromagnético para recarregar dispositivos sem fio – como mouses ou teclados – que estiverem por perto.

Via Business Insider

Dia dos Pais: Já viu o Doodle de hoje? Gigante de buscas celebra; conheça a história da data.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Roger Bautermo
    2014-08-10T12:27:09  

    Essa história de ficar tomando ondas magnéticas é gelada. Li, há muito tempo atrás, sobre a suspeita de campos eletromagnéticos de fio de alta tensão, torre de micro-ondas, e a incidência de câncer. Até os celulares estão sob suspeita. Já não basta a atmosfera poluída por todo tipo de ondas, naturais ou não, agora vem mais uma. Não vai dar certo.

    recentes

    populares

    • Roger Bautermo
      2014-08-10T12:27:09  

      "mecânica"

    recentes

    populares

    • Roger Bautermo
      2014-08-10T12:27:09  

      Em primeiro lugar, a reportagem fala sobre ondas mecânicas. Segundo, suspeita é diferente de fatos. Já foi provado que pessoas que vivem próximos a redes de alta tensão não tem maior incidência de câncer que o resto da população. Mas tirar isso da crença popular, principalmente das pessoas que nem sabem o que é uma onda eletromagnética é complicado. Para fazer mal a saúde, mais especificamente causar câncer uma onda eletromagnética deve ter frequência alta, as chamadas radiações ionizantes. Exemplo clássico é Raio-X. Rede de alta tensão esta bem longe de ter alta frequência. (cont)

  • Adilson Santos
    2014-08-11T15:54:59

    Humm,,, Aacho que vai chover hein!!!

  • Wanderson Silva
    2014-08-10T18:59:51

    Noticia mega atrasada a Genesis ja tem estes carregadores para seus aparelhos a tempos, mas ai vem um com uma marca mais expressiva e o povo todos fica babando ,sem contar que estas onda causam serios riscos a saude Humana.

  • Felipe Silva
    2014-08-10T11:34:57  

    Incriível é achar isso incrível. Esse tipo de tecnologia wireless para transmissão de energia já era testada no fim de 1800 por uma pessoa chamada Nikola Tesla e só agora conseguiram fazer o que Tesla já testava e previa em seus modelos funcionar..

    recentes

    populares

    • Felipe Silva
      2014-08-10T11:34:57  

      Acho que você não sabe interpretar um texto. Usa-se ultrassom ou seja som em alta frequência.

    recentes

    populares

    • Felipe Silva
      2014-08-10T11:34:57  

      Se nossa sociedade não fosse tão mediocre, hj estariamos uns 200 anos a frente do nosso tempo. Nikola Tesla foi apenas mais um que teve grandes projetos boicotados por interesses alheios. Uma pena, uma pena.

  • Itagiba Neto
    2014-08-10T16:16:57

    "O Ubeam é um projeto desenvolveu um dispositivo"... Estagiários...

  • Desabafo
    2014-08-10T14:06:56

    Imagine quando isso chegar aqui no Brasil.. Vai custar uns R$ 2.000 Dilmas!!

  • Leonardo Lima
    2014-08-10T13:41:42

    Enquanto isso seu cérebro fica oco e seu intestino joga todo o conteúdo pra ele.

  • Rasputin
    2014-08-10T11:47:31

    Câncer a prazo. Imagina a carga gigante.

  • Victor Nascimento
    2014-08-10T11:22:37

    bem interessante

  • Enio Carvalho
    2014-08-10T11:13:13

    É, já esperava um dispositivo destes. Um amigo me disse que já poderiamos ter energia em casa sem os fios. Então que se torne acessível logo.