Internet

11/09/2014 23h23 - Atualizado em 12/09/2014 10h36

175º Aniversário do Ernesto Carneiro Ribeiro é celebrado em Doodle

Thiago Barros
por
Para TechTudo

O 175º Aniversário do Ernesto Carneiro Ribeiro é o tema do Doodle do Google exposto na página inicial do buscador nesta sexta-feira (12). Médico, professor e linguista, nasceu em Itaparica, na Bahia, em 1839. Cuidadoso na correção da linguagem, foi pioneiro no Brasil em debates linguísticos na revisão ortográfica do Código Civil Brasileiro e envolveu-se em polêmicas com seu ex-aluno, Ruy Barbosa.

A história por trás dos Doodles do Google; entenda como nasceu o projeto

Doodle do Google celebra 175º Aniversário do Ernesto Carneiro Ribeiro  (Foto: Reprodução/Google)Doodle do Google celebra 175º Aniversário do Ernesto Carneiro Ribeiro (Foto: Reprodução/Google)

O linguista destacou certos aspectos do português praticado no país que não eram percebidos pelos gramáticos, e tornou a língua a primeira com gramática adaptada em função da língua falada. Publicou A redação do projeto do código civil e A réplica do Dr. Ruy Barbosa (1905). Ribeiro morreu em sua terra natal, em 1920, aos 81 anos. Nesta sexta, são completados e celebrados 175 anos do seu nascimento.

No Doodle animado que o Google preparou em homenagem a Ernesto Carneiro, ele é ilustrado no meio da segunda letra "o" da marca da empresa, fazendo uma das coisas que mais gostava: escrevendo. Mas sua carreira começou de forma bem diferente, na medicina. Formou-se na Faculdade de Medicina da Bahia, em 1854, e depois passou a se dedicar ao magistério. Estudou no Liceu Provincial de Salvador.

Ernesto fundou dois colégios na Bahia. Em 1874, o Colégio da Bahia. Dez anos depois, inaugurou uma instituição com o seu próprio nome, o Ginásio Carneiro Ribeiro, que teve seu comando por 36 anos. Professor de português, ensinou muita coisa a nomes muito relevantes na cultura nacional, como Ruy Barbosa, Euclides da Cunha, Rodrigues Lima, Castro Alves, entre outros. Com Ruy Barbosa, porém, viria a ter uma grande polêmica.

A polêmica com Ruy Barbosa

Logo após a proclamação da República do Brasil, no primeiro governo do seu estado natal, Ernesto participou da política. Entrou para uma comissão convocada pelo seu governador Manoel Vitorino, visando a elaboração de um plano de ação educacional. Pouco depois, em 1902, foi incumbido pelo Ministro da Justiça e Negócios Interiores, José Joaquim Seabra, de realizar a revisão do Projeto de Código Civil brasileiro.

Ernesto Carneiro Ribeiro foi um grande gramático (Foto: Reprodução/Wikimedia)Ernesto Carneiro Ribeiro foi um grande gramático (Foto: Reprodução/Wikimedia)

O projeto era substituir a legislação das Ordenações Filipinas, que já estava obsoleta, havia sido desenvolvido por Clóvis Beviláqua. Já com a bagagem de duas publicações muito destacadas, a Gramática Portuguesa Filosófica, de 1881, e ainda a sua principal obra, os Serões Gramaticais, de 1890, contando a visão histórica da Língua Portuguesa, e o aspecto científico do idioma, respectivamente, ele aceitou o convite.

No mesmo ano, Ruy Barbosa estava na presidência da comissão do Senado instituída para o estudo do trabalho de Beviláqua. Ele apresentou seu parecer sobre o projeto em três dias, com 560 páginas de severas críticas ao projeto legislativo. No seu "Parecer do Senador Ruy Barbosa sobre a Redação do Projeto do Código Civil", que foi publicado na Imprensa Nacional em abril, chamou o texto de "obra tosca, indigesta, aleijada".

Então, Ernesto Carneiro Ribeiro, em quatro dias, fez a revisão gramatical do projeto, com o nome de “Ligeiras Observações sobre as Emendas do Dr. Ruy Barbosa ao Projeto do Código Civil” e publicado no Diário do Congresso em outubro de 1902. Ruy publicou uma réplica posteriormente, e em 1905 Ribeiro fez sua tréplica, em 899 páginas: "A Redação do Projeto do Código Civil e a Réplica do Dr. Ruy Barbosa”.

Qual é o melhor Doodle do Google? Comente no Fórum do TechTudo.

Defendendo a normatização de peculiaridades do idioma português falado no Brasil, o que fazia do filólogo um pioneiro no assunto, Ernesto contribuiu muito para a formação dos estudos da língua e para a concepção da Lei 3.071, ou "Código Civil dos Estados Unidos do Brasil", que só viria a ser publicado em 1º de janeiro de 1916.

Quatro anos depois, em 1920, ele veio a falecer, mas sua história e seu legado não foram esquecidos pelos brasileiros. E ainda existe o Colégio Estadual Ernesto Carneiro Ribeiro, na cidade de Feira de Santana, na Bahia. Em Vera Cruz, outra cidade baiana, existe uma Avenida Ernesto Carneiro Ribeiro. Agora, neste 12 de setembro de 2014, ele ganha a sua presença no Doodle do Google. Mais uma bela homenagem.

Colégio na Bahia tem o nome do linguista (Foto: Reprodução/Direc02)Colégio na Bahia tem o nome do linguista (Foto: Reprodução/Wikimedia)

* Colaborou Melissa Cruz

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Reinaldo Rodrigues
    2014-09-12T15:14:42  

    Enquanto Ernesto, na época, se preocupava e era cuidadoso na correção da linguagem, hoje temos eguinha pocotó e outros bichos na nossa linguagem e ninguém fala nada. É a decadência de uma língua...

    recentes

    populares

    • Reinaldo Rodrigues
      2014-09-12T15:14:42  

      Pelo contrário, Reinaldo. Além de fora de moda (ninguém lembra da Eguinha Pocotó mais) você não entendeu que Ernesto era justamente o oposto disso: era Rui Barbosa (Ruy?) que queria que a língua escrita continuasse sem evoluir, estáctica, com gramáctica semelhante a de Portugal. Ernesto foi contra essa pseudo-sofisticação (de quem acha que tudo moderno ou que emana do povo é ruim) e foi influente para que a língua escrita evoluísse junto com a falada. Ah, recomendo passar na Pharmácia e comprar uns óculos, pois claramente não conseguiu ler o texto... Isso se não for analfabeto funcional!

    recentes

    populares

    • Reinaldo Rodrigues
      2014-09-12T15:14:42  

      Pelo contrário, Reinaldo. Além de fora de moda (ninguém lembra da Eguinha Pocotó mais) você não entendeu que Ernesto era justamente o oposto disso: era Rui Barbosa (Ruy?) que queria que a língua escrita continuasse sem evoluir, estáctica, com gramáctica semelhante a de Portugal. Ernesto foi contra essa pseudo-sofisticação (de quem acha que tudo moderno ou que emana do povo é ruim) e foi influente para que a língua escrita evoluísse junto com a falada. Ah, recomendo passar na Pharmácia e comprar uns óculos, pois claramente não conseguiu ler o texto... Isso se não for analfabeto funcional!!

  • Nazário Neto
    2014-09-12T19:06:40

    Neste quesito estamos ladeira abaixo, lanterninha no ranking mundial!

  • Peri Souza
    2014-09-12T11:24:33

    Em Salvador também há um lendário colégio com o nome dele. Grandessíssima homenagem.

  • Roberto Geissmann
    2014-09-12T10:51:09

    Mais um herói brasileiro que não é conhecido pelo povo Brasileiro. Temos fila de espera pra colocar nome de políticos sem nenhuma expressão, ou que comprovadamente fizeram muito mal para o País.