15/10/2014 12h25 - Atualizado em 15/10/2014 12h25

LED azul ou LED vermelho? Entenda a diferença e saia do 'escuro'

Paulo Alves
por
Para o TechTudo

O Nobel de Física deste ano gerou polêmica entres os inventores do LED azul e o do LED vermelho. O criador do diodo emissor de luz (LED, na sigla em inglês) vermelho questionou o prêmio por não ter recebido nenhuma homenagem do tipo na época de seu invento, que foi a base para a descoberta do LED azul. O TechTudo preparou um texto especial para explicar a diferença entre as tecnologias.

Bateria poderosa obtém 70% de carga em 2 min e tem vida útil de 20 anos

Inventor da LED vermelha achou 'insulto' Prêmio Nobel de Física de 2014 (Foto: Reprodução/Allstarwarslightsabers)Entenda diferença entre o LED vermelha e o LED azul (Foto: Reprodução/Allstarwarslightsabers)





O LED vermelho foi criado em 1962 por Nick Holonyak, professor aposentado da Universidade de Illinois, nos EUA. Esse tipo de diodo emissor de luz  foi o primeiro semicondutor a funcionar de forma correta, graças ao emprego de arsenieto de gálio. O material gerado tinha somente 1 mm de área e permitiu, finalmente, substituir pequenas lâmpadas incandescentes em eletrônicos por LEDs. Os pequenos infravermelhos também foram responsáveis por algumas revoluções tecnológicas, como a comercialização do leitor de DVD e da câmera que enxerga no escuro.

Lâmpadas LED, você já instalou em sua casa? Comente no Fórum do TechTudo.

O LED azul, por outro lado, demorou 30 anos para ser criado com sucesso em laboratório. Em 1993, os pesquisadores japoneses Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura fizeram um semicondutor emissor de luz azul usando nitreto de gálio, um material que já havia sido usado por outras empresas em busca da cor azul, mas sem sucesso. Embora o processo de fabricação tenha sido a grande conquista dos cientistas, foi sua utilidade que ganhou os holofotes da indústria e, agora, da comissão de julgadores do Nobel.

A importância do LED azul

Os LEDs vermelho e verde — este criado em 1972 — não podiam, sozinhos, gerar a luz capaz de substituir lâmpadas incandescentes comuns. O LED azul surgiu como um complemento dessas tecnologias, e o uso das três cores juntas gerou o LED branco, que abriu caminho para a popularização de uma fonte de iluminação mais sustentável.

As lâmpadas LED brancas consomem muito menos energia do que lâmpadas comuns. Para gerar luz suficiente para uma sala de estar, as incandescentes precisam de 75 Watts, contra apenas 6 Watts do LED. Além disso, os diodos emissores de luz duram muito mais: são 100 mil ciclos contra apenas mil ciclos de lâmpadas incandescentes.

Assim, o LED azul foi a última peça para chegar ao branco e possibilitou que a tecnologia se popularizasse. Já há, no mercado, lâmpadas LED que emitem luz branca sem precisar do tripé de LEDs, mas este ainda é o método mais usado, pois é o mais barato e acessível. 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Filipe
    2016-05-21T22:25:20

    Devo concordar. Uma tremenda sacanagem com Nick Holonyak.

  • Wellington Sobral
    2015-10-06T13:55:42

    Realmente essa tecnologia vei pra ficar,uso muito..