13/01/2015 08h00 - Atualizado em 13/01/2015 08h00

Implante eletrônico pode ajudar pessoas com paralisia a recuperar movimentos

Thiago Barros
por
Para o TechTudo

Cientistas suíços da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL) desenvolveram um novo tipo de implante eletrônico que poderá, em breve, ajudar pessoas com paralisia a se movimentarem. Os primeiros testes do aparelho, feitos em ratos, foram bem sucedidos e agora os pesquisadores planejam desenvolver um protótipo para uso em humanos.

Monitor com resolução 5K chega ao Brasil, mas preço é ‘salgado’

Implante revolucionário foi testado com sucesso em ratos (Foto: Reprodução/YouTube)Implante revolucionário foi testado com sucesso em ratos (Foto: Reprodução/YouTube)

O implante, chamado e-Dura, é uma combinação de flexibilidade e de tecnologia. Ele tem um tubo preenchido com o substrato flexível feito de silicone, um microcanal com fluidos, fitas eletrônicas flexíveis feitas de ouro e eletrodos flexíveis, de silicone e de platina. São estes os materiais responsáveis pelos estímulos.

Desenhado para atuar como um tecido vivo, ele é implantado direto no cordão espinhal e pode permanecer em contato com ele sem causar inflamações, nem dano aos tecidos. Assim, é responsável por emitir seus estímulos elétricos e químicos, com a intenção de replicar o que seria enviado normalmente pelo corpo, para a realização dos movimentos.

Ratos que não conseguiam andar foram testados, e em algumas semanas, eles já estavam realizando seus movimentos novamente. Agora, dois meses depois, eles seguem com os implantes, e não apresentam nenhum problema – ao contrário dos implantes tradicionais, que danificam o tecido dos animais.

Confira um vídeo sobre o implante:


“Nosso implante e-Dura pode ficar um longo período de tempo no cordão espinhal ou no córtex, precisamente porque ele tem as mesmas propriedades mecânicas da dura-máter. Isso abre novas possibilidades terapêuticas para pacientes que sofrem de trauma ou disordem neurológica, particularmente indivíduos que ficaram paralisados por conta de lesão no cordão espinhal”, explicou Stéphanie Lacour, co-autora do estudo.

Ainda não há uma previsão de quando o implante começará a ser testado em humanos, porém uma publicação no site oficial da EPFL garante que ”os cientistas estão planejando avançar para testes em clínicas e para desenvolver um protótipo em preparação para a comercialização”.

Via Engadget e EPFL

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Marcio Alves
    2015-01-14T07:57:58

    Isso é simplesmente maravilhoso. Notícias como essas deveriam ser abundantes todos os dias.