Internet

16/03/2015 12h01 - Atualizado em 16/03/2015 12h06

Nudez, terrorismo e bullying: Facebook atualiza o que é proibido na rede

André Sugai
por
Para o TechTudo

O Facebook tem se dedicado a atualizar sua política de Comunidades e informar aos usuários o que eles podem ou não publicar dentro da rede social. Em sua última atualização, diversos tópicos como bullying, ameaças de violência, auto-mutilação e incitação ao ódio foram incluídos e complementados.

YouTube segue Vimeo e planeja serviço de assinatura de vídeo on-demand

O Facebook promete balancear suas ações entre bloquear e respeitar a liberdade de expressão, analisando todos os casos de perto. O objetivo de divulgar as novidades é de que a experiência seja a mais agradável para todos, sem que seja necessário a intervenção no perfil do autor das mensagens.

Facebook atualizar e detalha regras sobre o que é proibido na rede social; entenda (Foto: Melissa Cruz / TechTudo)Facebook atualiza e detalha regras sobre o que é proibido na rede social (Foto: Melissa Cruz / TechTudo)


O Facebook também proíbe conteúdo que ameacem outros usuários em relação a violência sexual, promoção de automutilação e apoio a organizações terroristas. A rede também combate os discursos de ódio que ataquem pessoas por suas raças, etnias, nacionalidade, religião ou orientação sexual.

Todas as denuncias recebidas serão analisadas afim de que a empresa decida se ela foi de origem sádica e realmente deve ser removida da rede ou se foi publicada com fim de aumentar a discussão sobre determinado assunto - o que inclui famosas polêmicas sobre mamilos e vídeos de atos violentos.

"Em particular, incluímos mais orientações sobre as políticas relacionadas com a automutilação, organizações perigosas [terrorismo], assédio moral [bullying e perseguição], atividade criminosa, violência e exploração sexual, nudez, discurso de ódio e conteúdo gráfico", explica em comunicado. 

Posts denunciados serão avaliados pelo Facebook (Foto: Divulgação/Facebook)Posts denunciados serão avaliados pelo Facebook (Foto: Divulgação/Facebook)

No caso do governo de algum país pedir a exclusão de determinado conteúdo, o Facebook irá analisar o pedido e não garante a exclusão mas o acesso restrito ao conteúdo denunciado. Assim, determinarão o que será excluído da rede ou não com base no teor do conteúdo e suas políticas de comunidade.

"Embora parte dessa orientação seja novidade, é compatível com a forma como nós aplicamos nossos padrões no passado", completa.

Pedidos de remoção só aumentam

A rede social também diz que os pedidos de remoção de conteúdo e dados de usuários a pedido de governos aumentou cerca de 11% no último ano. O Facebook ainda diz que vai “continuar a pressionar os governos ao redor do mundo a reformar suas práticas de vigilância de uma forma que mantenha a segurança e a privacidade de seu povo assegurando seus direitos e liberdades de expressão”.

As política de comunidades do Facebook foi criada para ajudar as pessoas a entenderem o que é aceitável ou não dentro da rede social. Assim, a rede pretende criar um ambiente onde as pessoas se sintam motivadas e aptas para tratar uns aos outros com empatia e respeito, respeitando as regras.

Os padrões da comunidade atualizados são divididos em quatro seções:

1) Ajudar a mantê-lo seguro;  
2) Incentivar o comportamento respeitoso; 
3) Manter sua conta e informações seguras;  
4) Proteger a sua propriedade intelectual.

Os novos padrões servem para todo conteúdo publicado dentro do Facebook. Se você já se deparou com um conteúdo que vá contra as regras impostas pela rede basta clicar na pequena seta que acompanha os posts e clicar na opção de denúncia (saiba denunciar posts no Facebook neste tutorial).

O documento completo você pode conferir em Padrões da Comunidade do Facebook no site (facebook.com/communitystandards). A rede também publicou um vídeo resumo no Vimeo.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares