Celular

08/04/2017 07h00 - Atualizado em 08/04/2017 07h00

Pesquisadores criam técnica para retirar arranhões da tela do celular

Isabela Giantomaso
por
Para o TechTudo

Uma tecnologia capaz de recuperar arranhões na tela do celular num prazo de até 24 horas pode chegar aos smartphones dentro dos próximos três anos. Desenvolvida por cientistas da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, a técnica com polímero elástico recupera danos no telefone – processo semelhante à cicatrização da pele humana, após um ferimento.

Depois de um tempo o corte fica imperceptível. Além das telas, o material também pode ser implantado em baterias de íons de lítio, o que prolongaria ainda mais a vida útil do celular.

LCD, OLED, AMOLED: entenda as diferenças entre as telas de celular

Tecnologia recupera arranhões na tela do celular em até 24 horas (Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo)Tecnologia recupera arranhões na tela do celular em até 24 horas (Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo)

Este não é o primeiro material em celulares com a capacidade de regeneração. Uma proposta parecida foi revelada no LG G Flex, capaz de eliminar qualquer arranhão na parte traseira em poucos minutos. Entretanto, o método não permitia a condução de eletricidade no smartphone, o que foi resolvido pelos pesquisadores da Califórnia para aplicar a técnica em telas e não só nas partes de plástico ou metal.

Basicamente, a tecnologia é feita de polímero elástico e sal iônico. Quando o material sofre uma fissura os íons e as moléculas são atraídos um para o outro, iniciando um processo parecido com a costura de um tecido. A recuperação, segundo os cientistas responsáveis, demora cerca de 24 horas e no final a tela arranhada volta a ter o aspecto anterior, totalmente restaurada.

No lado esquerdo, a tela arranhada. No direito, o material em processo de recuperação (Foto: Divulgação/Wang Lab)No lado esquerdo, a tela arranhada. No direito, o material em processo de recuperação (Foto: Divulgação/Wang Lab)

De acordo com Chao Wang, químico que está liderando a pesquisa, o material também pode ser aplicado em baterias de íons de lítio até 2020, o que deixaria os usuários mais tranquilos quanto a performance do smartphone após uma forte queda. “Isso fará com que nossos celulares alcancem um desempenho muito melhor do que alcançam hoje”, afirma Wang.

A tecnologia de recuperação de arranhões e fissuras foi apresentada em um encontro internacional do estudo da química na terça-feira (4). Agora, os cientistas devem testar o material em condições adversas para que esteja preparado para qualquer situação em que o celular se encontre. Segundo os pesquisadores, por enquanto a umidade pode prejudicar a rápida restauração de uma tela riscada.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

recentes

populares

  • Marcos Adriano
    2017-04-09T07:38:49

    Quando chegar está tecnologia no Brasil, Vai sair mais barato,comprar outro telefone, do que consertar.

  • Carlos Souza
    2017-04-08T17:27:36  

    Vão acabar com o emprego de vários "técnicos" de YouTube kkkk

    recentes

    populares

    • Carlos Souza
      2017-04-08T17:27:36  

      Acaba nunca...muda tudo a toda hora....estou no mercado a quase vinte anos podem inventar o que for e todo material eletrônico vai continuar dando problemas e todos vcs vão continuar precisando de trocar seus Smarts por novos (o que o fabricante quer) ou levar na assistência pra um reparo básico...escreva.